Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Aliás

Aliás » Revolução Russa completa centenário sem historiografia ser traduzida

Aliás

Bettmann

ALIÁS

História

Revolução Russa completa centenário sem historiografia ser traduzida

Apesar do interesse renovado das editoras, principais livros de historiadores, pesquisadores e estudiosos do evento não têm previsão de publicação no Brasil

0

Marcelo Godoy  ,
O Estado de S.Paulo

18 Março 2017 | 16h00

Revoluções têm duas vidas. Em seu livro The Russian Revolution, publicado em 2008, a historiadora Sheila Fitzpatrick diz que a primeira dessas vidas é parte inseparável do presente, da política contemporânea. “Na segunda vida, ela cessa de ser parte do presente e se move para a história, para as lendas nacionais”. Sheila saiu do St. Antony’s College, de Oxford, em 1967, para iniciar sua vida como pesquisadora nos arquivos soviéticos em uma época em que a URSS era assunto para cientistas políticos, como Leonard Shapiro, da London School of Economics. O mundo da Revolução Russa ainda era presente e não havia alcançado a sua segunda vida, aquela reservada aos historiadores.

Essas duas vidas das revoluções estão em parte refletidas nos lançamentos que as editoras brasileiras programaram para este ano, o do centenário do evento. São mais de 50 títulos que casas como Record, Companhia das Letras, Perspectiva, Boitempo, Editora 34, Rocco e Sundermann devem lançar até o fim do ano de historiadores como Orlando Figes, Robert Service, Marc Ferro, Tamáz Krausz, Daniel Aarão Reis e de jornalistas, políticos e teóricos como Anne Applebaum, David Remnick, John Reed, Leon Trotski, Vladimir Lenin e Evgeni Pachukanis.

“Nosso esforço é garantir, por meio dos nossos selos, uma visão pluralista e preencher parte da lacuna existente sobre o período no País”, disse o editor Carlos Andreazza, do Grupo Record, que controla selos como a Civilização Brasileira e Paz e Terra. Entre os títulos que o grupo prepara estão História Cultural da Rússia (Natasha’s Dance), de Figes, e A Verdade sobre a Tragédia dos Romanov, de Marc Ferro. A Boitempo trará a biografia de Lenin do marxista húngaro Tamáz Krausz (Reconstruindo Lenin), assim como as traduções do russo de duas obras de Lenin (Escritos Filosóficos e O Estado e a Revolução). A Companhia das Letras relançará os clássicos Rumo à Estação Finlândia, de Edmund Wilson e Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo, de Reed, e publicou O Túmulo de Lenin, de Remnick. A Perspectiva trará O Ciclo do Totalitarismo, de Ruy Fausto, e a Três Estrelas lançou A Cortina de Ferro, de Anne Applebaun. 

Apesar do esforço das editoras, permanecem fora das livrarias brasileiras obras clássicas sobre a revolução, de autores como Alexander Rabinowitch, Sheila Fitzpatrick e Oleg Khlevniuk. Professor na Universidade Estatal de Moscou, Khlevniuk é editado no EUA pela Yale University Press. Foi ali que, em 2004, publicou The History of the Gulag, from Collectivization to the Great Terror, dentro da série Anais do Comunismo – que tinha entre os coordenadores editoriais o cientista político Zbigniew Brzezinski e a própria Sheila. Sua obra é a mais completa e rigorosa pesquisa feita sobre o terror estatal na União Soviética – o prefácio é do historiador Robert Conquest. Khlevniuk mostra como Stalin, por meio da OGPU (depois KGB), transformou o sistema penal em peça fundamental da industrialização do país por meio do trabalho escravo de milhões de prisioneiros dos campos e de camponeses exilados em áreas longínquas a partir de 1929.

Ainda sobre os anos de Stalin, o leitor brasileiro passará 2017 sem ver nenhuma das obras de Sheila. São livros como Everyday Stalinism: Ordinary Life in Extraordinary Times ou On Stalin’s Team, The Years of Living Dangerously in Soviet Politics. O leitor ficará ainda distante de teses de sua obra. Próxima do grupo que editava, nos anos 1960, o jornal Novy Mir, como o poeta russo Aleksandr Tvardovsky – responsável pela publicação de Um Dia na Vida de Ivan Denisovitch, de Alexander Soljenitsyn, durante o Degelo da era Khruchev – Sheila defende a ideia de que a revolução de 1917 só se completou com os grandes expurgos de 1937-1938. Crítica do marxismo, ela e outros historiadores sociais foram buscar nos arquivos a vida cotidiana capaz de ajudar a decifrar a sociedade soviética. Sua experiência como pesquisadora sob a vigilância da KGB está descrita em outra obra: A Spy in the Archives, que traça um retrato da vida em Moscou nos anos da estagnação de Leonid Brejnev (1964 a 1982).

Outra ausência no País são os clássicos The Bolsheviks Come to Power e Bolsheviks in Power, de Rabinowitch, nos quais o historiador – com extensa pesquisa documental – desmonta mitos comunistas e conservadores a respeito do papel de Lenin, da disciplina do partido e sobre o apoio popular ao seu programa. Ele mostra como Lenin estava distante de ser um líder inconteste no partido – esteve em minoria várias vezes em 1917 –, explica como o partido saiu de poucos milhares de militantes para se tornar uma agremiação de massa e, como o programa radical aliado ao uso do terror foram responsáveis pelo sucesso bolchevique e pela vitória na guerra civil, que duraria até 1921, impedindo a formação de um governo de coalizão com outros partidos socialistas.

“Há limitações no Brasil. Mesmo nas universidades há poucos pesquisadores de história russa. Isso ajuda explicar as lacunas”, disse o professor de história da USP Sean Purdy, que espera um dia ver em português o livro Revolution and Counterrevolution: Class Struggle in a Moscow Metal Factory, de Kevin Murphy. Para Alvaro Bianchi, professor do Departamento de Ciência Política da Unicamp, são poucos os livros importantes sobre a URSS editados no País. Como exceção, destaca O Século Soviético, de Moshe Lewin, da Record. “Há um predomínio de autores conservadores, como Richard Pipes ou Service.” Este terá a biografia de Trotski publicada pela Record. Mas, se nenhuma editora se interessou pela biografia de Trotski do marxista Pierre Broué, também ninguém publicou o clássico antibolchevique Terrorismo e Comunismo, do social-democrata Karl Kautsky.

Para a editora Ivana Jinkings, da Boitempo, cabe às editoras “criar a demanda”. “Marx, é o exemplo. Quando decidimos editar, diziam que não havia mercado.” Ivana, Andreazza e outros importantes editores bem que se esforçaram para preencher as lacunas. Mas a historiografia da revolução russa, cujo significado permanece fortemente disputado em seu centenário – e assim deve se manter –, continuará pouco traduzida no País.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.