Verve Galeria
Verve Galeria

John Berger ilustrou debate sobre animismo em série de textos

'Por que olhar para os animais?' reúne produção do ensaísta inglês

Dirce Waltrick do Amarante, Especial para o Estadão

15 de abril de 2022 | 16h00

É difícil conceituar Por que olhar para os animais?, do escritor e crítico de arte inglês John Berger, publicado pela Fósforo em tradução de Pedro Paulo Pimenta. É um livro composto de pequenos textos escritos em diferentes épocas que inclui ensaios, pequenas narrativas ficcionais, memórias, poesia etc. Afinal, que livro é esse? A interrogação do título parece, portanto, bastante oportuna. Cabe destacar ainda que esse é um livro que incita questionamentos desencadeados pelo olhar, o grande protagonista dessa antologia curiosa. 

O primeiro texto do livro, Uma História de Ratos, é uma espécie de fábula na qual a personagem, um homem obcecado por ratos, os prende em gaiolas para vê-los partir: “um prisioneiro voando, um prisioneiro realizando seu sonho de liberdade”, enquanto ele segue entre quatro paredes. 

Interessante pensar que essa fábula, em vez de dar voz ao animal, retira a voz do humano. Talvez a mudez aproxime homem e animal e permita que eles se “olhem”, uma vez que “dificilmente alguém olha para um rato por tanto tempo quanto aquele homem o olha. Ou vice-versa”. Se a linguagem, afirma Berger, “permite que os homens reconheçam uns aos outros e a si mesmos”, no que diz respeito à relação entre os animais e os homens, é o olhar que permite que os homens reconheçam os segredos da semelhança e dessemelhança entre eles.

Ocorre que os animais estão desaparecendo da vida dos homens, “o que resta da vida selvagem está confinado em parques e reservas”, os outros são comidos e “utilizados” por nós, como os animais de estimação (ou domesticados) que são “crias do modo de vida de seus proprietários”: “[...] O animal é esterilizado ou vive em clausura sexual [...]privado do contato com outros animais e nutre-se de alimento processado”. Nessa situação a autonomia entre eles se perde, reproduz-se a relação entre colonizador e colonizado. Em Paris França (1940), Gertrude Stein faz uma comparação muito apropriada sobre essa relação: “os franceses precisam ter como cães de estimação os estrangeiros, que eles modificam e arrumam à sua própria maneira [...]”. 

Em São as Últimas, poema que compõe o livro, lê-se: “A cada ano partem mais animais./ Restam apenas os de estimação e as carcaças,/ e vivas ou mortas as carcaças,/ são desde o nascimento/ inelutável e invisivelmente/ transformadas em carne,/ ‘Parece-me perfeitamente viável’,/ declarou Bob Rust,/ da Universidade de Iowa,/ ‘projetar um animal/ destinado a ser hambúrguer’/ Em outros lugares/ os animais dos pobres/ morrem com os pobres/ por falta de proteína”. 

Nos zoológicos também não existe autonomia na relação entre homens e animais. Confinados, ainda segundo Berger, “esses animais foram integralmente absorvidos na dita ‘minoria silenciosa’”. Em jaulas “os animais é que são sempre os observados. O fato de que eles podem nos observar perdeu importância”. O zoológico é, “na verdade, um monumento à impossibilidade desses encontros”. 

O fato é que, como afirma Jacques Derrida, “não há o animal no singular genérico, separado do homem por um limite indizível. É preciso considerar que existem ‘viventes’ cuja pluralidade não se deixa reunir em uma figura única de animalidade simplesmente oposta à humanidade”. Berger parece falar no seu livro justamente desses viventes.

Em O Pássaro Branco, Berger afirma que “a evolução das formas naturais e a evolução da percepção humana coincidiram para produzir o fenômeno de um reconhecimento potencial: o que é, e o que podemos ver (e, por ver, também sentir), se encontram às vezes num ponto de afirmação. Esse ponto, essa coincidência, tem duas faces: o que foi visto é reconhecido e afirmado, e, ao mesmo tempo, quem vê é afirmado pelo que vê”. O pássaro branco a que ele se refere é uma imitação do pássaro real, é um objeto criado pelo homem em uma “tentativa de traduzir a mensagem recebida de um pássaro real”. Portanto, diz Berger, “a arte se propõe a transformar o reconhecimento potencial em reconhecimento permanente”. Se o pássaro branco de madeira sobrevive ao frio, “lá fora, a 25 graus negativos, os pássaros verdadeiros morrem congelados”.

“Comensais e o que eles comem” é um ensaio sobre o ato de comer, o qual pode até se desviar do tema central do livro, os animais, mas se mantém fiel ao olhar; afinal, para o burguês, diz Berger, o que vale numa refeição é o apelo teatral, que ele digere também com os olhos. 

Encerra o livro um relato sobre o último encontro do escritor inglês com o jornalista e filósofo Ernst Fisher, nascido na Boêmia. Nele, mais uma vez os animais vêm à tona e o olhar é o protagonista: “Olhei em seus olhos. Estavam pálidos. (Estavam sempre marejados, pelo esforço de enxergar.) Pálidos como uma flor azul [...]”. E na hora da morte seu olhar foi de cético, interrogativo e firme a um “olhar que não viu mais nada”. Já suas mãos, sobre o lençol branco eram “como as patas dianteiras arrancadas de um animal encontrado morto na floresta”.  Talvez o livro de Berger também pudesse se chamar Por que é importante olhar?

Tudo o que sabemos sobre:
Gertrude Steinliteratura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.