Mão episcopal

No último dia 10 de maio, Raúl Castro recebeu por cinco horas o cardeal Jaime Ortega. Cuba decidia anistiar presos políticos para evitar novas greves de fome

Frei Betto

17 de julho de 2010 | 16h00

Costura. O chanceler espanhol, Moratinos, ao lado do cardeal Jaime Ortega

 

 

 

Como entender que o Estado cubano, num país socialista, aceite a mediação da Igreja Católica para libertar presos de consciência, como lá são chamados os presos políticos? A figura central nesse processo é o cardeal Jaime Ortega, de 73 anos, arcebispo de Havana. Hábil negociador, ele foi vítima, no passado, do sectarismo esquerdista que, sob influência da União Soviética, atiçou a perseguição religiosa. Ainda seminarista, nos anos 60 Ortega foi enviado a um campo de "reeducação ideológica". Apesar disso, jamais demonstrou ressentimento e nem se aliou aos que deram as costas à revolução.

 

O período esquerdista da Revolução Cubana - repudiado publicamente por Fidel - congelou as relações Igreja-Estado. Entre 1964 e 1981, bispos e autoridades não se falaram. Ao me encontrar com Fidel pela primeira vez, em 1980, ele me fez a proposta de intermediar a retomada do diálogo. No ano seguinte, a ideia foi exposta na reunião da conferência episcopal, em Santiago de Cuba. Os bispos a acolheram como um sinal positivo. Pouco depois, Fidel os recebeu em audiência.

 

Em 1985, na longa entrevista sobre a questão religiosa que me foi concedida pelo líder cubano, publicada sob o título Fidel e a Religião, pela primeira vez um dirigente comunista no poder abordou o tema da fé de modo respeitoso - inclusive admitindo que sua formação religiosa lhe aprimorara o caráter. Num país de 11 milhões de habitantes e uma população cuja religiosidade possui forte raiz sincretista, mescla entre catolicismo e tradições de origem africana, 1,3 milhão de cópias foram editadas até hoje.

 

Veja também:

La reconciliación cubana?

As gravatas coloridas do exílio

Vozes do desterro

 

Na opinião de um bispo cubano, o livro "tirou o medo dos cristãos e o preconceito dos comunistas". Em 1986, a Igreja promoveu o Encontro Eclesial Cubano, versão local de um miniconcílio para traçar novas diretrizes pastorais.

 

O bom entendimento entre Igreja e Estado viu-se subitamente interrompido pela queda do Muro de Berlim. O cardeal Law, de Boston, ao pregar o retiro dos bispos, insistiu que o efeito dominó da falência do socialismo não pouparia Cuba e os bispos, à semelhança do episcopado polonês, deveriam se assumir como novos Moisés capazes de conduzir o povo à democracia...

 

Em janeiro de 1990, Fidel veio ao Brasil para a posse do presidente Collor e insisti na continuidade do diálogo. Pouco depois, desembarquei em Havana para entrevistar-me com Jaime Ortega. Foi a primeira e única vez que o vi pessimista. Não acreditava que o governo tivesse boas intenções. Talvez esperasse, para breve, o fim da revolução.

 

Cuba não foi atingida pelo furacão neoliberal que assolou o Leste Europeu e uma série de circunstâncias favoreceu a visita do papa João Paulo II ao país, em 1998. Fidel convidou a mim e a um grupo de teólogos, entre eles Leonardo Boff, para assessorá-lo no decorrer da visita papal. Cabia-nos "decifrar" a linguagem e os protocolos eclesiásticos.

 

O êxito da viagem - o papa não condenou o regime cubano, como queria Bush, e elogiou suas conquistas sociais - e a empatia que se criou entre Fidel e Woityla reabriram os canais de diálogo. Porém Fidel, por razões de saúde, se afastou do comando do governo em 2006, quando então Raúl Castro assumiu.

 

Intensifiquei minhas viagens a Havana para aprofundar a questão religiosa com Raúl e Caridad Diego, chefe da Oficina de Assuntos Religiosos (uma espécie de Ministério do Culto). Decidiu-se comemorar, em março último, os 25 anos de lançamento de Fidel e a Religião. Todas as denominações religiosas atuantes no país foram convidadas. Raúl esteve presente e lamentou que nenhum bispo católico tivesse comparecido.

 

Na mesma noite, durante um jantar, falamos da ação pastoral da Igreja Católica junto aos prisioneiros e de como a revolução só teria a ganhar com a libertação dos presos de consciência sem acusações de delitos de sangue ou atos terroristas.

 

A 10 de maio Raúl Castro recebeu, pela primeira vez, o cardeal Jaime Ortega. A conversa prolongou-se por cinco horas. O arcebispo solicitou a transferência dos presos para locais próximos a suas famílias e mostrou a disposição da Igreja em colaborar para que fossem anistiados. O governo considerou que valia a pena apostar na proposta do cardeal e, assim, evitar gestos extremistas, de ampla repercussão internacional, como greves de fome levadas às últimas consequências.

 

Jaime Ortega nada tem de progressista e, muito menos, de anticomunista. Seu papel, como pastor, é criar condições favoráveis à evangelização do povo cubano. E ele sabe que iniciativas humanitárias como a libertação de prisioneiros não apenas reforçam o prestígio da Igreja, mas sobretudo testemunham profunda fidelidade ao Evangelho. E, de quebra, dão provas da tolerância da revolução.

 

O que tanto a Igreja quanto o Estado mais esperam agora é que Obama liberte os cinco cubanos presos nos EUA desde 1998, acusados de espionagem. Essa a condição para a retomada de um diálogo positivo entre Washington e Havana, tendo em vista a suspensão do bloqueio imposto pelos EUA a Cuba.

 

* Frei Betto é escritor, autor de 'Um Homem Chamado Jesus' (Rocco), entre outros livros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.