'A filosofia seria um antídoto eficaz à excessiva fragmentação disciplinar'

A resposta à questão não pode se restringir às alternativas "sim" ou "não", uma vez que as duas disciplinas têm histórias e estatutos muito diferentes. Argumentos similares aos que levaram à inclusão da sociologia poderiam ser utilizados para pleitear a inclusão da psicologia ou da antropologia. Ainda que os objetos de tais disciplinas sejam fundamentais, o currículo não pode acolher diretamente todas as demandas, fragmentando cada vez mais o conhecimento. Tais temáticas deveriam entrar na formação dos alunos do ensino médio de maneira tácita, como elementos integradores, transversais às disciplinas já existentes, como a história, a geografia ou a biologia. O caso da filosofia, no entanto, é de natureza diversa. Ela se situa na origem de todo o conhecimento e sua contribuição é ímpar no sentido de propiciar uma visão integrada dos fatos. A presença da filosofia no currículo constituiria um antídoto eficaz no combate à excessiva fragmentação disciplinar hoje vigente, e poderia trazer consigo elementos de ética, de que, como nunca, carecemos.PROFESSOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA USP

Nílson Machado, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2007 | 20h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.