Marcados para morrer

O crime por encomenda retorna ao noticiário policial do País, seja na forma de um assassinato à queima-roupa, como o do jornalista maranhense à mesa de um bar, ou na degola serial que ceifou sete vidas numa fazenda goiana: exemplos de brutalidade num Brasil onde a posse da terra, a disputa política e a desavença pessoal ainda são decididas pela justiça das próprias mãos. Nesta edição, dois sociólogos analisam o tema: César Barreira, da Universidade Federal do Ceará, mostra como o pistoleiro que antes vinha a cavalo e disparava com rifle transformou-se no matador free-lancer, que chega

O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2012 | 03h09

de moto e atira com revólver; e José de Souza Martins, professor emérito da USP e colunista do Estado, revela situações em que sentiu muito de perto o hálito gelado

da vida por um fio: "Você é o bispo? Vim te matar".

EXCLUSIVO xPágs. J4 e J5

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.