O elo que faltava?

Surge uma nova rede social na semana em que o Orkut sai de cena. Mas é cedo para dizer se o Facebook será superado

Alexandre Matias, O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2014 | 16h00

 

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;" CLASS="IMGEMBED

Mais uma vez estamos nos perguntando “mas pra que serve isso?” e “agora que estou aqui, o que faço?”. Desta vez quem puxa as questões é uma rede social que começou a fazer barulho na mesma semana em que o Google desligou os aparelhos de sua - e nossa - primeira rede social, o Orkut. A Ello foi lançada em março e só havia sido percebida, como sempre, por alguns poucos tecnófilos, novidadeiros e gente de comunicação. Mas, com o fim de setembro, tornou-se a nova aposta da internet para “derrubar” o Facebook.

Em termos de interface, o Ello não traz particularmente nenhuma novidade. Na verdade, o site diminui uma série de recursos que outras redes sociais criaram e foram apropriados uns pelos outros: o Twitter criou a hashtag que depois foi apropriada pelo Facebook; o conceito de RT (retweet) é praticamente a ideia que dá origem ao Tumblr e também foi incorporado pelo Facebook, com o botão “compartilhar”. A contagem de RTs é decorrente da contagem de likes da rede de Mark Zuckerberg e essas duas redes sociais assumiram o papel de repositório de fotos e vídeos, que já vinha sendo ocupado pelo Flickr e pelo YouTube, sites que assimilaram todos os conceitos das redes sociais e se tornaram, eles mesmos, outras redes desse tipo. A natureza aberta da internet permite esse excesso de clones e apropriações específicas de funções sem que necessariamente isso resulte em processos por plágio.

O Ello não tem nada disso. Sua interface é espartana, quase um rascunho digital do que poderia ser um site mais “aconchegante” ou “arrojado”, dependendo do lado que for a direção de arte. Ello é cru, minimalista, não permite republicações nem hashtags surtem efeito. Divide seus contatos entre “amigos” e “ruído” e permite gif animados (como o Google +), mas seu “salto de fé” vem embutido na última parte de seu slogan, que resume o site como simple, beautiful, ad-free (simples, bonito e sem anúncios).

“Ello não vende anúncios. Nem vendemos dados sobre você para terceiros”, explica o site em seu manifesto (https://ello.co/wtf/post/about-ello): “Virtualmente todas as redes sociais são geridas por publicitários. Nos bastidores eles empregam exércitos de vendedores de anúncios e mineradores de dados para registrar todo movimento que você faz. Dados sobre você então são leiloados para anunciantes e para corretores de dados. Você é o produto que está sendo vendido e comprado.”

Embora esse não seja o motivo da recente explosão de popularidade da nova rede social, é sem dúvida o seu maior apelo. Muito já foi escrito e investigado sobre a falta de ética ou de pudores das redes sociais em relação à possibilidade de transformar nossas pegadas digitais em fórmulas para personalizar propaganda. O Facebook teve de mudar seus termos de uso diversas vezes após ser acusada de se apropriar de diferentes níveis de privacidade de seus usuários.

A onipresença da rede de Mark Zuckerberg é assustadora e muitos a vêm deixando por causa disso. Embora cada vez mais gente encontre oportunidades, inclusive de negócios, graças ao Facebook, a forma como ele se embrenhou em diferentes camadas de nossas vidas é preocupante. O mesmo ocorre com o Google, outra máquina de invasão da privacidade alheia. Os dois sites estabeleceram-se durante a década passada, cresceram graças a investimentos e publicidade e hoje fazem parte do dia a dia de parte gigantesca da população do planeta. Entretanto, o futuro do Facebook é mais incerto que o do Google justamente por operar em apenas um campo - o da rede social. Por maior que seja sua atuação, ela é pequena se pensarmos no conjunto de operações sob a marca Google - que compra empresas de robótica e engenharia genética, tem todo o mundo (e a Lua!) mapeado digitalmente, tem o sistema operacional (o Android) e o navegador da web (o Chrome) mais populares do planeta, o maior repositório de vídeos existente (o YouTube), o tradutor online mais usado da internet - e a lista poderia continuar, sem exagero, por algumas páginas. Tudo isso converge para a publicidade e compensa o fato de todas tentativas de rede social lançada pelo site - o recém-falecido Orkut, os descontinuados Google Wave e Google Buzz, a enorme cidade fantasma chamada Google Plus - terem dado errado.

As duas empresas antecipam um futuro totalitário em que o Big Brother de George Orwell não é um ditador onisciente, mas um conjunto de distrações mais próximo do Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley, descrito magistralmente pelo norte-americano Dave Eggers em um dos melhores livros de 2014, The Circle, que será lançado este mês no Brasil.

O Facebook, no entanto, corre para entrar também no celular, o computador pessoal do início deste século. Melhorou bastante seu aplicativo, comprou hits populares (Instagram e WhatsApp, embora tenha sido esnobado pelo SnapChat), empurrou goela abaixo um outro aplicativo para trocar mensagens e fica pedindo o tempo todo seu número de telefone celular por motivos “de segurança”. Sua onipresença segue firme nos celulares, mas e se a onda dos “computadores vestíveis” pegar? Os óculos do Google, os relógios da Apple e da Samsung já estão nas ruas - e o Facebook vai ter que correr para se adaptar, de novo.

Enquanto isso as pessoas vão ficando fartas de terem todos seus conhecidos numa mesma plataforma, de misturar colegas de trabalho, familiares, amigos íntimos e conhecidos numa mesma caixa de comentários, de tanto post patrocinado. O Facebook também consegue extrair o pior das pessoas e tornou-se, para umas três ou quatro gerações diferentes, uma mistura de blog com caixa de comentários de sites de notícias, todo mundo resmungando seus piores argumentos, remoendo rancores, querendo sair no tapa com desconhecidos, desafazendo amizades até na vida offline.

O sucesso do Ello veio disso, do fato de o Facebook exigir que as pessoas escrevam o próprio nome no campo, como um formulário burocrático em vez de uma reinvenção pessoal. Drag queens de São Francisco, nos EUA, queriam vestir seu personagem em vez de usar a identidade de batismo. E migraram para o Ello como protesto. O resultado foi um efeito dominó - e um novo excesso de pessoas fez muita gente migrar para esse novo lugar digital. São Francisco é a meca do movimento gay e do mundo digital; e o sucesso do Ello entre essas duas comunidades o fez explodir no resto do mundo, inclusive no Brasil (afinal já é conhecida nossa tradição de “invadir geral” no mundo online).

Se o Ello é o novo Facebook só o tempo dirá. Pois já vimos esse filme em vários formatos: o Friendster nos EUA e o Orkut no Brasil foram substituídos pelo MySpace e depois pelo Facebook, com o Twitter entre os dois últimos e o Pinterest, o Instagram e o Tumblr e o… Uns vieram e ficaram, outros sumiram, alguns são usados por grupos menores para finalidades específicas… Só vamos saber se vão dar certo se houver gente suficiente. Afinal, as perguntas do início de qualquer rede social (“mas pra que serve isso?” e “agora que estou aqui, o que faço?”) são as perguntas que fizemos ao entrar na internet pela primeira vez e, em última instância, dizem respeito à vida, afinal.

E só tem um jeito de descobrir o que vai acontecer depois…

ALEXANDRE MATIAS É JORNALISTA, FOI EDITOR DO LINK ESTADÃO E É DONO DO SITE WWW.TRABALHOSUJO.COM.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.