Agliberto Lima/Estadão
Agliberto Lima/Estadão

Admitir existência do racismo foi tabu durante a ditadura militar

Visando escamotear diferenças que pudessem expor a miragem de nossa igualdade racial, o IBGE apagou do censo de 1972 as indicações de cor das pessoas. Isso foi apenas o começo

Sérgio Augusto, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2020 | 16h00

O que esperar de um país desgovernado por dois negacionistas? Notem como fiz um bom desconto, levando apenas em consideração o presidente e seu vice. 

Eles negam tudo; o capitão até mais que o general. Não havia pandemia (e sim uma “gripezinha”), nem desmatamento e queimadas, não haveria vacina obrigadória (perdão, obrigatória), não existe aquecimento global, nem houve ditadura militar entre 1964 e 1985. Num crescendo quase sem pausas, ambos chegaram à negação mais escabrosa: não há e nunca houve racismo no Brasil – especialmente insultuosa porque reiterada logo após o massacre de João Alberto Freitas no Carrefour. 

A inexistência entre nós de banheiros e bebedouros públicos segregados a negros, com havia nos Estados Unidos, é o argumento mais frequentemente sacado pelo general para desmentir a existência de racismo no Brasil. Ele, que ainda se refere a pretos como “gente de cor”, não percebeu até hoje a diferença entre o segregacionismo americano e o racismo estrutural brasileiro, este já estudado à farta por historiadores, sociólogos e antropólogos, além de documentado diariamente por celulares e câmeras de segurança. 

A bibliografia do general carece de uma atualização urgente. 

A três meses das eleições de 2018, Mourão fez, nas redes sociais, uma ode aos 487 anos das capitanias hereditárias, com a justificativa de que, por intermédio daquele programa de ocupação territorial, “o Brasil descobriu o empreendedorismo”, esquecendo-se, porém, de acrescentar que nas capitanias também brotaram o latifúndio, a monocultura e a mão de obra escrava. 

Algum tempo depois, ao divagar sobre nosso “cadinho cultural”, realejou as mesmas ideais bolorentas sobre a “indolência” dos índios e a “malandragem” dos negros, presumivelmente absorvidas das teses preconceituosas, algumas racistas, mesmo, de Nina Rodrigues, Oliveira Vianna, Azevedo Amaral e outros discutíveis intérpretes do caráter nacional brasileiro.

Mourão, vale esclarecer, não é um excêntrico, um estranho no ninhal militar. Nas forças armadas, ninguém parece admitir que existe racismo no Brasil. Faz parte da doutrinação castrense a crença de que vivemos numa democracia racial e que duvidar de sua existência é uma postura subversiva, quase um crime de lesa-pátria. Como se, ao constatar o óbvio, estivéssemos “importando para o nosso território tensões alheias à nossa história”, para usar as palavras não mais do vice, mas do próprio presidente, notoriamente ignaro da história do País e cego às evidentes similaridades entre João Alberto Freitas e George Floyd. 

Apesar de o Brasil ter sido signatário de todas as resoluções da ONU que denunciaram a discriminação racial, durante a ditadura, notadamente a partir do governo Médici, vicejou entre nossas autoridades fardadas um pavor paranoico a questionamentos sobre preconceito de cor e a tentativas de afirmação cultural das comunidades negras, com suas músicas, seu cabelo afro, e o que absorveram dos movimentos de conscientização e rebeldia afro-americanos. 

Visando escamotear diferenças que pudessem expor a miragem de nossa igualdade racial, o IBGE apagou do censo de 1972 as indicações de cor das pessoas. Isso foi apenas o começo. 

Quando se organizava para trocar ideias, discutir problemas comuns ou simplesmente promover bailes, o negro virava um transtorno para o regime; corria o risco de ser marcado, fichado, quando não perseguido pelos serviços de segurança, que o viam como um perigo para a sociedade. 

Ativistas como o ator Abdias do Nascimento, criador do Teatro Experimental do Negro, líder cultural e político de sua gente, só começaram a sair do radar da polícia pouco antes da Anistia, na gestão Figueiredo. 

Conheço pelo menos dois estudos sobre as lutas antirraciais de afrodescendentes durante o regime militar, assinados por Karen Sant’Anna Kossling e Lucas Pedretti, este mais especificamente voltado para os bailes soul nos subúrbios cariocas, vigiados e molestados pelos beleguins da ditadura. 

Agora, um testemunho pessoal. Em novembro de 1973, o semanário Pasquim publicou uma entrevista com a respeitada antropóloga negra americana Angela Gillian, da Universidade de Nova York, que passara uma temporada na Bahia e tinha muito o que falar sobre a tão decantada democracia racial brasileira. Gillian abriu o verbo: 1) havia racismo no Brasil sim; 2) o negro brasileiro continuava “com a vassoura na mão”; 3) Pelé escolhera uma mulher branca para “melhorar a raça” e “limpar o sangue”. 

E por aí foi, a enfileirar fatos incômodos e difíceis de contestar.

Os militares no poder cogitaram, num primeiro momento, apreender toda a edição do jornal nas bancas, e em seguida fechá-lo para sempre. Afinal puniram o general responsável pela censura ao Pasquim, aposentando-o de suas funções catonianas, e transferiram a tarefa censória para o Centro de Informações do Exército, em Brasília. Transferência, de resto, acompanhada de uma ameaça do mandachuva da Censura, o abjeto general Antonio Bandeira: “Daqui em diante não sai mais nenhum preto nesse jornal!”. 

Enquanto vigorou o ‘diktat’ do general, não saiu mesmo. Até inocentes fotos de Pixinguinha foram furiosamente rasuradas pela “Turma da Pilot”, ou seja, pelos burocratas da repressão que, em vez de paus de arara, eletrodos e outros apetrechos caros ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, manuseavam uma aparentemente inofensiva caneta hidrográfica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.