AP Photo/Mark Lennihan
AP Photo/Mark Lennihan

Agente Barbie

Boneca que capta (e usa) o que as crianças lhe falam viola muito mais que a privacidade

Susan Linn, O Estado de S. Paulo

21 Março 2015 | 16h00

O plano da Mattel de lançar uma boneca Hello Barbie conectada por Wi-Fi neste outono americano é uma grossa violação da privacidade de crianças e famílias. A boneca usa um microfone embutido para captar tudo que a criança diz a ela e tudo que é dito por qualquer um ao alcance do microfone. Essas conversas serão transmitidas para servidores em nuvem para armazenamento e análise pela Toy Talk, a parceira de tecnologia da Mattel. A Mattel diz que “aprenderá tudo que as crianças gostam e não gostam” e “enviará dados” de volta às crianças, transmitidos via alto-falante embutido na boneca.

O fato de Mattel e Toy Talk estarem se envolvendo no que resulta em vigilância corporativa de como as crianças brincam com suas bonecas deixa crianças e famílias vulneráveis a violações potenciais como quebra de segurança, publicidade insidiosa e outras. Como psicóloga que passou anos engajando crianças em terapias com brinquedos sei que as brincadeiras delas com bonecas, marionetes, bichinhos de pelúcia e outras figuras são poderosamente pessoais. Quando crianças falam com brinquedos, elas podem revelar segredos, trabalhar experiências perturbadoras e explorar seus sonhos e esperanças. Conversas com brinquedos são janelas para seus corações e mentes. Em geral, as únicas pessoas além dos pais que entreouvem crianças em conversas sérias com seus brinquedos são outros membros da família, professores, ou cuidadores - pessoas cujo principal interesse é o bem-estar da criança. Mas as crianças que falarem com uma Hello Barbie serão bisbilhotadas por uma corporação cujo interesse exclusivo nelas é financeiro.

A Mattel tranquiliza os pais dizendo que eles receberão e-mails com destaques das conversas das crianças. É aí, no entanto, que as coisas ficam preocupantemente complicadas.

A política de privacidade da boneca ainda não foi divulgada, mas não consigo imaginar uma que me tranquilize sobre uma corporação ouvindo crianças brincar. Os pais que comprarem uma Hello Barbie estarão dando acesso à Mattel e à Toy Talk às atividades mais íntimas das crianças, além de conversas privadas da família. Será que os relatórios aos pais detalharão brigas entre irmãos, ou revelações de uma criança sobre a família que poderiam ser mal interpretadas? As crianças em privado às vezes encenam cenas violentas ou sexuais com suas bonecas que poderiam aborrecer ou preocupar alguns pais. Como será que a Mattel lidará com o informe desse tipo de conversa?

Brincadeiras de crianças são com frequência reveladoras de como elas experimentam o mundo, mas não são necessariamente uma descrição precisa dos fatos. O pior cenário são crianças confiando a bonecas que estão sendo abusadas, ou suas brincadeiras sugerirem que elas estão sendo maltratadas. O que a Mattel fará com essa informação? Professores e cuidadores que testemunham revelações desse tipo são profissionais treinados e obrigados a reportar suspeitas a serviços de proteção à infância. A Mattel e a Toy Talk farão isso? O pensamento de que crianças podem estar revelando que estão em perigo e a Mattel sabe e não faz nada é assustador. Igualmente assustadora é a possibilidade de que a Mattel ou alguma outra corporação tenham o poder de informar uma família com base na vigilância do que crianças dizem a uma boneca numa brincadeira ou numa representação incorreta de interações familiares.

Hello Barbie não é o primeiro brinquedo a incluir essa tecnologia, mas é a primeira megamarca a fazê-lo. Por enquanto, a IBM e outras companhias planejam lançar brinquedos similares. É por isso que a Campaign for a Commercial-Free Childhood (campanha por uma infância sem comerciais) está pedindo que Mattel e Toy Talk parem a produção de Hello Barbie. Até e a menos que políticas regulatórias incluam essas novas tecnologias de brinquedos vigilantes, o único freio disponível é uma discordância pública audível e visível. A julgar pela reação à cobertura da mídia da capacidade de bisbilhotice de Hello Barbie, pais de todo o mundo estão estarrecidos com o fato de fabricantes de brinquedos poderem escutar enquanto crianças expõem seus sentimentos mais íntimos a seus brinquedos. Só podemos esperar que Mattel, Toy Talk e outras companhias estejam ouvindo - e façam a coisa certa cancelando a produção de suas Hello Barbies bisbilhoteiras. 

/ TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

SUSAN LINN É DIRETORA EXECUTIVA DA CAMPAIGN FOR A COMMERCIAL-FREE CHILDHOOD

Mais conteúdo sobre:
personagem barbie infancia privacidade eja

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.