Bossa Nova Films
Bossa Nova Films

Livro de Caetano mostra como não haveria Tropicalismo sem São Paulo

Autobiografia 'Verdade Tropical' ganha nova edição duas décadas após publicação original

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2017 | 16h00

Assim como é difícil imaginar o surgimento do movimento punk sem a Londres decadente dos anos 1970 ou o apogeu do movimento hippie sem a ensolarada São Francisco dos 1960, é impossível entender o Tropicalismo sem a Sampa de Caetano, Gil, Mutantes, Tom Zé e cia.

+++Álbum de estreia do Pink Floyd completa 50 anos e revela tragédia no início da banda

São Paulo entrou definitivamente na vida de Caetano Veloso (e vice-versa) quando, em 1967, ele e a então mulher, Dedé Gadelha, decidiram morar num amplo apartamento de um arranha-céu da capital paulista. “Na esquina em frente, via-se o Edifício Itália, um dos mais altos da cidade, e era gostoso viver no coração de uma grande cidade, entre grandes edifícios”, relembra ele no livro Verdade Tropical, que a editora Companhia das Letras acaba de reeditar para marcar os 50 anos do movimento cultural tropicalista.

+++'Sgt. Pepper' faz 50 anos como o mais influente disco conceitual da música pop

Gestada na Bahia, nascida e batizada no Rio de Janeiro, a Tropicália encontrou em São Paulo o solo fértil para crescer e disseminar seus ideais de modernização e de ruptura. A cacofonia da metrópole inspirou acordes dissonantes e letras de orientação concretista. Exatos 20 anos após seu primeiro lançamento, o extenso e abrangente Verdade Tropical (que trata não apenas da aventura paulistana do autor, mas de toda a sua produção) ainda permanece como a melhor obra sobre a relação da Pauliceia com o movimento tropicalista e as demais vanguardas culturais do século 20 que o influenciaram.

Em Verdade Tropical, como o próprio Caetano se refere ao livro de autoria dele, a concepção da Tropicália é esmiuçada nas recordações que o autor tem da infância em Santo Amaro, na Bahia, do período como estudante em Salvador e do início da carreira de cantor e compositor nos apartamentos do prédio eternizado como Solar da Fossa, no Rio de Janeiro, onde Caetano morou entre 1966 e 1967 e travou contato com o Cinema Novo (gênero cinematográfico brasileiro dos anos 1960). “Se o tropicalismo se deveu em alguma medida a meus atos e a minhas ideias, temos então de considerar como deflagrador do movimento o impacto que teve sobre mim o filme Terra em Transe, de Glauber Rocha (1939-1981), em minha temporada carioca”, escreve Caetano.

Os dois anos de Rio serviram também para expandir os horizontes de Caetano na literatura, influenciado principalmente pelo livro Panamerica, de José Agrippino de Paula (1937-2007), e pelo convívio com seu autor e com o poeta, jornalista e letrista Torquato Neto (1944-1972). No terreno da música, propriamente dita, Caetano conheceu, entre outros compositores que se tornariam grandes, Edu Lobo, Paulinho da Viola e Chico Buarque. Foi no Rio que ele começou pra valer sua trajetória profissional e decidiu radicalizar a experiência estética da MPB. Para isso, no entanto, Caetano precisou trocar a Cidade Maravilhosa, berço da Bossa Nova e do samba-canção, por São Paulo.

“São Paulo era um campo vasto e neutro onde sucessos parciais e setorizados, que não dependem de adesão nacional, eram possíveis”, afirma Caetano em seu livro. Do Hotel Danúbio, na avenida Brigadeiro Luís Antonio, no bairro da Bela Vista, Caetano e o também baiano e seu eterno parceiro Gilberto Gil saíram certa noite de 1967 para mudar a história da música brasileira em um festival da TV Record. No palco do antigo Teatro Paramount, também na Brigadeiro, eles apresentaram Alegria, Alegria (Caetano) e Domingo no Parque (Gil), canções com os primeiros elementos tropicalistas e que se tornaram emblemáticas do movimento.

Nessa altura, a base musical da Tropicália estava praticamente toda em São Paulo, onde Os Mutantes foram nascidos e criados (os irmãos Arnaldo Batista e Sérgio Dias na Pompeia, zona oeste, e Rita Lee na Vila Mariana, zona sul), onde Gilberto Gil já trabalhava como funcionário de uma multinacional e onde Jorge Bem curtia uma espécie de exílio carioca no bairro do Brooklin Paulista, na zona sul. Havia ainda o maestro Rogério Duprat (1932-2006), Agrippino, de volta à cidade natal, e Tom Zé, trazido da Bahia por Caetano.

Esse núcleo do movimento refletia a diversidade regional e cultural da metrópole. Em artigo intitulado Usina Tropipaulista, publicado no jornal Folha de S.Paulo, no dia 3 de dezembro de 1995, o maestro Julio Medaglia, colaborador do movimento, resumiu: “Coerente com sua vocação de atrair povos, mesclar costumes e comportamentos e provocar entre eles um excitante e criativo intercâmbio, São Paulo soube também na área cultural catalisar ideias e ações em momentos sensíveis deste século”.

Em VT, Caetano descreve e analisa sua relação com esses “momentos sensíveis” do século 20, mais especificamente, a Semana de Arte Moderna de 22 e a Poesia Concreta, dois movimentos vanguardistas ambientados em São Paulo. Ao modernismo de Oswald de Andrade (1890-1954) e de Mario de Andrade (1893-1945), Caetano chegou pelo teatro Oficina de José Celso Martinez Corrêa, que encenou naquele tempo O Rei da Vela, de Oswald. A relação com o concretismo foi feita diretamente com os poetas Augusto de Campos, Haroldo de Campos (1929-2003) e Décio Pignatari (1927-2012).

Ao dialogar e incorporar elementos desses movimentos, a experiência tropicalista também ajudou a organizar uma espécie de “linha evolutiva” (na expressão “caetanística”) das vanguardas paulistanas do século passado, recuperando seus preceitos e aplicando-os ao Brasil contemporâneo, urbano, consumista e de massas. “O mais abrangente acontecimento cultural emergido da área da música popular, o tropicalismo, só poderia mesmo ocorrer em Sampa. Sua provocação que se estendia por toda a movimentação cultural viva da época, reunia a música fina e cafona, a poesia de cuíca de Santo Amaro e a poesia concreta, o berimbau e o teremin, a música eletrônica e o bandolim, a crônica social e o intimismo, o sério e o deboche, a vanguarda e o tradicional, o vocal e o instrumental, o experimentalismo sonoro e o desbunde cênico, o universal e o regional e tudo, enfim, que passasse perto (ou longe)”, afirma Medaglia em seu artigo.

Anos depois da fase heroica do Tropicalismo, Caetano eternizou sua passagem por São Paulo e homenageou suas influências vanguardistas com referências aos Irmãos Campos, a Rita Lee e ao Oficina na canção Sampa, uma das músicas-símbolo da cidade:

Alguma coisa acontece no meu coração /

que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João /

É que quando eu cheguei por aqui /

Eu nada entendi /

Da dura poesia concreta de tuas esquinas /

Da deselegância discreta de tuas meninas/

Ainda não havia para mim Rita Lee /

A tua mais completa tradução/

(…)

Eu vejo surgir teus poetas de campos, espaços /

Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

Para todo o sempre, a Pauliceia moldou o Tropicalismo e afetou seus expoentes baianos de maneira profunda. Tom Zé, nascido em Irará (BA), radicalizou a experiência e vive até hoje na capital paulista. Uma das mais engraçadas passagens do denso e muitas vezes prolixo livro de Caetano trata justamente dessa viagem, quando o matuto Tom Zé pede a uma aeromoça (as atuais comissárias de bordo) que sirva a ele cachaça. Diante da negativa, ele sentencia: “Pare esta caravela”, e começa a desafivelar o cinto como se fosse possível saltar do avião.

Caetano e Gil acabaram escolhendo o Rio de Janeiro para morar, sem nunca, no entanto, perderem sua ligação com Salvador e com São Paulo – as três metrópoles cravadas no âmago do tropicalismo. Verdade Tropical é um livro rico nos relatos da breve, porém intensa, passagem de ambos pela capital paulista e as consequências desse encontro para a cultura brasileira e a história da MPB.

A Tropicália foi criada em 1967, mas sua pedra fundamental também pode ser considerada o disco coletivo Panis et Circensis, lançado em julho do ano seguinte, cinco meses antes do “álbum branco” dos Beatles, ambos sob os eflúvios das revoltas estudantis de Paris e dos protestos nos EUA contra a Guerra do Vietnã. Portanto, a virada deste 2017 para o 2018, que já nos bate à porta, talvez seja a melhor data para a comemoração do cinquentenário. Bananas ao vento.

Mais conteúdo sobre:
Tropicalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.