E a ciência olha o escuro Beijo, chefia aliás,

Autor de O Imperador de Todos os Males: Uma Biografia

O Estado de S.Paulo

11 de março de 2012 | 03h09

do Câncer, o médico indiano Siddhartha Mukherjee não se impressiona com governantes submetidos a químio e radioterapia, como é o caso de Lula e Chávez. "São presidentes, mas poderiam ser favelados." Acha que pacientes famosos beneficiam os anônimos ao dar mais visibilidade à doença, o que ajuda a levantar fundos para a pesquisa - este, um ponto fundamental. "Até falamos em cura potencial em certos casos. Mas ainda falta avançar muito na construção do projeto genoma do câncer", avalia. Até lá, prezados leitores, não fumem e moderem na bebida. É o que prescreve o dr. Mukherjee, prêmio Pulitzer de 2011.

Exclusivo | Págs. J4 e J5

O dia em que o

baterista Wilson das Neves deixou Chico Buarque no chinelo.

Pág. J2

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.