A violência rasgada de 'Tropa de Elite', por três analistas

Eles dissecaram a ideologia-caveira: do fracasso de políticas públicas e da repressão

08 de outubro de 2007 | 14h30

O filme Tropa de Elite escancara a violência e a corrupção no tráfico de drogas, os métodos repressivos de um batalhão especial, o conluio dos usuários, o desnorteio das políticas públicas.  Veja também: A cultura brasileira, por duas obras-primas Filme perturba até os 'caveiras' O perigoso jogo das responsabilidades Veja o trailer de 'Tropa de Elite"   Três analistas percorrem esse Brasil cronicamente inviável: o cientista político Paulo de Mesquita Neto explica por que centrar fogo no consumo não resolve o crime organizado. Luiz Eduardo Soares, autor do livro que inspirou a fita, já não se espanta com o público que aplaude cenas de tortura. E o psicanalista Jurandir Freire Costa conclama: "Se a 'elite' perdeu a cabeça e alma, viva o cidadão comum"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.