Maíra Palacios
Maíra Palacios

Ciclo de debates reúne escritoras da América do Sul e da Alemanha

Promovido pelo Instituto Goethe, 'Agora é com Elas' traz nomes como Camila Sosa Villada, Lina Meruane e Patricia Melo

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2021 | 18h15

O ciclo de debates Agora é com Elas, organizado pelo Instituto Goethe, reúne, entre julho e outubro, grandes escritoras da América do Sul e da Alemanha em transmissões online abertas gratuitamente ao público.

O evento tem a participação de escritoras do Brasil (Adriana Couto, Cidinha da Silva, Josélia Aguiar, Patrícia Melo), Argentina (Ariana Harwicz, Camila Sosa Villada), Chile (Lina Meruane), Peru (Gariela Wiener), Bolívia (Giovanna Rivero) e Alemanha (Zöe Beck).

Essas autoras falarão sobre literatura e sociedade, como suas obras retratam os conflitos contemporâneos e sobre como escrever a respeito de violência.

Ao todo, o ciclo conta com quatro eventos, que acontecem entre esta quarta-feira, 28, e 23 de outubro, um sábado. Confira a programação completa:

28 de julho, quarta-feira, 17h (UTC-3)

Violência e literatura

Como as experiências de violência são representadas na literatura? Experiências individuais conseguem ser traduzidas por meio da linguagem? Qual o papel da estética na representação literária da violência? O que conta mais: as palavras ou o silêncio?

Palavras de abertura: Claudia Piñeiro (Argentina)

Camila Sosa Villada (Argentina)

Patricia Melo (Brasil)

Mediadora: Josélia Aguiar

21 de agosto, sábado, 13h (UTC-3)

Rupturas e literatura

A literatura pode mudar a sociedade de forma disruptiva? Ainda há temas vistos como um tabu, aos quais a literatura pode e deve se voltar? Como a literatura pode trazer mudanças à sociedade? É possível, na condição de escritora, conduzir conscientemente esse movimento? Quais descompassos sociais foram transformados de forma duradoura por textos literários?

Gabriela Wiener (Peru)

Lina Meruane (Chile)

Mediação: Claudia Piñeiro (Argentina)

12 de setembro, domingo, 13h (UTC-3)

Medo e literatura

A descrição de processos políticos e sociais na literatura pode também conter referências a experiências de terror. Como experiências individuais e coletivas podem ser narradas através de relatos do terror? Qual é a relação entre o terror mediado pela literatura e o terror real? Como o medo e o trauma podem ser transmitidos pela literatura?

Giovanna Rivero (Bolívia)

Zöe Beck (Alemanha)

Mediação: a confirmar

23 de outubro de 2021, sábado, 13h (UTC-3)

Vida privada e literatura

A vida privada continua existindo mesmo quando o mundo se encontra abalado por guerras e catástrofes. As pessoas continuam se encontrando, se apaixonando, lutando por aquilo em que acreditam e morrendo. Qual é a relação que se estabelece entre a representação da esfera privada aparentemente apolítica e o corpo social como um todo? A escrita literária pode se recolher aos espaços interiores da vida privada enquanto há tumulto nas ruas?

Ariana Harwicz (Argentina)

Cidinha da Silva

Mediação: Adriana Couto

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.