Jae C. Hong | AP
Jae C. Hong | AP

O que joga contra: as tensões por trás do maior evento esportivo do planeta

Apesar do esforço na maquiagem, na hora de celebrar o que há de maior na condição humana, o que transparece são as tensões sociais, diz sociólogo

José de Souza Martins, O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2016 | 16h00

Quais embates deste mundo conturbado abrigam-se na mensagem de paz da bela trama dos Jogos Olímpicos agora iniciados entre nós? O que ameaça desdizer o que a Olimpíada pretende dizer? O que há de menos nesse momento do mais da condição humana? O Rio de Janeiro se propôs, em 2007, a sediar a Olimpíada, num momento em que a cosmética política colocava o Brasil entre as estrelas fulgurantes dos países emergentes. A chama da Olimpíada nos chega num momento em que o fulgor do País mal é visto da praia. Se havia a intenção de fazer da Olimpíada a confirmação épica do Brasil imaginário do neopopulismo brasileiro, a crua realidade da crise política e econômica expõe ao mundo o pesado avesso de pouco mais de uma década fantasiosa.

Não obstante, os portadores da chama sagrada acabam de concluir a longa e demorada travessia desde a Grécia olímpica a caminho da abertura dos Jogos de 2016. Solenemente, a chama cruzou a baía da Guanabara e o atleta que a conduzia pisou nas areias da praia do Novo Mundo 120 anos depois da primeira Olimpíada moderna. Ocultas nas cerimônias e símbolos, grandes contradições e tensões sociais estão presentes no acontecimento.

Se por um lado os Jogos Olímpicos modernos florescem num mundo redesenhado pela violência do Imperialismo econômico e político que nascia no final do século 19, florescem também como reação do bem e da esperança aos efeitos desagregadores da nova geografia do dinheiro e do poder. Não foi casual que o espírito olímpico se alimentasse dos valores diletantes de uma nobreza que perdera o protagonismo econômico e político. Disponível agora para repensar criticamente o mundo na perspectiva da competição esportiva e não na da guerra de conquista e de dominação.

O sonho do barão Pierre de Coubertin, criador das Olimpíadas, era um sonho de retomada e disseminação de valores ameaçados pelo primado do econômico e do lucro na ordenação do mundo. A força e a beleza olímpicas não conflitavam com o advento do indivíduo como sujeito ainda que dessa modernidade lucrativa, mas reatavam a individualidade com os valores do humano, com a comunidade do gênero humano. O homem antes da coisa e não o homem coisificado.

Esses valores persistem como valores centrais das Olimpíadas, apesar de toda a brutal deformação que fez com que ganhar uma medalha de ouro possa ser mais importante do que competir, mais importante do que afirmar a condição humana. É o nós que dá sentido às Olimpíadas e não o eu. As Olimpíadas nascem e se propõem como grande ritual de afirmação da condição humana no marco do fato novo da mundialização, rito do encontro contra os fatores e motivos do desencontro, o corpo humano como obra de arte e não como corpo perecível e descartável, não como o corpo da linha de produção. Uma sadia vaidade pré-moderna se apossa dessa mundialidade oposta ao imperialismo e ao que o imperialismo significa.

Não obstante essas polarizações demarcadoras e a supremacia ética do que é próprio do espírito olímpico, os conflitos pequenos e grandes da realidade e da circunstância tem estado de tocaia para raptar ideologicamente o grande alcance dos Jogos. A Olimpíada proposta pela social democrática República de Weimar foi realizada pela Alemanha nazista, em 1936, que não deixou de parasitar o evento em nome de seus valores autoritários. Teve que dissimular o racismo e os componentes antiolímpicos da ideologia oficial. Diferente de tudo que se disse depois da Segunda Guerra Mundial, o entusiasmo com que os alemães acolheram o desempenho de figuras como o negro americano Jesse Owens sugere que nas entrelinhas do evento e na sociedade alemã havia amplo espaço para o acolhimento do espírito olímpico. Entre Moscou e Los Angeles, a função reguladora e deformadora da Guerra Fria não afetou a manifestação de diferenças substantivas e identitárias de ambas as sociedades, propiciada pelo Jogos. Mas, em Munique, o atentado contra a delegação israelense inaugurou um ciclo de medo que chega até nós, o do terrorismo, a revitalização da ideia de que o mundo é menor do que queremos e de que nele não há oxigênio para todos os seres humanos nem para a mundialidade da paz que a Olimpíada representa.

Há, também, as coisas pequenas conspirando contra esse espírito. Nos Jogos Olímpicos do México, os primeiros da América Latina, a violência do oligarquismo antidemocrático promoveu o massacre da Plaza de Tlatelolco dez dias antes da Olimpíada, contra estudantes, mais de 200 mortos, numa tentativa de limpeza de cena para fingir primeiro-mundismo no terceiro-mundismo. Estamos também nesse ciclo. Manifestantes, de um lado ou de outro do drama político brasileiro, que se exibem com faixas em inglês para turistas que nada têm a ver conosco nem querem ter. Manifestantes sem educação nem politização, partidarizados e autoritários, atacam e insultam uma atriz, simplesmente por ser ela quem é e ter ideias diferentes. O de menos mandando no mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.