Wild West Irish Tour
Wild West Irish Tour

Anne Enright retorna aos dramas familiares em 'A Estrada Verde'

Vencedora do Man Booker Prize em 2007 por 'O Encontro', autora irlandesa tem novo livro publicado no Brasil

João Prata*, Colaboração para o Estado

01 Julho 2017 | 16h00

A vida é a arte do encontro embora haja tanto desencontro pela vida, professaria Vinícius de Moraes ao ler A Estrada Verde, da irlandesa Anne Enright. E completaria que para fazer um romance com beleza é preciso de um bocado de tristeza, porque senão não se escreve nada não.

Em sua mais recente obra, Anne Enright retoma os dramas familiares como o de seu O Encontro, prêmio Man Booker Prize de 2007, para contar sobre os momentos da vida que ninguém compartilha nas redes sociais. Esqueça os almoços festivos, a foto apinhada de gente feliz, as curtidas em forma de coração e todos os emoticons de sorrisos. A irlandesa de 54 anos explora de maneira melancólica a relação conflituosa e, ao mesmo tempo amorosa, da família Madigan, preocupada mais em revelar o sentimento não dito, a verdade não expressa. É como se existisse um belo lago em dia de sol para ser registrado e a autora optasse por mostrar a parte sombria que existe sob a água.

Enright usa também da ficção para colocar o leitor sob a ótica de como a população da Irlanda viveu os anos que antecederam uma das maiores crises dos últimos anos. A opção de parte de seus cidadãos migrarem para grandes capitais de outros países, mais atrativas segundo olhar da cultura local, a dificuldade de a geração economicamente ativa sobreviver à falta de emprego, além de tratar da principal causa para o problema financeira de 2010, a especulação imobiliária, quando meia dúzia de empresários ganhou muito dinheiro com a supervalorização de imóveis e depois o país quebrou.

“As pessoas dizem que escrevo sobre família o tempo inteiro, mas, de fato, eu coloco as pessoas nesse formato, ou uso esse formato de escrita para tratar sobre verdades profundas. Estou mais interessada em falar sobre separação e conexão, desconexão e amor”, explicou Enright em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

A Estrada Verde é narrado em terceira pessoa, diferentemente d’O Encontro, que tem a história contada por Veronica, que descreve os problemas familiares a partir do suicídio de Liam, o irmão, de um total de 12, com quem tinha mais afinidade. No mais recente romance, a personagem central é Rosaleen, a matriarca da família Madigan, uma mulher amargurada, de família rica e que se casou com um homem de classe social inferior. Apesar de à época ter dado de ombros às normas padrões de um povoado tradicionalista como o do condado de Clare, na Irlanda, ela colocará esse conflito em questão em diversos momentos da vida.

O marido, Pat Madigan, é um sujeito de hábitos simples e passa de lado na trama. Mas é o cara com quem Rosaleen teve quatro filhos: Constance, Dan, Emmet e Hanna. Na primeira parte do livro, os capítulos saltam em décadas. Em 1980, a protagonista entra em depressão quando Dan anuncia na mesa de jantar que irá se tornar padre. A crise inicial é narrada sob o ponto de vista de Hanna, uma criança na época, incumbida de ir até a farmácia do tio buscar algum remédio que cure a dor de saber que um filho não gerará descendentes. 

Nos anos seguintes, os filhos vão deixando o condado de Clare na tentativa de se tornarem independentes. Em 1991, Dan passa a encarar seu conflito sexual. Já desistiu do celibato, vive com uma namorada dos tempos de adolescente em Nova York, mas tem a primeira paixão por outro homem em um período que o vírus da aids se dissipa no mundo inteiro. 

Constance, a primogênita, casou-se com um marido rico do setor imobiliário e sofre com os dilemas de uma dona de casa. Acredita não ser valorizada o suficiente por quem está a sua volta e vê a possibilidade de o câncer de mama torná-la visível. Hemmet passou trabalhar em missões humanitárias e, em 2002, presta assistência à miserável população de Mali, no continente africano, acompanhado da então namorada Alice. Hanna, a caçula, é atriz desempregada, casou-se com um diretor em Dublin, cuida do filho ainda bebê, ao mesmo tempo que luta contra o alcoolismo.

Solitária e com a noção que as memórias afetivas estão caindo aos pedaços junto com o que existe na casa, viúva, Rosaleen decide acrescentar uma informação aos tradicionais cartões de Natal que envia para os filhos no final do ano: o imóvel da família será colocado à venda. É quando se inicia a segunda parte do livro, o momento do reencontro. Nenhum dos filhos ainda se achou na vida e isso aflige a matriarca, que tem um carinho por todos, apesar de só demonstrar amor por Dan. O retorno dos quatro filhos ao lar da infância trará velhos conflitos à tona e novos dramas nascerão a fim de reestabelecer o amor entre os Madigans. 

*João Prata é jornalista

A Estrada Verde

Autora: Anne Enright

Tradução: Tereza Bettinardi

Editora: Companhia das Letras

256 páginas

R$ 49,90

Mais conteúdo sobre:
Literatura Literatura Irlandesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.