Sérgio Guidoux/Editora Riacho
Sérgio Guidoux/Editora Riacho

Estante: De literatura contemporânea à mitologia indígena, veja as indicações literárias do 'Aliás'

Lista conta com cinco livros recém-publicados que merecem sua estante

André Cáceres, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2021 | 15h00

De literatura contemporânea à mitologia guarani, a seleção de livros do Aliás desta semana conta com obras clássicas redescobertas, como o romance que alçou Júlia Lopes de Almeida ao prestígio literário, e com trabalhos inéditos.

A Trama da Vida - Merlin Sheldrake (Ubu/Fósforo)

Fungos são fundamentais para o pão e o vinho, o chocolate e o LSD. Eles tomam o controle de formigas e permitem a comunicação entre árvores. Sem eles, a vida seria certamente diferente. O biólogo britânico Merlin Sheldrake mostra tudo isso e mais: como essas criaturas poderão nos ajudar a superar a crise climática.

As Tramas do Fantástico - E.T.A. Hoffmann (Perspectiva)

O compositor e escritor alemão E.T.A. Hoffmann inspirou o balé O Quebra-Nozes, de Tchaikovski, e o conceito freudiano de perturbador ou infamiliar, além de ser um dos maiores nomes da literatura no século 19. As Tramas do Fantástico reúne seus principais contos, que transitam entre o horror e o fantástico. 

Açúcar Queimado - Avni Doshi (Dublinense)

 Antara foi abandonada pela mãe, mas anos depois se vê obrigada a cuidar dela quando sua memória começa a ceder à demência senil. As nuances que os sentimentos ambivalentes entre mãe e filha assumem em Açúcar Queimado lembram obras de Elena Ferrante e Leila Slïmani, em que amor e ódio soam intercambiáveis. 

A Família Medeiros - Júlia Lopes de Almeida (Carambaia)

Uma das principais vozes literárias de seu tempo, Júlia Lopes de Almeida foi cofundadora da ABL, mas seu marido ficou com a vaga dela, pois mulheres não podiam ocupar cadeiras até 1977. A Família Medeiros mostra o embate entre um Brasil rural e escravista e as ideias abolicionistas que a autora sempre encampou. 

Fortalecendo a Sabedoria (Nhemombaraete Reko Rã'i) - José Verá (Riacho)

O indígena guarani José Verá compartilha seu conhecimento ancestral por meio de parábolas sobre fenômenos da natureza, plantas e animais. Entre os desenhos de sua autoria, a linguagem oral transposta para o papel traz um relato precioso que mescla a mitologia guarani a urgentes mensagens ecológicas.

Tudo o que sabemos sobre:
literaturalivro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.