Belluzzo, o pit-heterodoxo

É nisso que dá economista falar sobre coisas que todo mundo entende! Luiz Gonzaga Belluzzo revelou-se outra pessoa depois que virou presidente do Palmeiras e passou a discutir futebol como qualquer metido a entendido no assunto. E quando um economista se comporta feito gente, dá nisso: o Brasil está chocado com o ser humano que habita o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Será que o que ele dizia contra o "câmbio flutuante" já tinha a ver com essa disposição para "matar os bambis"?

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2009 | 00h13

"O Belluzzo sempre foi um heterodoxo convicto e radical", diz a também economista Maria da Conceição Tavares, que, ao contrário da maioria de seus colegas de primeiro time, jamais se escondeu numa teoria monetária qualquer. Pelo contrário, de vez em quando soltava meia dúzia de palavrões para nos lembrar com quem estávamos falando. Ninguém é economista o tempo todo na vida. Ou você acha que o Henrique Meirelles fala sempre com aquela impostação e aquele palavreado de locutor de reunião do Copom? Claro que não!

O que talvez ainda choque no Belluzzo à flor da pele que se apresenta é o espírito "Maçaranduba" que aflora no transe. Como o personagem do humorístico Casseta & Planeta que emplacou na TV o bordão "vou dar porrada", o ilustríssimo presidente do Palmeiras não pensa em outra coisa. Quando não ameaça bater no juiz, fala em "matar" o adversário. Enfim, o homem soltou o pit boy que escondia no figurino de economista. Amigos torcem para ele volte a ser aquele cara sério que não se deixa revelar.

Doutrina

O livrinho com o Programa de Renda Mínima do senador Eduardo Suplicy divide com o Alcorão, desde segunda-feira, a cabeceira do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad. Não deixa de ser uma esperança de conversão.

Nada é pra já

João Grandino Rodas adiou sua posse como novo reitor da USP para o dia 25 de janeiro. Fica, assim, automaticamente transferida para o ano que vem toda e qualquer possibilidade de uma primeira greve em sua administração.

Represália

O Palácio do Planalto pediu ao ministro Tarso Genro que saia de cena no caso do refugiado Cesare Battisti. Antes que a Itália perca a paciência e mande cassar a cidadania da primeira-dama Marisa Letícia. Já pensou?

Grosseria

A presidente Michelle Bachelet reclamou dos termos que o colega Alan García usou para acusá-la de espionar o Peru. "Devia tomar mais cuidado ao menos com o duplo sentido!"

Chá de sumiço

Dunga se interessou pela notícia de que o PSDB quer "esconder" FHC em 2010. Talvez peça aos tucanos para levarem o Ronaldo junto. Quem sabe um faz companhia ao noutro na Copa, né?

Boas festas

Depois do Bolsa-Celular, o ministro Hélio Costa apresentou a Lula o Bolsa-Banda Larga, orçado em R$ 75 bilhões. O presidente ficou de discutir a questão com Papai Noel.

Irresistível

William Bonner não resistiu: voltou a usar aquela sua polêmica gravata cor-de-rosa na apresentação do Jornal Nacional de terça-feira. Resultado: ninguém prestou a mínima atenção no noticiário!

Cópia pirata

Nova filha de 22 anos do presidente Fernando Lugo pode ser falsificada. Nem uísque envelhece tanto tempo no Paraguai antes de ser aberto ao público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.