Código a decifrar

O Egito deu início à primeira eleição democrática de sua história sem que nenhum dos 13 candidatos à presidência represente os jovens da Praça Tahrir. A decisão ficará entre um egresso do regime de Mubarak ou um islâmico. Para Tariq Ramadan, professor da Universidade de Oxford, a questão é se os militares, que detêm até 40% do PIB do país, abrirão mão do poder: "Não vai ser assim, nunca é". O intelectual suíço, que acaba de lançar seu décimo livro, evita usar a expressão revolução árabe.

O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2012 | 03h09

"É uma revolta, incompleta ou já fracassada."

EXCLUSIVO xPÁGS. J4 E J5

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.