Brexit à beira-mar: cidade mais pobre da Inglaterra optou por sair da União Europeia

Como a votação expressiva pela saída da União Europeia no lugar mais pobre da Inglaterra ajuda a explicar a crescente adesão à direita radical no Reino Unido – em Jaywick Sands, onde 70% optaram por sair, desigualdade e despolitização da classe operária oferecem pistas para entender a maior ameaça ao projeto de integração entre nações

Taisa Sganzerla / JAYWICK SANDS, INGLATERRA, O Estado de S.Paulo

02 Julho 2016 | 16h00

Na terça-feira que antecedeu a realização do plebiscito que decidiu pela saída do Reino Unido da União Europeia, um pequeno alvoroço tomava conta da outrora pacata cidade litorânea de Clacton-on-Sea. Uma pequena multidão havia ido às ruas para receber Nigel Farage, presidente do Partido pela Independência do Reino Unido (UKIP) e uma das mais proeminentes figuras da campanha pelo Brexit. De cima de um ônibus panorâmico, Farage discursava para um plateia entusiasmada: “Sei que passei a maior parte da campanha no Norte, nas áreas dos Trabalhistas, mas guardei o melhor para o final, e Clacton é o melhor!”, clamava. Dois dias depois, 70% da população do distrito de Tendring, do qual Clacton é a maior cidade, votariam pela saída da União Europeia.

As palavras de Farage não eram em vão. Clacton, a 138 km de Londres, com 55 mil habitantes, pode ser considerada uma das cidades mais entusiasmadas com o UKIP – tendo eleito um membro do partido para o Parlamento (Douglas Carwswell). Além disso, a região também é conhecida por uma pequena vila costeira, localizada nos arredores de Clacton, a Jaywick Sands. Ou o “lugar mais pobre da Inglaterra”.

Jaywick, onde vivem pouco mais de quatro mil pessoas, fica encravada entre uma bela praia de águas calmas e pântanos salubres. A área sofre com inundações frequentes e por isso há um muro protegendo a orla da areia da praia. Sem calçadas nas ruas, transeuntes disputam espaço com os carros. Esse lugar outrora esquecido virou alvo da imprensa nacional em 2010, quando um estudo do governo central a declarou a cidade mais pobre da Inglaterra – em 2015, na mesma pesquisa, repetiu o feito. Mais de 50% da população da cidade recebia algum tipo de seguro desemprego, segundo um levantamento de 2013 – a média nacional na época era de 11%. No bairro de Brooklands, onde a pobreza é mais visivelmente concentrada, não há um supermercado, restaurante ou pub. A única praça está tomada pelo mato.

Na manhã seguinte à divulgação do resultado, um senhor de cabelos brancos inclinava-se consternado à escrivaninha do pequeno escritório do Partido Trabalhista. “Acordei hoje sem acreditar no que estava vendo”, dizia. O aposentado Daniel Casey, de 71 anos, 45 deles filiados ao partido, liderou a campanha pela permanência na União Europeia, mesmo enfrentando resistência da população. “Fui ameaçado diversas vezes, me chamaram de vergonha para a bandeira.”

Casey é uma voz solitária na região e uma exceção em seu grupo etário: a maioria dos aposentados do Reino Unido votou pela saída. “É claro que já sabia que não tínhamos como ganhar maioria aqui. Mas perdemos em nossos redutos históricos.” Nascido em Londres, aposentou-se há 13 anos e, como fazem muitos dos seus conterrâneos, mudou-se para perto do mar. Consigo, trouxe o seu ativismo no partido e elegeu-se em 2010 ao conselho do distrito de Tendring representando Jaywick Sands. No ano passado, perdeu a cadeira para um candidato do UKIP.

Mas na empobrecida Jaywick, Casey pregou no deserto. “Fui crescendo e vendo as coisas morrerem ao meu redor”, diz Daniel Sloggett, 41, que se mudou com a família para Jaywick, quando tinha 10 anos. “Pubs, casas noturnas, restaurantes... Tudo foi fechando até não sobrar mais nada.” Danny, como é conhecido na vizinhança, nunca se formou em uma universidade e trabalha com construção – a sua casa, onde vive com a filha de 17 anos, foi ele próprio quem fez.

Assim como outras casas da vizinhança, um cartaz da campanha “Vote Leave” está pregado à porta. “Não entendo muito de política, mas quero ver quais são as chances da Inglaterra sem a Europa. Porque obviamente temos uma grande história. Ganhamos guerras, tínhamos colônias no mundo inteiro.” Com relação à imigração, Danny acha que “passou um pouco dos limites”. “Muitos vêm apenas para se aproveitar dos nossos benefícios, do NHS (Serviço Nacional de Saúde). E aí fica difícil para a gente que realmente precisa deles. Mesmo que eles precisem, acho que temos que dar prioridade a quem é daqui.”

Na manhã seguinte à votação do referendo, carros circulavam por Jaywick com bandeiras da Inglaterra presas às janelas. Nas portas das casas, adesivos já gastos pelo salitre com os dizeres “Vote Leave” ou “Grassroots Out” – as duas principais campanhas pelo Brexit. Alguns ostentavam pôsteres de Douglas Carwswell, o primeiro membro do Parlamento britânico eleito pelo UKIP. “É claro que estou feliz com o resultado”, diz o encanador Raymond Tearle, de 64 anos, 28 deles morador de Brooklands, enquanto tomava uma cerveja na frente de casa. “Imigração é o problema, né? Um imigrante chegando nesse país a cada dois segundos. Não tem como sustentar isso.”

Segundo Jackie Steers, coordenadora do Centro Comunitário de Jaywick, localizado em Brooklands, o problema de Jaywick é a falta de emprego. “O único tipo de emprego nessa área é sazonal, e olhe lá. A única chance de ganhar dinheiro é ir a Colchester ou Londres. Se você não tem carro, tem que contar diariamente com o ônibus até Clacton para pegar um trem, o que não é exatamente uma maravilha.” Ela mesma vive em Jaywick desde 1984 e reconhece que a cidade já viu tempos melhores. “Quando a gente vê filmes antigos, dos anos 60, é impressionante, as pessoas andavam arrumadas nas ruas. Era tudo mais organizado, não tinha lixo pelo chão.”

Na biblioteca local, a bibliotecária Jean Bonnet, de 79 anos, diz que vive com uma aposentadoria confortável, mas reclama da falta de emprego para os jovens. “Meu neto tem 19 anos, tirou uma licença para operar máquinas na construção civil, mas não tem construção nenhuma por aqui. Precisa ir a Colchester de trem todos os dias, e os locais de trabalho são sempre distantes da estação.” Ela também diz ter votado pela saída. “Foi para isso que meu marido lutou na guerra. Pela nossa independência.”

Avanço do UKIP. Fundado por um professor da Escola de Economia de Londres (LSE) no início dos anos 90, o UKIP nasceu com uma única agenda: a saída do Reino Unido da União Europeia. Se antes compreendia a si próprio como um mero grupo de pressão, condenado às beiradas da política institucional e só conseguindo votações expressivas nas eleições ao Parlamento Europeu, provou-se nos últimos 10 anos um desafio verdadeiro aos grandes partidos. Nas eleições gerais de 2015 conseguiu 12,8% dos votos – além da eleição de um parlamentar, que inaugurou a presença do partido em Westminster ?, contra apenas 3,2% em 2010 e 2,3% em 2005.

Mas o que explica o crescente sucesso do UKIP em lugares tão empobrecidos quanto Jaywick? Para o cientista político da Universidade de Manchester Robert Ford, autor, junto com Matthew Goodwin, do livro Revolt on the Right – explaining the support for the radical right in Britain (em tradução livre, “Revolta na direita – explicando a adesão à direita radical no Reino Unido”, Routledge, 2014), a chave está nas mudanças sociais pelas quais passaram o Reino Unido nos últimos 20 anos, que excluiu um grupo social do processo – notadamente aqueles que não foram à universidade. “Existe toda uma cadeia de valores que, hoje, está fortemente ligada a uma formação universitária. Visões progressistas quanto às liberdades civis, apoio à imigração, e uma visão de mundo mais cosmopolita. Enquanto quem não se formou numa universidade tende a não compartilhar desses valores.”

Para Ford, o processo de globalização que mudou o perfil da economia do Reino Unido nas últimas três décadas não beneficiou igualmente todos os grupos sociais, e o apoio à direita radical do UKIP está ligado a isso. Por exemplo, em 1964, quando o Partido Trabalhista venceu as eleições gerais sob a liderança de Harold Wilson, metade da força de trabalho do país estava empregada em posições colarinho azul (classe operária), 70% não tinham qualificações formais, 40% da força de trabalho participavam de algum sindicato e 30% viviam em moradias sociais.

Em 1997, quando Tony Blair foi eleito também com uma votação expressiva, sua vitória foi dada por um eleitorado bem diferente: apenas 30% exerciam profissões de colarinho azul, 50% não tinham qualificações formais, 14% viviam em moradias sociais e apenas 20% participavam de sindicatos – e na era Blair, o próprio perfil do movimento sindical no Reino Unido já havia mudado significativamente, com os exércitos de mineiros, maquinistas e ferreiros perdendo o protagonismo para professores, enfermeiras e outros servidores públicos da classe profissional.

“Aqueles sem educação formal têm sido barrados dos benefícios do progresso econômico. Eles não veem as possibilidades de emprego que possivelmente viam há 30 anos, quando tínhamos grandes indústrias de manufatura”, diz. Para ele, não quer dizer que os eleitores que votaram “Leave” façam um cálculo econômico específico, e sim que se trata de uma percepção geral, e isso inclui a questão da imigração. “Apesar de todo mundo dizer o tempo todo como a imigração é algo bom, essas pessoas não veem nenhum benefício tangível em suas vidas. O que eles veem são milhões de pessoas vindo para a Inglaterra em busca de uma vida melhor e sendo bem sucedidas nisso, enquanto não veem nenhuma melhora para si próprios.”

A semana que se seguiu à divulgação ao resultado, o Reino Unido parece ter sido jogado no caos. O primeiro ministro David Cameron renunciou ao cargo, a Escócia discute realizar um novo referendo pela independência do Reino Unido e até a reunificação da Irlanda voltou à pauta. Nas redes sociais, uma petição para a realização de um novo plebiscito chegou a mais de 2 milhões de assinaturas e travou o site do Parlamento. Nas ruas, protestos pró-permanência aconteceram de maneira espontânea em frente a Westminster. Mais de 100 casos de racismo foram reportados em todo o país – algo que acredita-se estar relacionado ao resultado do plebiscito. Em meio à turbulência, é o UKIP de Nigel Farage a força política que pode ter saído vitoriosa.

Uma nova Jaywick. No último ano, Jaywick finalmente recebeu um pouco de investimento, pela primeira vez em muito tempo. O conselho municipal destinou £ 5 milhões para asfaltar as ruas, que não eram reformadas desde os anos 50 – muitas ainda eram de terra. No ano passado, uma companhia de energia instalou, sem custos, um sistema de aquecimento moderno e mais barato em algumas casas, como parte de um projeto social.

Para Danny Sloggett, que nas horas vagas mantém um canal no YouTube registrando o cotidiano da comunidade e sonha com uma carreira na televisão, as pequenas melhoras e o voto pela saída fazem parte de uma narrativa só – inauguram um novo capítulo em sua vida. “Jaywick está melhorando. Conseguimos finalmente que asfaltassem as ruas. Vamos deixar a União Europeia. Estamos tomando o controle de volta das coisas. Daqui a uns anos, Jaywick pode voltar a ser o que já foi um dia.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.