Ameaçada de extinção por fungo, a banana pode sumir do planeta

Ameaçada de extinção por fungo, a banana pode sumir do planeta

Plantada em 130 países, a fruta pode desaparecer do mapa por culpa de um fungo e da monocultura

Sérgio Augusto, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 16h00

Parece fake news, mas procede: a banana pode acabar. Ameaçada de extinção, a banana pode se tornar o dinossauro, o pássaro dodô das frutas. Inimaginável, sem dúvida. Mas é isso o que a ecologista Jackie Turner pretende alertar no documentário Bananageddon, ainda em gestação e para o português traduzível por Bananapocalipse. Ms. Turner foi estudar ictiologia na Costa Rica, encantou-se de cara com a história e a cultura da banana e tirou os peixes de seu currículo, investindo quatro anos na fruta mais famosa e consumida do mundo. Plantada em 130 países, é o alimento mais cultivado pelo homem depois do arroz, o trigo e o milho, apesar de só vingar em climas tropicais.

+Filósofo explica retorno de políticas fascistas nos Estados Unidos

+Filósofo italiano pensa a vida do ponto de vista das plantas

Culpa do fusário, fungo fatal que na década de 1950 infectou rapidamente plantações inteiras, provocando um colapso global no comércio bananeiro. E da monocultura. Existem muitas variedades de bananas, mas as companhias que a comercializavam investiram numa só espécie. 

Sem diversidade genética, mutações e variações, pois são estéreis e clonadas, as bananas, sobretudo porque cultivadas em blocos homogêneos de terra, como se fossem gigantescas fábricas vegetais ao ar livre, contaminam-se com enorme facilidade. E foi assim que a Gros Michel, a espécie dizimada, cedeu lugar a Cavendish, supostamente mais resistente. Cultivada do mesmo jeito, ela enfrenta agora uma variação da parasita anterior, a TR4 (Tropical Race 4), altamente contagiosa e com estragos registrados na Austrália, Equador e Costa Rica. E tome agrotóxicos. 

Não consigo imaginar o mundo – a humanidade – sem a banana. Não tanto pela perda de seus nutrientes (contém 11 vitaminas) e pela importância econômica (preocupação para o império bananeiro da família Cutrale, brasileira de Araraquara, para a hoje suíça Chiquita e a americana Dole), mas por sua contribuição à gastronomia e à cultura. 

Sem caroço ou semente, simples de descascar, um prodígio de design, a banana é de uma versatilidade inexcedível: in natura ou processada, cozida, assada, frita, amassada, doce ou salgada, com ou sem complemento, de qualquer jeito é uma delícia. Sua riqueza semântica só tem, no pomar, um rival, o abacaxi. Além de agro e pop, banana é sinônimo de covarde, preço baixo, situação embaraçosa (bananosa), sem contar o ofensivo gesto também conhecido como “manguito”. 

O que seria de Carmen Miranda e Josephine Baker sem a banana? E da música popular? Nos mais variados ritmos. Ela inspirou um hit americano (Yes! We Have No Bananas), uma triunfalista réplica brasileira (Yes, Nós Temos Bananas), uma marchinha carnavalesca (Chiquita Bacana), um calipso de Harry Belafonte (Banana Boat), um rock (Banana Split) e um samba-rock (Vendedor de Bananas, de Jorge Ben Jor). Os mais gananciosos, inescrupulosos e cruéis aventureiros a exploraram e disseminaram mundo afora, contou o jornalista Dan Koeppel em Bananas – The Fate of the Fruit That Changed the World, misto de reportagem e ensaio sobre os caminhos trilhados pela fruta e os desvios históricos que ajudou a precipitar. “A banana é o yin e o yang do sangue e da cultura dos Estados Unidos”, sintetizou Koeppel após investigar os estragos no continente latino-americano causados pela United Fruit. 

Foi com esse nome que a multinacional norte-americana (rebatizada Chiquita em 1970) bananizou Honduras, Guatemala, Costa Rica, Panamá, Colômbia e Equador. Naquela base: explorando mão de obra barata, burlando o fisco, corrompendo civis e militares, ajudando a fraudar eleições, financiando assassinatos, golpes de estado e ditaduras – com a indispensável ajuda da CIA. 

Mas antes de a CIA, a bananização do mal já era um fato no Caribe até do outro lado do planeta. Theodore Roosevelt invadiu e ocupou Cuba e as Filipinas na virada do século 20. Em 1911, os “soldados das bananas” depuseram o presidente de Honduras. Em 1928, milhares de camponeses colombianos empregados em terras da United Fruit entraram em greve e foram fuzilados em praça pública. Em 1954, foi a vez de o presidente da Guatemala, Jacobo Arbenz Guzman, ser derrubado, pela “ousadia” de forçar os gringos a revenderem suas terras improdutivas ao governo, que pretendia redistribuí-las à população rural mais pobre. 

Esses e outros horripilantes episódios patrocinados pelos barões da banana aparecem num capítulo de Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, e no romance La Casa Grande, do também colombiano Alvaro Sepeda Samudio. Ao longo da década de 1950, o guatemalteco Miguel Angel Asturias publicou uma trilogia (Vento Forte, O Papa Verde, Os Olhos dos Enterrados) tendo como pano de fundo o processo de pilhagem da América Latina pela United Fruit. A Banana Company de Macondo lá instala o caos e a violência, muda até os padrões de chuva, acelera o ciclo das colheitas, transfere um rio do lugar, contrata assassinos com machetes para dominar a cidade. “Quando, enfim, foi embora, a cidade estava em ruínas”, arremata Gabo. Ou seja, numa autêntica bananosa, como cidades reais do império que hoje, em novas mãos, nem ajudado pela CIA talvez consiga derrotar seu mais poderoso inimigo: o TR4, um fungo com a mesma sigla de um tribunal regional. 

Mais conteúdo sobre:
banana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.