Attila Nagy
Attila Nagy

Hungria investe em expansão de sua Ópera Estatal e intervém nas peças

O primeiro-ministro Viktor Orban financiou a primeira reforma da casa desde a Guerra Fria

Michael Cooper, The New York Times

03 Novembro 2018 | 16h00

BUDAPESTE - Foi na grande e toda dourada Ópera Estatal Húngara que Brahms certa vez ouviu Mahler conduzir Mozart. É onde o ainda assustador O Castelo do Barba Azul de Bartók estreou há um século. É onde o artista Matthew Barney gravou parte de seu ciclo Cremaster, e Jennifer Lawrence filmou cenas para seu violento thriller Operação Red Sparrow, no qual ela interpretou uma bailarina que se tornou espiã. Atualmente, a casa também emerge como um ponto de destaque nas guerras culturais da Hungria.

A companhia de ópera está em meio a uma de suas maiores expansões, graças ao investimento de centenas de milhões de dólares pelo governo cada vez mais autocrático de direita do primeiro-ministro Viktor Orban, que está construindo o que ele chama de “democracia iliberal” e descreveu os teatros, casas de ópera e salas de concerto da Hungria como “templos da cultura nacional”. O dinheiro está pagando pela primeira grande reforma da Ópera Estatal desde a Guerra Fria, em uma efervescência de construções que deixará o país com três teatros, quando os trabalhos forem concluídos no próximo ano.

Mas no meio da virada para a direita do país, a companhia atraiu controvérsias recentemente. Foram canceladas algumas apresentações do musical Billy Elliot depois que um jornal conservador denunciou o trabalho como “propaganda gay” e encenou Porgy and Bess com cantores brancos, contra os desejos dos herdeiros de seus criadores.

Este mês, a Ópera Estatal e o Balé Nacional Húngaro estão levando a Nova York 350 cantores, dançarinos e músicos para apresentar quase duas semanas de óperas e balés totalmente encenados. A formação inclui O Castelo do Barba Azul; A Rainha de Sabá, obra raramente encenada por Karl Goldmark; e Bank Ban, um trabalho de 1861 de Ferenc Erkel considerado a ópera nacional da Hungria, bem como balés incluindo O Lago dos Cisnes e Dom Quixote. A turnê será realizada de terça a 11 de novembro no David H. Koch Theater no Lincoln Center.

“Nossa herança musical sempre foi muito forte e temos de transmiti-la", disse Szilveszter Okovacs, diretor-geral da ópera, em uma entrevista na primavera passada, explicando que fazia sentido fazer uma turnê enquanto a principal ópera estava fechada para renovações.

A ambiciosa e cara turnê vem em um momento em que muitos dos principais músicos clássicos da Hungria, especialmente aqueles com carreiras internacionais, criticam o governo de Orban. O eminente pianista Andras Schiff não se apresenta mais na Hungria, onde nasceu. ("Eu sou um grande opositor da situação política lá agora”, disse ele à BBC em 2013). Adam Fischer, um requisitado regente, deixou o cargo de diretor musical da Ópera Estatal em 2010 em parte para protestar contra as políticas do governo Orban. Seu irmão Ivan, o diretor musical do aclamado Budapest Festival Orchestra, é um franco defensor dos direitos humanos no país e no exterior.

A primeira visita aos EUA da Ópera e do Ballet estatais acontece no momento em que o governo Trump vem fazendo aberturas para a Hungria de Orban. Tanto o presidente Donald Trump quanto Orban chegaram ao poder assumindo uma linha dura contra a imigração e cortejando a direita. Ambos fizeram campanha contra George Soros, o investidor liberal. Ambos surgiram como fortes críticos da União Europeia. O ex-estrategista-chefe de Trump, Steve Bannon, descreveu Orban como “Trump antes de Trump”.

Uma área onde eles divergem, porém, é a que se refere às artes. Trump tentou, mas não conseguiu, eliminar a Dotação Nacional para as Artes (National Endowment for the Arts) e a Dotação nacional para apoio à pesquisa, educação, preservação e programas públicos nas ciências humanas (National Endowment for the Humanities), e teve um relacionamento difícil com artistas, muitos dos quais criticaram publicamente suas políticas. Orban, de sua parte, fez grandes investimentos em cultura, vendo-a como um componente importante da identidade nacional. Após sua reeleição em abril, o site do governo informou que o astro de ópera Plácido Domingo havia dado parabéns a Orban por carta, elogiando-o como “um grande defensor das artes e da cultura”.

Na Hungria, o partido Fidesz, de Orban, passou a exercer mais controle sobre as nomeações culturais nos últimos anos, nomeando dezenas de diretores de teatro em todo o país. Okovacs, um cantor treinado com profundo conhecimento de ópera e habilidade de um showman para iniciativas de desenvolvimento de público, trabalhou como executivo de televisão antes de se tornar diretor geral da Ópera Estatal em 2011.

 “Se alguém forma um governo”, ele disse, “é claro que ele dá posições para pessoas nas quais pode confiar, para administrar problemas”.

Mas ele acrescentou: “Isso não é ruim. Na ópera, tem sido assim há 135 anos. Sempre foi uma Ópera Estatal. E é aí que para: eles nunca exerceram nenhuma pressão.”

E num momento em que outras grandes cidades, incluindo Nova York e Londres, têm dificuldade em apoiar suas casas de ópera, a Hungria reabriu uma segunda, o Teatro Erkel, administrado pela Ópera Estatal como uma alternativa de preço mais baixo. Okovacs observou que foi o governo de Orban que trouxe de volta o Erkel em 2013, depois de ter sido fechado por vários anos.

Agora a companhia está em uma febre de construções. A instituição espera concluir a reforma de sua casa principal até setembro. A algumas milhas de distância, equipes de construção estão erigindo um terceiro teatro para obras de câmara em uma cavernosa oficina de manutenção ferroviária do século 19. A casa de ópera está transformando a instalação em um amplo complexo de oficinas, estúdios de ensaio e espaço de armazenamento de mais de 2.200 metros quadrados chamado de Eiffel Art Studios. Incluirá um restaurante em um vagão vintage.

Mas a Ópera Estatal também cortejou a polêmica. Em janeiro, encenou Porgy and Bess com cantores brancos – apesar das objeções do espólio dos irmãos Gershwin, que pedem que o trabalho seja realizado com elencos negros. A encenação atraiu críticas no exterior, mas também elogios dentro da Hungria de alguns que a viram como um golpe contra o “politicamente correto”. A produção, montada durante a campanha de reeleição de Orban, realocou a ação em um hangar cheio de moradores de rua em busca de uma terra prometida - lembrando a crise de refugiados que oprimiu a estação de trem de Budapeste em 2015 e a forte postura de Orban contra a imigração.

“Havia notícias falsas realmente bobas sobre nossa produção de Porgy", disse Okovacs na entrevista, mudando brevemente do húngaro para o inglês para empregar uma das expressões favoritas de Trump.

Menos de um mês depois da entrevista na última primavera, sua empresa estava de novo no noticiário internacional, desta vez por cancelar 15 apresentações de um revival do musical Billy Elliot, após um colunista do Magyar Idok, um jornal pró-governo, denunciou-o como propaganda gay.

A colunista, Zsofia N. Horvath, questionou como uma instituição estatal poderia encenar tal show. “Promover a homossexualidade não pode ser uma meta nacional em uma situação em que a população está diminuindo e envelhecendo, e nossa pátria está ameaçada por invasões estrangeiras”, escreveu ela.

Em uma resposta publicada no jornal, Okovacs questionou se as óperas de Mozart, Strauss e Beethoven apresentando mulheres que se vestem como homens eram propaganda gay também - e lembrou que a Ópera Estatal envia um CD para a família de todo recém-nascido húngaro.

“Só porque algo que é uma parte inegável da vida aparece no palco da ópera”, escreveu ele, “isso não significa que estamos promovendo isso”.

A companhia disse que cancelou 15 das 44 apresentações planejadas não por causa das críticas, mas porque a repercussão enfraqueceu o interesse do público.

Andrea Tompa, uma crítica de teatro húngara que escreveu sobre a crescente influência política nas artes performáticas na Hungria, disse que pegou uma das performances restantes de Billy Elliot após toda agitação. “O que é realmente assustador é que essas instituições não adotam posições firmes”, disse ela em uma entrevista por telefone. “Mesmo que seus líderes artísticos tenham fortes relacionamentos políticos."

Durante o verão, quando a controvérsia terminou, Okovacs anunciou o tema da temporada de ópera do ano que vem, que parece muito menos propenso a despertar críticas na imprensa de direita: o cristianismo. /Tradução de Claudia Bozzo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.