DAVID GRAY/REUTERS
DAVID GRAY/REUTERS

A perplexidade de Kissinger

Em novo livro, velha raposa da diplomacia analisa como a internet, alçada à categoria de política de Estado, turva a noção de equilíbrio de poder

Marcos Guterman, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2015 | 16h00

Henry Kissinger não acredita na existência de uma “comunidade internacional”. Em meio a um dos mais turbulentos e confusos períodos desde a eclosão das duas guerras mundiais, como o que ora vivemos, com inúmeros e muitas vezes violentos desafios ao poder dos Estados constituídos, o ex-secretário de Estado americano agarra-se com ardor à ideia de que uma ordem mundial não resulta de um consenso natural, como faz supor a palavra “comunidade”. Para ele, a ordem é consequência da sagacidade de estadistas capazes de equilibrar poder, legitimidade e princípios. E esses estadistas lamentavelmente estão em falta, conforme se depreende da leitura de Ordem Mundial, o mais recente livro de Kissinger.


Prestes a completar 92 anos, o ex-assessor do presidente Richard Nixon (1969-1974) e eminência parda em outros governos pareceu interessado em escrever uma espécie de testamento. Ordem Mundial é o encerramento de um ciclo que começou com sua tese de doutorado defendida em 1954 na Harvard - sobre a articulação da moderna organização diplomática e política da Europa a partir do fim das guerras napoleônicas, em 1815 - e teve seu ápice com a obra clássica Diplomacia (1994), em que faz um apanhado das relações internacionais até o fim da Guerra Fria, sempre tendo em perspectiva a escola realista, da qual é um dos grandes expoentes.

Segundo esse pensamento, as relações internacionais só podem se dar entre Estados - que, em última análise, resumem em si os interesses nacionais. E o realismo pressupõe que a segurança nacional deve estar acima de qualquer outro interesse, pois não há - nem pode haver - nenhuma autoridade supraestatal capaz de acabar com a disputa hobbesiana entre os Estados. O realismo pressupõe a liberdade de formar alianças conforme cálculos políticos e mantém a guerra como instrumento legítimo de pressão. A política internacional, segundo a lição que os realistas aprenderam de Maquiavel, resume-se a uma luta infinita pelo poder, na qual as potências buscam constantemente a hegemonia e os demais Estados se organizam para evitar que isso aconteça. Para os realistas, nada, a começar pelo idealismo dos chamados “valores ocidentais”, pode servir como obstáculo para o exercício do poder.

Assim, em 1969, Kissinger, então assessor de Segurança Nacional, declarou que os Estados Unidos julgariam os outros países, mesmo os comunistas, “com base em suas ações, e não em sua ideologia doméstica”. Com isso, ele quis dizer que era irrelevante, para a política externa americana, se a União Soviética era comunista e se cometia crimes contra sua própria população em nome disso. O que importava era o jogo de poder e a conveniência de negociar com o Kremlin. O mesmo raciocínio se aplicou à China quando o presidente Nixon, aconselhado por Kissinger, aproximou-se daquele país, como forma de enfraquecer os soviéticos.

Para os realistas como ele, noções como “bem” e “mal” não devem ser decisivas para a formulação da política externa, pois isso limita muito o raio de ação dos estadistas quando o que está em jogo é o interesse nacional. Isso explica por que Kissinger ajudou a levar o país a apoiar ditaduras mundo afora, com o argumento de que estas eram importantes no esforço para enfrentar o comunismo.

Kissinger reafirma essa visão cinicamente pragmática em Ordem Mundial, mas não deixa de exibir, ele mesmo, certa ambiguidade, como quando defende a desastrosa invasão americana do Iraque em 2003 - baseada, segundo ele, em “temas quintessencialmente americanos” - e declara ter “respeito e afeição” por George W. Bush, reconhecidamente um dos presidentes mais ineptos e perniciosos da história de seu país.

O livro tem como referência a Paz de Westfalia, um conjunto de acordos que pôs fim à Guerra dos 30 Anos (1618-1648) e inaugurou a noção de equilíbrio de poder - quando um Estado aparece como o mais poderoso e ameaçador, os demais se articulam para reduzir ou neutralizar essa ameaça, e essa articulação não se dá em razão de princípios morais, mas de conveniências estratégicas. Isso significa que o aliado de hoje pode perfeitamente se tornar o inimigo de amanhã, mesmo que haja afinidades entre eles, pois tudo passa a depender das circunstâncias.

Essa visão na qual as partes do sistema concordam em discordar, sem que isso leve necessariamente à guerra, inaugura a era dos Estados modernos e põe nos manuais das relações internacionais conceitos e doutrinas como a “razão de Estado” e a “realpolitik”. Pela primeira vez, um sistema estabelecia procedimentos, mas não a substância: quem aceitasse as regras da nova ordem poderia manter intacta sua própria cultura, sua política e sua religião, pois essas referências só diziam respeito ao Estado soberano.

Assim, é o sistema westfaliano que Kissinger tem em mente e procura exaltar quando analisa toda a história das relações internacionais desde o século 17. Essa organização acolheu a Rússia czarista, a despeito de seu expansionismo autoritário, e a Alemanha de Bismarck, cuja unificação, afinal conquistada em 1871, era o maior temor do continente europeu. Quando os líderes do continente perderam o controle de suas táticas e se emaranharam em acordos dos quais não podiam se liberar - contrariando o próprio espírito westfaliano, que demanda sempre uma porta aberta para negociar -, vieram as grandes guerras mundiais. Depois delas, diz Kissinger, a ordem mundial passou a ser ditada por potências de fora da Europa - Estados Unidos e União Soviética. Nesse caso, o equilíbrio europeu definiu-se pela força militar dos americanos, como se a Europa passasse a ser, por meio da aliança atlântica, uma extensão dos Estados Unidos. A formação da União Europeia é, na visão de Kissinger, uma tentativa de retorno ao sistema westfaliano - mas num novo modelo, em que os Estados seriam substituídos pelos blocos regionais.

Seja como for, reorganizado ou não, o sistema está sob intenso ataque, segundo Kissinger, por atores que não se apoiam nas estruturas do Estado - são, na verdade, ameaças à própria noção de Estado - para fazer prevalecer sua caótica agenda. O destaque fica por conta do expansionismo do Islã e da instabilidade crescente do Oriente Médio - sobre cujas perspectivas Kissinger é bastante pessimista: para ele, é duvidoso que a região, uma “soma de absolutismos proféticos”, algum dia chegue a um “conceito estável de ordem internacional”.

Kissinger afirma que os países islâmicos não aceitam um sistema no qual tenham de interagir de forma permanente, em termos de igualdade, com Estados soberanos não islâmicos, que consideram ilegítimos por definição. Pode até haver uma concessão aqui e outra ali, mas, para esses países, a paz depende da adesão de todos ao Islã. Esse é precisamente o caso do Irã, hoje talvez o principal desafio da política externa americana.

Os religiosos iranianos fazem do Estado o mecanismo da legitimação de um regime que espera destruir esse mesmo Estado, visto como intolerável limite à luta religiosa ampla que os aiatolás julgam empreender. O Irã fundamentalista ocupa um lugar no sistema westfaliano - mantém um corpo diplomático e faz comércio internacional -, mas é hoje seu principal opositor, pois sua razão de existir reside exatamente na extraterritorialidade de suas reivindicações, ao se apresentar como defensor dos xiitas onde quer que eles estejam. Para Kissinger, o Irã almeja um arsenal nuclear para ter liberdade ainda maior de ação e nenhum acordo será capaz de interromper esse projeto, pois a disputa iraniana com o Ocidente “não é uma questão de concessões técnicas específicas ou fórmulas de negociação, mas uma disputa pela natureza da ordem mundial”.

O mesmo se dá em relação à China, que, segundo Kissinger, se considera “uma ordem mundial em si”. Os chineses até aceitam participar do sistema westfaliano, que não ajudaram a criar, mas não escondem que nutrem por ele um grande ressentimento. A ideia da China é que, com o tempo - algo que para os chineses tem um significado bem distinto da urgência ocidental -, o país consiga subverter o sistema segundo seus objetivos e crenças milenares.

Ante tantos desafios, numa era em que, para Kissinger, a comunicação instantânea “inibe a reflexão”, ele questiona se há estadistas hoje capazes de cultivar uma ordem mundial digna desse nome: “Os líderes de hoje terão capacidade de se colocar acima da urgência dos acontecimentos do dia a dia para alcançar esse equilíbrio?”.

Essa indagação já aparecia, de certa forma, em Diplomacia. Naquele trabalho essencial, que foi publicado em 1994 - antes, portanto, do aparecimento da internet como a conhecemos -, Kissinger alertava para os riscos de governar tendo em vista somente as pesquisas de opinião e as reações populares. Para ele, o verdadeiro estadista é aquele que toma as decisões de Estado, principalmente as mais amargas, justamente quando elas são mais necessárias e, portanto, têm maior potencial para causar danos à popularidade do governante.

Passados 20 anos entre aquele alerta e este, o mundo encontra-se tomado de armadilhas para a ordem global tal como Kissinger a visualiza. Na sociedade atual, diz ele, é cada vez mais difícil desenvolver as qualidades que formam estadistas, pela simples razão de que o conhecimento clássico se tornou irrelevante para aqueles que se julgam informados “com o toque de uma tecla”. É difícil tomar decisões políticas solitárias, complexas, para os que “anseiam por confirmação por parte de centenas, às vezes milhares, de amigos no Facebook”. 

Em seu trabalho final, Kissinger mal esconde sua perplexidade. Para ele, a internet substituiu a memória e tornou-se, ela mesma, mediadora do pensamento. Nada parece existir fora da rede e de suas correntes sociais. “O conceito de verdade está sendo relativizado e individualizado” pela internet, escreve Kissinger. “Verdade” torna-se algo “customizado”. Perde-se, assim, o sentido de história.

O nonagenário diplomata parece ter sido impelido a escrever o livro não apenas como um fecho de seu pensamento, mas como um alerta. Pode-se pensar o que se queira de Kissinger, mas não é prudente ignorá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.