Wnrico Nawrath/The New York Times
Wnrico Nawrath/The New York Times

Diretor muda final da ópera 'Lohengrin', de Richard Wagner

Primeiro diretor americano no Festival de Bayreuth, Yuval Sharon tem apenas 39 anos

Joshua Barone, The New York Times

04 Agosto 2018 | 16h00

BAYREUTH, ALEMANHA - Artigos sobre óperas do século 19 geralmente não exigem alertas de spoiler. Este sim. Isso porque o Lohengrin de Wagner – como foi encenado no Festival de Bayreuth pelo visionário Yuval Sharon, o primeiro diretor americano nos 142 anos de história do festival – tem um novo final. Na ambígua cena final da produção de Sharon, com cenários e figurinos do casal de artistas Neo Rauch e Rosa Loy, as duas protagonistas parecem não apenas sobreviver, mas vicejar: libertadas do patriarcado, pela primeira vez, lhes é dado poder total. Lohengrin, um herói fracassado, retira-se envergonhado. E o povo ingênuo de Brabant, retratado como vagamente parecido com traças, é morto em massa em uma única investida.

Quando a cortina desceu na estreia da noite de quarta-feira, “mal se ouviram vaias”, escreveu David Allen em sua resenha para o New York Times. Mas havia mais do que algumas cabeças sendo coçadas enquanto as pessoas lutavam para entender o sentido do que tinham visto. Sharon não poderia estar mais feliz. “Todas essas várias ideias ressoam umas nas outras, ou colidem entre, ou às vezes não são contadas até o final”, disse no dia seguinte à estreia. “Eu amo coisas que ficam em aberto, porque então o público tem o poder e a liberdade de descobrir as coisas por si mesmo.”

Ele então invocou a máxima de Roland Barthes de que “o nascimento do leitor se deve dar às custas da morte do autor”. Sharon, de 39 anos, um beneficiário da bolsa “gênio” da Fundação MacArthur e um dos diretores mais inovadores que trabalham na ópera hoje, tende a fazer coisas assim. Suas notas de programa para Lohengrin usam até mesmo um poema de Brecht, Elogio da Dúvida, como epígrafe: “A mais bela de todas as dúvidas/ É quando os oprimidos e desanimados levantam suas cabeças e / Param de acreditar na força / De seus opressores.”

Uma leitura tradicional de Lohengrin seria que o vilão Ortrud planta a semente da dúvida que leva Elsa a fazer a pergunta proibida sobre o nome e a origem de Lohengrin. Em outras palavras, a curiosidade mata o gato. Mas Sharon vê Ortrud como uma espécie de combatente da liberdade que libera Elsa, enquanto o povo Brabant segue cegamente o carisma de Lohengrin em direção à morte.

Esta é apenas a mais recente façanha dramatúrgica de Sharon, de Los Angeles – cuja própria companhia de ópera, a Industry, no passado encenou uma única ópera na cidade, com limusines conduzindo os membros do público de cena em cena, e encenou uma Guerra dos Mundos dentro e fora do Walt Disney Concert Hall. (Espera-se que ele ainda venha a dirigir uma importante companhia americana como a Metropolitan Opera.)

Katharina Wagner, bisneta do compositor e uma das integrantes do grupo de diretores do festival, disse que Sharon tem uma visão convincente e “uma profunda compreensão das obras de Wagner”. “Sua sensação de nuances e graduações delicadas no desenho dos personagens no palco é muito pronunciada.” Nem ela nem Sharon falaram sobre sua nacionalidade. “Nunca foi sequer um assunto, de certa forma”, disse Sharon. Agora, porém, “parece um ótimo contraste com o que está acontecendo politicamente em nosso país”.

Eu perguntei o que ele quis dizer. “Quando vemos como nosso presidente reage à Alemanha – até mesmo na semana passada, tratando a Alemanha como um inimigo, em vez de um aliado próximo – me parece bastante significativo vir a Bayreuth e oferecer o programa oposto e dizer: Veja, através da música, arte, colaboração, podemos mostrar como diferentes culturas podem encontrar maneiras de conversar e criar algo.”

Entrevista com Yuval Sharon

Depois de discutir Lohengrin, falamos sobre o que vem a seguir em casa nos EUA e que outras óperas de Wagner ele poderia encenar no futuro. Aqui estão trechos editados da conversa.

Como você descreveria o estado da ópera nos Estados Unidos?

O que há de interessante agora é que existe uma tal sede por novos trabalhos, definitivamente maior do que quando comecei. Isso é incrível, e espero que continue, mas desejo que as companhias americanas analisem um pouco mais o que está acontecendo na Europa. Também temos um problema financeiro e social muito difícil com a ópera e com o qual todas as companhias americanas estão lutando. Algumas pessoas pensam, então, que temos que fazer O Elixir do Amor em roupas de rua. Eu quero dizer: por que então encenar? Isso não me diz nada. Eu acho que algumas pessoas gostam da música, mas se você gosta da música, você pode fazer isso em concerto. Se vai encenar isso, dê uma razão importante.

Então você acha que deve sempre haver uma razão, sem exceção?

Oh sim. Eu não acho que isso deveria ser considerado como certo, por exemplo, “Claro, nós vamos fazer Carmen”.

Essa é a abordagem do teatro de repertório, no entanto.

Certo. Mas eu acho que é uma ideia de uma época diferente. Eu acho que nos EUA, pelo menos, sempre deve haver uma intensa necessidade. Se é só para lotar as salas, parece que não está indo na direção certa. Eu não sei; há muitas pessoas no lado comercial…

Por causa disso, como você se vê como parte de um cenário americano mais amplo?

Quando eu comecei a Industry, era realmente sobre tentar enriquecer a paisagem operística com compositores aos quais eu acreditava que as companhias não dariam uma chance. Ainda somos uma companhia complicada, mas acho que encontramos ressonância em uma escala maior. O que isso significa para o campo da ópera, não posso dizer. Eu posso ter meu desejo pelo que isso signifique. Não é que todos façam óperas em carros – essa não é ideia – mas talvez as companhias de ópera pensem além do proscênio. Você pode fazer coisas excitantes em um teatro de palco, mas a abordagem precisa ser um pouco diferente. Não se pode fazer sempre a mesma coisa.

Que outras óperas de Wagner você quer dirigir?

Todas são abismos reais: você pode trabalhar nelas para sempre. Soam muito mais modernas que muitas peças contemporâneas. Parece que o tempo delas ainda está chegando, de alguma forma, não como história. Tenho uma ideia para Os Mestres Cantores, mas não posso divulgar ainda. Eu adoraria fazer um ciclo do Anel um dia. Isso é como o Monte Everest para um diretor, mas acho que não vou fazer isso em breve. Para mim, parece um objetivo artístico. Eu tenho quase 40 anos agora. Então, um ciclo do Anel nos meus 50 anos seria legal. / Tradução de Claudia Bozzo 

Mais conteúdo sobre:
ópera teatro Richard Wagner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.