Lotte Jacobi/American Museum of Natural History
Lotte Jacobi/American Museum of Natural History

'A Teoria Perfeita' conta a história da relatividade de Einstein

Livro se utiliza de fontes históricas para traçar o desenvolvimento da teoria da relatividade durante cem anos

André Cáceres*, Colaboração para o Estado de S. Paulo

25 Março 2017 | 16h00

Se cada sociedade é limitada pela concepção que tem de seu universo, uma expressiva fração do pensamento contemporâneo e do inconsciente coletivo é assentada na teoria da relatividade geral, formulada por Albert Einstein entre 1905 e 1915. O conjunto de equações cuidadosamente elaborado durante uma década pelo físico alemão o alçou ao posto de cientista popstar, além de ter ampliado os horizontes da humanidade em uma escala comparável às grandes navegações no século 15 e ao heliocentrismo de Galileu e Copérnico. 

Tão complexa quanto a teoria de Einstein é a história por trás de sua criação e seu atribulado desenvolvimento ao longo dos últimos cem anos por algumas das mais brilhantes mentes que a ciência já produziu. É justamente essa trajetória de debates, intrigas e incertezas que o português Pedro G. Ferreira, professor de Astrofísica em Oxford, se propõe a relatar ao público leigo. 

O leitor não deve esperar letras gregas desengonçadas, fileiras de números ou equações incompreensíveis nas páginas de A Teoria Perfeita. Além de explicar o contexto histórico e os conceitos físicos da relatividade geral em termos didáticos, o que o coloca lado a lado com divulgadores científicos como Carl Sagan, Neil deGrasse Tyson e Michio Kaku, Ferreira exibe o mérito de uma extensa pesquisa histórica que se reflete nas quase 60 páginas de notas, bibliografia e índice remissivo. Além das entrevistas que o autor fez, há, entre as fontes consultadas, artigos em revistas científicas e reportagens da grande imprensa, cujas manchetes são sempre retratadas com certo desprezo.

Diferente do que sugere o título do livro, a relatividade nunca foi uma unanimidade. Algumas das descobertas posteriores feitas graças à relatividade, como o Big Bang, a expansão do universo e os buracos negros, inicialmente não foram aceitas nem mesmo por Einstein. A Teoria Perfeita mostra como ele esteve equivocado sobre vários dos mistérios que suas próprias ideias ajudaram a desvendar. Passado o deslumbre inicial com as possibilidades que se abriram e suas consequências bizarras para o entendimento do universo, a relatividade logo caiu no ostracismo graças à dificuldade de se verificar empiricamente suas previsões.

Com as descobertas de Erwin Schrodinger e Werner Heisenberg nos anos 1930, a física quântica passou a receber cada vez mais atenção, ofuscando a relatividade. As duas teorias não são compatíveis, sendo que as equações de Einstein são usadas para trabalhar com grandes corpos celestes como planetas e a física quântica funciona para descrever o comportamento de objetos pequenos como elétrons. Há décadas, os cientistas tentam unir ambas as doutrinas em uma única “teoria de tudo”, uma epopeia até hoje sem sucesso também narrada em A Teoria Perfeita. 

Apesar de aclamado pela mídia, até sua morte, em 1955, Einstein esteve no ocaso e viu sua teoria como um ramo quase abandonado da física, com poucas descobertas concretas e quase nenhum experimento. Nos anos 1960 e 1970, todavia, a relatividade foi retomada por uma nova geração de físicos, como Roger Penrose, Stephen Hawking e Martin Rees, que exploraram as ideias de Einstein. Aos poucos, sua teoria voltou a ser amplamente aceita graças à descoberta de novos indícios que ajudavam a explicar o universo e sua origem e já haviam sido previstos pela relatividade geral, como as estrelas de nêutrons e a radiação cósmica de fundo. Em 1976, a ópera Einstein on the Beach, do compositor Philip Glass e do diretor Robert Wilson, levou o cientista para os palcos, evidenciando o prestígio do qual a figura do físico gozava na chamada “era de ouro da relatividade”.

A política do século 20 influenciou o desenrolar da física, e A Teoria Perfeita fala sobre a pressão governamental à qual importantes cientistas foram submetidos. Heinsenberg trabalhou para Hitler, Landau foi perseguido por Stalin, Einstein ficou isolado da comunidade científica na 1ª Guerra Mundial e Oppenheimer liderou o Projeto Manhattan. É notável também o abismo entre homens e mulheres no meio científico, mas Ferreira aborda a questão de gênero apenas en passant ao falar da injustiça que Jocelyn Bell sofreu: ela contribuiu decisivamente para a descoberta dos pulsares (estrelas de nêutrons giratórias que emitem um feixe de radiação eletromagnética) mas foi humilhada pela imprensa e ignorada pelo Nobel em 1974.

Ainda que pontue a opinião de cientistas que acreditam que a relatividade chega ao seu limite ao tratar do universo em larga escala (assim como a mecânica de Newton funciona para objetos na Terra mas se despedaça ao tentar descrever o sistema solar), Ferreira é um relativista convicto: “A relatividade geral se tornou icônica por sua resiliência, por ser uma peça central do pensamento moderno e um colosso das façanhas culturais nos moldes da Capela Sistina, das suítes para violoncelo de Bach ou de um filme de Antonioni. A relatividade geral pode ser sintetizada sucintamente em um conjunto de equações e regras fáceis de resumir e de anotar. E elas não são apenas lindas – também dizem muito sobre o mundo real”. 

*André Cáceres é jornalista, escritor, colaborador do 'Aliás' e autor de 'Cela 108', da editora Multifoco

A Teoria Perfeita

Autor: Pedro G. Ferreira

Tradução: Érico Assis

Editora: Companhia das Letras

376 páginas

R$ 59,90

Mais conteúdo sobre:
Albert Einstein

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.