Frederic Poletti/Editora Estação Liberdade
Frederic Poletti/Editora Estação Liberdade

'Bolhas', de Peter Sloterdijk, é filosofia descontraída

Autor alemão faz referência à cultura pop e pede que leitor se livre de 'reflexos antirreligiosos'

Sergio Medeiros*, Colaboração para o Estado de S. Paulo

18 Março 2017 | 16h00

A obra Bolhas é o primeiro volume da trilogia Esferas, do filósofo alemão Peter Sloterdijk. O segundo volume, ainda não traduzido para o português, intitula-se Globos, e o terceiro, Espumas. O leitor curioso não terá dificuldades para percorrer as 2.500 páginas da trilogia, que lerá com prazer, da primeira à última página, pois se trata de uma obra acessível e fascinante. Não apenas porque o autor reflete com originalidade e agudeza sobre a lei das esferas ou da globalização, mas também porque a sua escrita colabora enormemente para que o leitor se sinta à vontade em meio à impressionante massa de dados de diferentes fontes do passado e do presente sobre a “existência esférica”; esses dados lhe são entregues generosamente, às vezes em pequenos resumos, às vezes extensamente, sempre acompanhados de comentários argutos do autor. 

Sloterdijk apresenta o mundo redondo intimamente compartilhado e propõe uma análise das bolhas bipolares, situando sua reflexão no universo das microesferas ou das esferas íntimas; traz assim à tona vários exemplos do que ele denomina de relações de intimidade, as quais descreve como a coexistência “de algo com algo no interior de algo” (o feto que recebe no útero as boas-vindas da mãe). Sloterdijk contesta a visão dogmática de uma solidão primária do ser humano, a qual, segundo ele, apresenta-se de maneira mais triunfal do que nunca na modernidade. Para o autor, a relação com o outro é que é fundadora e imemorial. Ele pede que o leitor se liberte do espírito anticristão dos últimos séculos e reavalie sem preconceitos a possibilidade de acessibilidade ao outro, essa experiência fundamental da esferologia antiga (o cristianismo dos primeiros tempos): “Quem quiser reconstituir hoje experiências fundamentais de comunhão e de comunidade precisa estar livre de reflexos antirreligiosos”. 

Fartamente ilustrado, o volume oferece ao leitor, em reproduções não muito boas, obras religiosas e obras profanas, todas relacionadas ao tema tratado por Sloterdijk, mas elas não são comentadas (com uma ou outra exceção), cabendo ao leitor fazer a ligação entre texto e imagem e tirar as suas conclusões. O leitor talvez tenha a impressão de ter acesso a uma transcrição daquelas apresentações acadêmicas contemporâneas em que o autor lê no computador um ensaio erudito enquanto atrás dele, num telão, vão passando imagens mais ou menos casuais que “ilustram” aspectos de sua fala. Esse caráter descontraído e meio improvisado, entre imagem e texto, confere vivacidade ao livro de Sloterdijk e contribui para criar uma “relação de intimidade” com o leitor. “O que aparece como novo só pode ser, nestes assuntos”, afirma o pensador alemão, “a clareza crepitante, talvez demoníaca, da apresentação”. 

Ao defender uma lógica universal de estar-no-espaço-partilhado, Sloterdijk propõe equações saborosas, como a que une teologia com surrealismo (o leitor deparará com locuções como “interpessoalidade surreal”), ou arte de vanguarda com criações mitológicas arcaicas. Heidegger e Andy Warhol estão perfeitamente integrados nesta esferologia contemporânea (um modelo de união), assim como Santo Agostinho e o astro pop, entre numerosas outras personalidades que nem sempre o leitor espera ver juntas num livro de filosofia. A menção à música pop não é uma mera concessão ao contemporâneo e à cultura de massa; um dos capítulos mais impressionantes de Bolhas é o que se chama O Estágio das Sereias: sobre a Primeira Aliança Sonosférica, em que a pesquisa dos pares e a teoria do espaço dual desemboca no conceito de canto e desenvolve o conceito de ouvinte contra o de consumidor de imagens. “Quando os padres não estão por perto, fica evidente que os homens não querem se tornar Deus, mas um hit musical”, conclui Sloterdijk, que passa então a analisar a cena musical pós-moderna: “Mas a histeria dos tenores e a agitação pop não seriam tão atraentes se não estivessem sempre oferecendo projeções mais impressionantes desses poderes arcaicos que efetuam as formações do EU através do ouvido”. Os humanos não querem se parecer a algo, mas soar como algo, e seu autor denuncia: “Foi preciso o desencadeamento da moderna maquinaria de imagens que, desde o Barroco, imprime seus clichês na população para ocultar essa relação fundamental e submeter as massas ao encantamento do individualismo visual, com seus instantâneos, seus espelhos e suas revistas de moda”. 

A isso Sloterdijk denomina teoria da comunicação emotiva nas grandes sociedades (homens são animais que se ouvem uns aos outros), e ao fazer o elogio do ouvido, refuta a tese da solidão primária do ser humano e afirma o fundamento da receptividade dos indivíduos às mensagens de seus semelhantes. Sua conclusão não é surpreendente: “Só com base no grande desenvolvimento emotivo da audição foi possível à existência humana tornar-se estadia em uma estufa sonosférica”. 

*Sérgio Medeiros é poeta, ensaísta, tradutor, professor na UFSC e autor de 'A Idolatria Poética ou A Febre de Imagens' e 'As Emas do General Stroessner', ambas da Editora Iluminuras

Esferas I - Bolhas

Autor: Peter Sloterdijk

Tradução: José Oscar de Almeida Marques

Editora: Estação Liberdade

576 páginas

R$ 95

Mais conteúdo sobre:
Filosofia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.