SVEN TORFINN | NYT
SVEN TORFINN | NYT

‘POR FAVOR, ROUBEM SÓ UM POUCO’

Uma das nações mais estáveis da África, o Quênia afunda em corrupção. O problema é que os EUA precisam de seus governantes

Jeffrey GettlemanNAIRÓBI/QUÊNIA, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2015 | 16h00

 

Em matéria de honestidade, os políticos deste país não costumam receber prêmios. Mas mesmo para os quenianos, que testemunharam inúmeros escândalos de corrupção ao longo dos anos, os casos de suborno agora revelados são escandalosos demais para acreditar.

Esta semana, uma comissão parlamentar recebeu um documento com detalhes do desaparecimento de milhões de dólares, por meio de gastos oficiais bastante curiosos. Incluem, por exemplo, máquinas de venda de camisinhas que custaram milhares de dólares e, aparentemente, canetas esferográficas a US$ 85 – cada uma.

“Uma caneta?”, perguntou John Githongo, um dos principais ativistas na luta contra a corrupção. “Mais de US$ 80 por uma simples caneta? Pelo amor de Deus, este é o maior bando de ladrões que já esteve no governo. É um estupro do país, onde acontece de tudo, da caça furtiva de animais selvagens a um endividamento extraordinário.”

“É um escândalo depois do outro”, acrescentou Githongo, que já esteve encarregado do combate à corrupção, mas foi obrigado a fugir do Quênia, ameaçado de morte. Ele regressou poucos anos mais tarde. “Nós não temos um governo. Temos um escândalo”.

Os preços dos artigos de primeira necessidade estão subindo. A moeda está naufragando. O Quênia, considerado uma das nações mais estáveis e estrategicamente importantes da África, afunda cada vez mais em dívidas.

Há alguns meses, o governo se recusou a pagar aos professores primários do país um aumento que fora ordenado pela Justiça, alegando falta de recursos, o que provocou uma greve marcada pelo ressentimento, durante a qual as crianças ficaram sem aula semanas a fio.

Ao mesmo tempo, os jornais estão repletos de acusações contra ministros e funcionários dos mais altos escalões, que são considerados culpados de tudo, desde tentar roubar o terreno do recreio de uma escola primária, ao desaparecimento de milhões do contrato de um oleoduto.

O Quênia captou recentemente US$ 2 bilhões em eurobonds, que seriam usados para novas infraestruturas. Não se sabe ao certo o que aconteceu com todo esse dinheiro.

“Dá para imaginar? Nós pagamos impostos, eu quase não consigo comprar farinha de trigo, e agora isto?” disse Boniface Wanyama Wekesa, um guarda de segurança, que lia um artigo de primeira página, na quarta-feira, sobre as canetas a US$ 85. “Se você quer roubar”, acrescentou, repetindo as famosas palavras de Mobutu Sese Seko, o ex-ditador do Zaire (hoje República Democrática do Congo), “por favor, roube só um pouco”. Os funcionários implicados negaram ter cometido crime. Manoah Esipisu, um porta-voz do governo, disse em um comunicado que “as acusações estão sendo investigadas”. “No Quênia”, escreveu, “acreditamos nas instituições: na Comissão de Ética e Anticorrupção, na promotoria, no Judiciário, etc.”

O Quênia é um aliado vital do Ocidente, por abrigar uma ampla comunidade dos serviços secretos e várias bases militares ocidentais, abertas e ocultas. O país é considerado fundamental na batalha contra o extremismo islâmico que atormenta os vizinhos, como a Somália. Os Estados Unidos precisam usar toda a sua habilidade aqui, porque, embora necessitem da cooperação do governo queniano contra o terrorismo, não querem ficar calados a respeito do suborno descontrolado.

Em julho, o presidente Obama falou energicamente sobre corrupção durante uma visita ao país, afirmando que “ela compromete todos os aspectos da vida civil e econômica”.

Os Estados Unidos anunciaram um programa conjunto com o Quênia contra a corrupção e recentemente prometeram uma ajuda de mais de US$ 1 milhão para a criação de uma unidade queniana de investigação de casos de corrupção. E o embaixador americano no Quênia, Robert F. Godec, se disse “preocupado”.

Ainda assim, aparentemente, o Ocidente está batendo a cabeça contra um muro. Os ativistas afirmam que a corrupção no Quênia só está se agravando e que o Ocidente precisa falar menos e fazer mais, como negar vistos a todo funcionário queniano acusado de roubar dinheiro público. Afinal, o Quênia continua um país pobre, onde muitas pessoas não têm água potável e nem acesso à eletricidade. Não será exagero afirmar que muitos têm uma vida atribulada – ou mesmo morrem – por causa do dinheiro desviado.

Até Robert Mugabe, ditador do Zimbábue, que certamente não é famoso pela boa governança, teria afirmado: “Estes cidadãos da África Oriental me chocam com as bruxarias que fazem para roubar. Parece que nas universidades há um curso chamado Bacharelado em Roubo”.

Mugabe aconselhou seus concidadãos a se manterem em “alerta” ao visitarem o Quênia: “Eles podem contaminá-los com essa doença”.

Historicamente, o roubo público no Quênia – desprovido de indústria petrolífera, ou minas de diamantes e de ouro – é feito mediante esquemas obscuros, que envolvem complicadas operações cambiais. Mas, nos dias de hoje, a pilhagem desenfreada parece mais escancarada e desesperada: deve haver razões para isso. Segundo analistas, os políticos quenianos já procuram criar fundos para as eleições gerais de 2017. A economia também cresce rapidamente, o que torna os imóveis na capital, Nairóbi, incrivelmente caros, e leva a invasões de terras por parte dos poderosos.

E Githongo ainda garantiu-me que a situação é bem pior. Ele destacou que os dois principais líderes do Quênia subiram ao poder em 2013 em circunstâncias duvidosas, e foram indiciados pelo Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade depois das disputadas eleições de 2007. O presidente Uhuru Kenyatta acabou inocentado, mas o processo contra o vice-presidente, William Ruto, ainda não terminou.

“Esta situação tem um efeito profundamente negativo para a vida neste país”, afirmou Githongo. “Ela cria uma atmosfera permissiva do topo até o povo lá em baixo. Em todos os níveis do governo as pessoas dizem: ‘Se os nossos líderes podem se safar, por que nós não podemos’?”

/ TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.