Metropolitan Museum of Arts
Metropolitan Museum of Arts

Ensaios traçam panorama da filosofia contemporânea na África

'A Razão Africana', do historiador Muryatan S. Barbosa, supre lacuna relevante sobre a produção intelectual do continente no mercado editorial brasileiro

Rodrigo Petronio*, Especial para o Estado

27 de fevereiro de 2021 | 16h00

Desde as obras pioneiras de Manoel Querino, Pierre Verger, Alberto da Costa e Silva e Kabengele Munanga às pesquisas fundamentais de Lilia Moritz Schwarcz, Ordep Serra, Sueli Carneiro, Reginaldo Prandi, Silvio Almeida e Nei Lopes, o pensamento africano tem recebido cada vez mais destaque no Brasil. Nesse movimento, Na Casa de Meu Pai: A África na Filosofia da Cultura, referência mundial do filósofo ganês Kwame Anthony Appiah, publicada pela Contraponto em 1997, pode ser considerada um marco. Por sua vez, O Pensamento Africano no Século XX (Expressão Popular, 2016), conjunto de artigos de pesquisadores brasileiros e africanos organizado por José Rivair Macedo, com prefácio de Severino Ngoenha, trouxe um novo fôlego ao debate. 

Em 2017, surgiu a coleção A África e os Africanos, da editora Vozes, coordenada pelos professores José D’Assunção Barros, Álvaro Nascimento e José Jorge Siqueira. Ela tem publicado autores brasileiros e estrangeiros seminais para a compreensão desse continente: Jean-Loup Amselle, Elikia M’Bokolo, Gwendolyn Midlo Hall, Marcel Dorigny, Bernard Gainot e Muniz Sodré. 

No mesmo ano, o clássico Arte Africana de Frank Willett, talvez a melhor referência sobre o assunto, saiu em parceria entre a Imprensa Oficinal do Estado de São Paulo e as Edições Sesc. Some-se a isso o interesse crescente dos leitores brasileiros pela obra do filósofo camaronês Achille Mbembe, publicada pela editora n-1. Temos um painel muito positivo. E a esperança de que cresça ainda mais. Entretanto, ainda havia um elemento ausente: um panorama abrangente da produção intelectual africana atual. 

Para suprir esta lacuna, a editora Todavia acaba de colocar no mercado A Razão Africana: Breve História do Pensamento Africano Contemporâneo, do historiador Muryatan Santana Barbosa, com orelha assinada por Rivair Macedo. Nascido em 1977 em Lund (Suécia), Muryatan é autor de Guerreiro Ramos e o Personalismo Negro (Paco, 2015), síntese da trajetória intelectual do sociólogo negro Alberto Guerreiro Ramos (1915-1982). 

Professor adjunto do Bacharelado em Ciências e Humanidades, do Bacharelado em Relações Internacionais e do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Mundial, todos da Universidade Federal do ABC (UFABC), há anos Muryatan tem se dedicado ao pensamento africano e afrodiaspórico. 

Inspirado em Marx e no filósofo da ciência Gaston Bachelard (1884-1962), Muryatan segue dois preceitos: 1. Investigar as matérias em seus detalhes, de modo a “analisar suas diferentes formas de desenvolvimento e rastrear seu nexo interno”. 2. Recorrer ao descritivismo, à medida que a “descrição é a finalidade da ciência”. Devido a isso, o contorno metodológico é impecável, pois consegue mapear uma variedade enorme de autores, obras e ideias, em dimensões continentais e em uma perspectiva transdisciplinar. 

A primeira parte analisa o protagonismo das ideias de Edward Blyden e as origens do nacionalismo africano (1870-1917), o Entreguerras (1917-1939) e o papel da diáspora. Os primórdios desse pensamento mostra-se atrelado aos impasses da colonização e dos paradigmas europeus. A unificação dos intelectuais passa por projetos de descolonização, e por teorias alternativas ao racismo e ao colonialismo. Para tanto, era preciso formular uma personalidade africana. 

Tomam forma então os conceitos de negritude e de pan-africanismo, hipóteses de uma possível unificação étnica, política e cultural do continente. Trata-se de uma defesa de valores civilizacionais e (a seu modo) modernos específicos da África. Essa primeira etapa realoca os papéis e as funções tanto da política quanto da cultura, que se tornam indissociáveis. 

A segunda parte se chama O Reino Político. E o subtítulo explica o teor desse segundo grande momento. Baseia-se na tese de que apenas por meio de forças políticas poderia haver a emancipação africana proposta pelos pensadores anteriores. Tomando como divisa as ideias de Kwame Nkrumah (1909-1972), presidente de Gana de 1960 a 1966, os intelectuais passam a colocar a política no centro de todas as demais ações, orientação que dominou a produção africana ao longo das décadas de 1950 e 1960. Fortalece-se nesse momento o socialismo e o marxismo africanos. 

Contudo, essas teorias críticas ressaltaram os limites das utopias pan-africanistas. E os intelectuais se deparam então com alguns problema. Como organizar uma sociedade pós-colonial? A partir da hegemonia do neoliberalismo, nas décadas de 1980 e 1990, como evitar que os nacionalismos se convertam em uma rebalcanização neocolonial, como advertira Mbembe? Para sanar esses impasses, Muryatan concentra sua argumentação final no conceito que nomeia a terceira parte da obra: o autodesenvolvimento.

O autodesenvolvimento passa a ser uma tônica dos intelectuais das últimas décadas, representados em grande parte por economistas. Esse movimento se assenta em uma tomada de consciência paulatina das especificidades e das contradições do desenvolvimento e da modernidade africanos. A questão central? Como seria possível passar da economia política clássica africana a novas estratégias de desenvolvimento, conciliando as democracias e o capitalismo contemporâneos. 

Esse projeto se alicerça em alguns desafios: diversidade econômica, industrialização autônoma, integrações regional e continental, aumento da qualidade de vida. E também contempla novas propostas: superação das “disparidades de gênero, raciais e étnicas”, sustentabilidade, e um tipo de desenvolvimento cada vez mais endógeno e democrático. 

A capacidade de síntese de Muryatan torna sua obra obrigatória para qualquer um que pretenda se aprofundar em temas africanos. E também para aqueles que pretendam compreender as ideais contemporâneas de um ponto de vista complexo e policêntrico. Afinal, esse talvez seja o maior imperativo e o maior desafio para a construção de um novo pensamento para o século 21. 

*RODRIGO PETRONIO É ESCRITOR E FILÓSOFO. PROFESSOR TITULAR DA FAAP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.