Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Aliás

Aliás » Em centenário da Revolução Russa, editoras apostam em vítima de Stalin

Aliás

Em centenário da Revolução Russa, editoras apostam em vítima de Stalin

ALIÁS

Literatura

Em centenário da Revolução Russa, editoras apostam em vítima de Stalin

'Teoria Geral do Direito e Marxismo', de Evgeni Pachukanis, será traduzida no Brasil pela Boitempo e pela Surdermann

0

Marcelo Godoy ,
O Estado de S.Paulo

18 Março 2017 | 16h00

Pela primeira vez, a obra do teórico do direito Evgeni Pachukanis será traduzida no Brasil diretamente do russo. Duas editoras – a Surdermann e a Boitempo – preparam edições da Teoria Geral do Direito e Marxismo, do principal jurista soviético. A edição da Surdermann trará ainda seis ensaios de Pachukanis que jamais haviam sido traduzidos para outra língua. As obras que serão publicadas abrangem o período de 1921 a 1929 – sua Teoria Geral é de 1924 –, antes, portanto, de o jurista ter sido forçado pela regime stalinista a abjurar sua teoria e a reconhecer “seus erros”.

A visão revolucionária de Pachukanis se insere no contexto de uma intelectualidade que tentava levar a Revolução a todas as áreas do conhecimento humano – do exército às artes gráficas. Sua concepção chocava-se no interior do Partido Comunista com a ideia da existência de um direito proletário, que seria exercido em um Estado que construía o socialismo. A consolidação da ideia stalinista seria o reflexo no mundo jurídico do que a historiadora Sheila Fitzpatrick chamou de “retorno à normalidade”, o processo observado na vida soviética após o Grande Terror de 1937-1938, que encerrou as transformações revolucionárias iniciadas em 1917, fundando uma “era pós-revolucionária”. O próprio Pachukanis foi preso e executado a mando de Stalin em 1937.

Ambas as editoras reuniram equipes multidisciplinares para cuidar da revisão técnica de suas traduções. “Pachukanis pensava que o direito era uma expressão do modo capitalista de produção”, diz o professor Marcus Orione, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, que integrou o grupo que cuidou da edição da Sundermann. Crítico do burocratismo na vida soviética, o teórico russo só voltou a ser publicado em seu país após a morte de Stalin.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.