A regressão do imperador Adriano

Unidade de tratamento para quem sai mal na foto

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 23h37

Tem muito motoboy por aí sentindo exatamente o que deu em Adriano para largar o emprego na Itália. Sabe quando você não está feliz com o trabalho, não tem mais prazer com aquilo e só pensa em dar um tempo em tudo? Quantos jovens trabalhadores já cogitaram voltar à adolescência, ao lugar onde nasceu e foi criado soltando pipa só de bermuda e chinelo, bem longe daquele chefe tirano, do trânsito, da correria do mundo?

É uma coisa que, como disse o Adriano, "não dá nem para explicar". Só passando pela experiência. Tem um personagem de Caminho das Índias, rapaz rico e sonhador, que acaba surtado num hospital psiquiátrico depois que a família o obriga a trabalhar onde não se sente feliz. Acho mesmo que nem precisa ser motoboy ou filhinho de papai da novela das 8, todo mundo sabe o que deu no Imperador para jogar tudo pro alto.

Só não entra na cabeça de ninguém porque ele precisou fugir da Itália, sumir na favela e deixar seus amigos do asfalto pensando que algo de muito grave lhe acontecera. Tudo isso pra pedir demissão, rapaz? Parece criança, caramba!

O cara

Pode ser até que uma coisa não tenha nada a ver com a outra, mas o samba do crioulo doido que Barack Obama começou a escrever na reunião do G-20 pode virar enredo da Portela no carnaval de 2010. A escola de Madureira decide nos próximos dias se em 2010 vai desfilar na Marquês de Sapucaí cantando "Lula, I Love This Guy".

Eu, hein!

Depois das manifestações contra a crise em todo o mundo, Paul McCartney e Ringo Starr fizeram show em prol da meditação. Como se houvesse quem fosse a favor da crise ou contra a meditação.

É brincadeira!

Filha do senador Tião Viana pode ter ido ao México passar trote para amigos no Brasil. Nada mais explica a conta de R$ 14.758,07 que ela pendurou no celular do Senado que o pai lhe emprestou.

De virada

Descontente com o futebol de sua seleção, o Peru comemorou a condenação de Alberto Fujimori como se fosse a conquista da Copa. Saiu da lanterna das Eliminatórias para primeiro país a julgar e condenar um ex-chefe de Estado eleito.

Inferno fiscal

Com o fim dos paraísos fiscais anunciado pela nova ordem mundial, o recém-criado Banco Irã-Venezuela pode ser uma boa alternativa para se esconder dinheiro, né?

Mal comparando

Se Silvio Berlusconi ainda não disse que a reconstrução das cidades italianas atingidas pelo terremoto será divertida como brincar de lego, é questão de tempo. O primeiro-ministro talvez esteja só esperando que o pessoal se recupere do susto que tomou ao ouvi-lo comparar a experiência dos desabrigados à de "um fim de semana no camping".

Reage, Marisa!

Tudo bem que não tenha levado a primeira-dama à Casa Branca e ao Palácio de Buckingham, mas não há motivo para Lula dormir sozinho no Copacabana Palace na noite do próximo dia 21, quando o presidente estará no Rio para a abertura do Ano da França no Brasil. Hare baba!

Do bom

José Serra teve bons motivos para viajar à Suíça na semana da Páscoa. Tem lugar melhor pra comprar chocolate?

Ironia zero

Quando, afinal, vão criar o ponto de ironia na língua portuguesa? Até lá, o senador Cristovam Buarque não deveria fazer uso desse tipo de retórica para evitar mal-entendidos como o da proposta de plebiscito sobre o fechamento do Congresso.

Peralá!

Responda rápido: quem tem tempo para, às vésperas do fim do mundo, formar opinião sobre a nova Lei Rouanet? Desconfie desse tipo!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.