Dez livros essenciais recomendados pela equipe do 'Aliás' em abril

Dez livros essenciais recomendados pela equipe do 'Aliás' em abril

Obras de ficção e não ficção, entre lançamentos e reedições, selecionados para ler na quarentena

André Cáceres e Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2020 | 16h00

A equipe do Aliás seleciona, no último domingo de cada mês, dez obras publicadas recentemente para incluir em sua Estante. Confira as indicações de obras para ler na quarentena este mês:

Divã Ocidento-Oriental - Goethe (Estação Liberdade)

Entre as lendas sobre o poeta místico persa Hafez, que viveu no século 14, a mais impressionante diz respeito à memória do escritor: ele teria decorado o Corão quando criança apenas por ouvir seu pai recitando seus versos. Atraído por sua poesia, Goethe devorou as obras selecionadas de seu Diwan (Divã, ciclo), coletânea de poesias sobre temas com os quais o autor de Fausto tinha afinidade: o vinho, as mulheres, entre outros. Goethe, aos 64 anos, organizou um conjunto de poema como tributo a Hafez. O resultado é Divã Ocidento-Oriental, que, a exemplo de Hafez, falam de prazeres mundanos, mas também abordam a religião e a guerra. 

A Casa - Chico Felitti (Todavia)

Em 2018, o líder místico João de Deus foi preso, acusado de estupro por mulheres que frequentavam o centro onde atendia, em Abadiânia (Goiás). A cidade deixou de receber peregrinos. O premiado repórter Chico Felitti, que lançou naquele mesmo ano (2018) a biografia de um artista deformado pelo uso de silicone industrial (Ricardo e Vânia), visitou Abadiânia em cinco ocasiões para entender o fenômeno do carismático João de Deus. Frequentou cultos e pesquisou documentos. O resultado é A Casa, estudo sobre o médium goiano João Teixeira de Faria, que atendia, inclusive, peregrinos vindos de outros países (de Bill Clinton a Hugo Chávez). 

História da Sexualidade - vol. 1 - Michel Foucault (Paz e Terra)

A editora Paz e Terra recoloca no mercado a série de livros do filósofo francês Michel Foucault, História da Sexualidade. No primeiro dos três volumes, A Vontade de Saber, Foucault afirma que a família conjugal confisca a sexualidade que, até o século 17, não era tão reprimida. No segundo, O Uso dos Prazeres, o pensador defende que o próprio termo sexualidade surgiu tardiamente, no século 19, e ele pesquisa como nasce na modernidade esse conceito, auxiliado pelos livros de Paul Veyne. Já no terceiro volume, O Cuidado de Si, ele se concentra nos dois primeiros séculos de nossa era, comparando a visão do sexo pelos gregos com a do cristianismo. 

A Gaiola - José Revueltas (34)

A Gaiola, do mexicano José Revueltas (1914-1976), foi escrito em 1969, na prisão, onde o autor foi parar como líder do movimento estudantil de 1968. Fala de três prisioneiros que dividem uma cela minúscula e se revezam para ver o mundo através de uma portinhola. Entre a descrição realista do cotidiano desses presos e o lirismo da projeção de seus sonhos, Revueltas consegue um invejável equilíbrio, tendo sido comparado ao brasileiro Graciliano Ramos e ao francês Jean Genet. Revueltas sempre viveu ao lado de pobres e marginalizados, o que justifica a comparação: ele foi preso pela primeira vez aos 15 anos, por participar de um comício.

O Sino e o Relógio - Hélio de Seixas Guimarães e Vagner Camilo (Carambaia)

Seleção inédita de textos preparada por Hélio de Seixas Guimarães e Vagner Camilo, ambos professores de Literatura da USP, O Sino e o Relógio - Uma Antologia do Conto Brasileiro reúne material raro de autores não necessariamente reconhecidos pelo gênero, como Fagundes Varela e Casimiro de Abreu. A coletânea traz também histórias escritas por mulheres, como Corina Coaracy e Maria Firmina dos Reis. Ao todo são 25 narrativas publicadas entre 1836 e 1879. O livro se divide em quatro grandes conjuntos temáticos: fantástico, histórico, cotidiano e intriga. Na antologia chamam a atenção os temas fantásticos e as crônicas de costume.

O Tempo em Marte - Philip K. Dick (Aleph)

Os contos e romances de Philip K. Dick trataram de assuntos dos mais variados, mas a inquietação que move todos eles é: qual é a verdadeira natureza da realidade em nosso universo? Essa questão se desdobrou em obras sobre androides, viagens no tempo, história contrafactual, realidades paralelas, entre outros temas. O Tempo em Marte ataca essa questão pela via da loucura: e se as pessoas insanas na verdade vivessem em um compasso temporal diferente do nosso? Em uma colônia humana em Marte, um ambicioso especulador imobiliário tenta usar um órfão autista para tentar prever o futuro e, obviamente, lucrar com a expansão do mercado de terras marcianas.

Renato Russo, o Trovador Solitário - Arthur Dapieve (Agir)

No ano em que o cantor e compositor Renato Russo completaria 60 anos, uma nova edição de sua biografia assinada por Arthur Dapieve chega às livrarias. Além de retratar a trajetória pessoal e artística do músico, Renato Russo, o Trovador Solitário, em sua edição atualizada, trata também dos eventos póstumos que marcaram e seguem marcando a carreira do artista mesmo décadas depois de sua morte precoce, vítima da epidemia de Aids que assolou o mundo no século 20. Entre esses eventos estão a retomada temporária de apresentações da Legião Urbana, leilões de seus objetos e o lançamento de um filme inspirado no épico da MPB Faroeste Caboclo. 

Os Sete Loucos - Roberto Arlt (Iluminuras)

Um dos maiores nomes da literatura latino-americana, o escritor portenho Roberto Arlt (1900-1942) não apenas foi referência fundamental para Julio Cortázar como foi um marco da modernidade argentina. Sua obra essencial, Os Sete Loucos, ganha nova edição justamente em um tempo no qual o tecido que compõe a sociedade corre o risco de se romper, tema caro a esse livro. O romance narra de forma cáustica a derrocada de sujeitos deslocados da realidade, incapazes de se adequar à sociedade, que veem no crime a única saída, com ecos claros de Crime e Castigo, de Dostoievski, em uma Buenos Aires transgressora.

Alexandre, o Grande: Um Homem e seu Tempo - Thomas R. Martin e Christopher W. Blackwell (Zahar)

Alexandre, o Grande é um personagem histórico no mínimo singular. Aluno de ninguém menos que Aristóteles, um dos maiores líderes militares da Antiguidade e um dos grandes incentivadores da ciência e da expansão do conhecimento em sua época, ele é examinado com erudição pelos historiadores Thomas R. Martin e Christopher W. Blackwell no livro Alexandre, o Grande: Um Homem e seu Tempo. Além de narrar seu percurso biográfico, o volume fornece uma cartografia intelectual de Alexandre Magno ao investigar algumas das fontes literárias que o influenciaram – ele era um ávido leitor dos épicos gregos, por exemplo. 

Brasília, Leituras e Leitores - Luiz Gustavo Sobral Fernandes (Altamira)

Este mês, Brasília completa 60 anos. Embora a pandemia do novo coronavírus possa ter ofuscado as comemorações da data, o livro Brasília, Leituras e Leitores se encarrega de homenagear a capital federal. Mestre em arquitetura pela USP, Luiz Gustavo Sobral Fernandes reúne e analisa trechos de textos e livros raros sobre a cidade, publicados entre 1957 e 1973 por nomes como Juscelino Kubitschek, Gilberto Freyre, Henrique Mindlin, Plinio Salgado e Oscar Niemeyer, e pesquisados por ele na Universidade do Texas. Contextualizando aspectos arquitetônicos, políticos e históricos, o livro traça um perfil complexo de uma cidade polêmica. 

Tudo o que sabemos sobre:
literatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.