'Cuidado com a merenda deve ser ampliado para combater as doenças cardiovasculares'

Carta aberta aos governantes e à sociedade brasileira, por Marcelo Bertolami, cardiologista e ex-presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de SP

Marcelo Bertolami, cardiologista,ex-pres. da Soc. de Cardiologia do Estado de SP, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2009 | 21h50

As previsões indicam que, se, nada for feito, em 2050, o Brasil terá a maior mortalidade cardiovascular do mundo. Sabe-se que os problemas cardiocirculatórios têm como principais causas o tabagismo, a hipertensão arterial, o diabetes e as alterações das gorduras do sangue. Observe-se que, com exceção do cigarro, todas as outras estão de alguma forma ligadas a erros alimentares. Assim, para a prevenção das doenças cardiocirculatórias um passo fundamental é o da adoção de hábitos alimentares saudáveis. Sabe-se que é extremamente difícil mudar esses hábitos em adultos. Além disso, a obstrução de nossas artérias pela doença conhecida como aterosclerose tem início nos primeiros anos de vida. Dessa forma, a melhor estratégia para a prevenção cardiovascular é iniciá-la o mais precocemente possível, ainda na infância, para que possa haver o crescimento e desenvolvimento das crianças com hábitos saudáveis. Nesse sentido, é animadora a notícia da adoção, pelo governo do Estado de São Paulo, na merenda escolar, de alimentos mais saudáveis, como uma salsicha que contém 50% menos gorduras e 75% menor teor de sódio (sal). Além disso, uma vez por mês serão distribuídas barras de cereais com chocolate, mas sem gordura trans. O governo federal também aprovou medida que auxiliará na diminuição das carências alimentares no país - a merenda escolar passará a ser distribuída também para as crianças do ensino médio.Esperemos que atitudes como essas sejam ampliadas para que, em alguns anos, o País possa provar que as previsões de que lideraríamos o ranking da mortalidade cardiovascular estavam erradas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.