E por que não reinventar a roda?

Crise revela o equívoco de uma indústria que apostou em mastodontes motorizados, o must dos novos-ricos

Sérgio Augusto, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2008 | 20h25

Pouco antes da invasão do Iraque, o magnata dos tablóides Rupert Murdoch estufou o peito e, fazendo coro com os Strangeloves do governo Bush, anteviu que a guerra seria "a melhor coisa do mundo do ponto de vista econômico", provocando uma estabilização do preço do petróleo em torno de US$ 20 o barril. "Melhor do que redução de impostos em qualquer país", arrematou. Vocês viram o que de fato aconteceu nos cinco anos e meio de uma guerra prevista, pelas mesmas cassandras, para durar algumas semanas. Em julho passado, o barril chegou a quase US$ 150. E se há três dias custava menos de US$ 50, a US$ 20 jamais chegará. A tendência, aliás, é que volte a subir. Se não subir uns 60%, crise à vista. Sem condições financeiras de investir, adequadamente, na exploração de novas fontes de petróleo e na produção de outros 45 milhões de barris por dia (a demanda estimada para daqui a 20 anos), e pressionada para adequar-se a padrões mínimos de salubridade ambiental, a indústria de combustíveis não tem um futuro dos mais promissores. Petróleo barato não é só má notícia para a Opep, Irã e Rússia, mas também para o meio ambiente e o trânsito nas grandes cidades. Quando o barril passou dos US$ 80, anunciou-se o fim da moda dos jipões, Hummers e demais utilitários sedentos de combustível, devidamente celebrado por todos aqueles que vêem no carro um veículo de transporte, não um arrogante emblema de auto-afirmação e novo-riquismo. Com o barril abaixo dos US$ 50, eles voltam a ser uma ameaça, certo? Teoricamente, sim. Mas como a bonança da gasolina a preço de banana tem prazo limitado e os carangos schwarzeneggerianos não bebem etanol, melhor encomendar logo o epitáfio. De lambujem, a crise das montadoras americanas. Que, convém ressaltar, não começou com os terremotos que desde setembro aterrorizam o mundo financeiro. Faz tempo que as vendas de carros vêm caindo acentuadamente no país que os inventou. Simples: os consumidores já estavam com a grana curta antes de o barril de petróleo beirar os US$ 90. Faz tempo também que a indústria automobilística enfia os pés pelas mãos, num show contínuo de soberba e incompetência administrativa. As Três Grandes do setor (General Motors, Ford e Chrysler, na verdade, um oligopólio que domina 95% do mercado) passaram anos investindo em mastodontes, em vez de concentrar esforços na pesquisa e fabricação de veículos que consumam menos energia e até utilizem outros tipos de combustível, como, por exemplo, o Chevy Volt, movido a energia elétrica, mais econômico que uma geladeira, previsto pela GM para 2010, mas perigando gorar antes do prazo, caso o pior aconteça. O que de pior pode acontecer? Para uns, o governo injetar US$ 50 bilhões numa indústria automobilística incapaz, superada, que por isso mesmo, dizem, merece ir à breca. Para outros, o governo deixar as montadoras falirem, aumentando em 3 milhões o número de desempregados no país e provocando uma quebradeira da indústria de autopeças, revendedoras, etc. Embora haja liberais, conservadores e progressistas compartilhando as duas posições, indistintamente, os mais ortodoxos defensores do livre mercado tendem a condenar qualquer tipo de ajuda federal, ainda que relativamente pequena e provisória, à indústria automobilística. "Agora US$ 50 bilhões, depois mais US$ 50 bilhões", empombou o comentarista do Washington Post George F. Will, antevendo um poço sem fundo. E a fortuna investida no Iraque e desviada para os cofres da Halliburton, da Blackwater e afins, em nome da "segurança" e do "patriotismo"? Por que os bancos, que só produzem papel, foram salvos com uma ajuda de US$ 700 bilhões, e as montadoras, que produzem bens de consumo e geram milhões de empregos, não podem receber US$ 50 bilhões?, cobrou Paul Craig Roberts. Assistente da Secretaria do Tesouro do governo Reagan, Roberts não pode ser acusado de estatizante ou algo similar. Que tal aproveitar a oportunidade para reinventar a indústria automotora americana?, sugeriu um blogueiro da revista The New Republic, sintetizando o anseio de diversos políticos e analistas, que, ideologias à parte, condicionam qualquer ajuda governamental a um comprometimento das montadoras com a fabricação de carros mais econômicos e ecologicamente corretos. Sem salvaguardas como esta, não faz o menor sentido salvar as Três Grandes da bancarrota. Se bem que nem carros como o Chevy Volt o sectário Will aceita como garantia; até porque o considera uma concessão malévola aos congressistas "obcecados" pelo ambientalismo. Com cabeças assim, fica mais difícil carregar o andor capitalista. É voz corrente que subsidiar uma indústria cheia de vícios só iria perpetuar uma estrutura improdutiva. Uma indústria automobilística revigorada, vibrante e competitiva teria um papel essencial na solução dos três maiores problemas da atualidade: a debacle financeira, a crise energética e a catástrofe ambiental, escreveu Jeffrey D. Sachs, que considera "vital" uma parceria com o governo. Tão vital que deveria ter sido iniciada, segundo ele, na semana passada. Mas o Congresso só tomará a decisão final daqui a 15 dias. Depois de ver os três principais executivos da GM (Richard Wagoner), Chrysler (Robert Nardelli) e Ford (Alan Mulally) descerem em Washington para mendigar US$ 50 bilhões, a bordo de luxuosos jatinhos executivos, o usualmente moderado comentarista político Eugene Robinson, colega de página de Will, não se conteve e sugeriu que o Congresso aprovasse logo a ajuda às montadoras, condicionando-a à demissão sumária do desmoralizado trio. Boa idéia. O exemplo não deve vir sempre de cima?

Tudo o que sabemos sobre:
Indústria do carrocrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.