Facundo Arrizabalaga/EFE/EPA
Facundo Arrizabalaga/EFE/EPA

Mulheres dominam lista de finalistas do International Booker Prize

Olga Tokarczuk, Mieko Kawakami, Claudia Piñeiro e Bora Chung, entre outros,concorrem ao prêmio literário

Alex Marshall, The New York Times

22 de abril de 2022 | 10h00

LONDRES - Olga Tokarczuk, romancista polonesa vencedora do Prêmio Nobel, está entre as cinco escritoras pré-seleccionadas para o International Booker Prize deste ano, sem dúvida o prêmio mais importante do mundo para ficção traduzida para o inglês.

Tokarczuk é indicada por The Books of Jacob, junto com a tradutora Jennifer Croft, apenas quatro anos depois que a dupla ganhou o mesmo prêmio por Flights.

Entre outras indicadas na lista de seis finalistas, que foi revelada na Feira do Livro de Londres na quinta-feira, estão Mieko Kawakami, a estrela japonesa mais conhecida por Breasts and Eggs, e Claudia Piñeiro, a escritora de livros policiais argentina.

The Books of Jacob, de Tokarczuk, conta a história de Jacob Frank, um autoproclamado messias que vagueia pela Europa do século XVIII, acólitos a reboque. Quando a Academia Sueca concedeu a Tokarczuk o Prêmio Nobel de literatura em 2019, eles caracterizaram The Books of Jacob como sua “obra-prima”.

Originalmente publicado na Polônia em 2014, o romance de quase mil páginas recebeu elogios nos Estados Unidos desde que a tradução em inglês foi publicada este ano. Dwight Garner, em crítica para o New York Times, qualificou-o como “chauceriano em seu brio”. O livro é “um romance indisciplinado, avassalador e vastamente excêntrico”, além de “sofisticado, obsceno e repleto de sagacidade popular”.

Kawakami é indicada por Heaven, romance sobre um garoto de 14 anos que sofre bullying implacável, traduzido do japonês por Samuel Bett e David Boyd. Nadja Spiegelman, em resenha para o New York Times, disse que as cenas de bullying do livro são “tão lúcidas que você quase sente a dor do personagem”.

O livro finalista de Piñeiro é Elena Knows, sobre uma mãe aflita que vira detetive para investigar o aparente suicídio da filha. Kathleen Rooney, em resenha para o New York Times, disse que o romance, traduzido do espanhol por Frances Riddle, pode à primeira vista parecer “um mistério ajustado e conciso”. Mas, disse ela, “é também um comentário penetrante sobre as relações entre mãe e filha, a indignidade da burocracia, os fardos da maternidade e as imposições de dogmas religiosos às mulheres”.

O International Booker Prize é separado do Booker Prize, que premia romances originalmente publicados em inglês, mas vem com o mesmo prêmio em dinheiro: 50 mil libras, ou cerca de US$ 65.000. No International Booker Prize, o dinheiro é dividido igualmente entre o autor e o tradutor.

Os outros títulos selecionados são:

— A New Name: Septology VI-VII, de Jon Fosse, escritor e dramaturgo norueguês que é uma estrela no seu país. Traduzido por Damion Searls, o romance é o último de uma série e acompanha um artista altamente religioso nos momentos que antecedem sua morte.

— Cursed Bunny, uma coleção de contos da escritora coreana Bora Chung. Traduzido por Anton Hur, combina elementos de horror e ficção científica para criticar o capitalismo. Frank Wynne, presidente do júri deste ano, disse em coletiva de imprensa online que a coleção estava “em algum lugar entre David Lynch e o horror de David Cronenberg”.

— Tomb of Sand, de Geetanjali Shree, traduzido do hindi por Daisy Rockwell, segue a jornada de uma indiana de 80 anos para o Paquistão após a morte de seu marido. Wynne disse que a premissa do romance pode soar deprimente, mas o livro “é o oposto disso”. É cheio de um humor que deve ter dificultado muito a tradução, acrescentou.

O vencedor do prêmio deste ano será anunciado em 26 de maio durante cerimônia em Londres.

Este artigo foi originalmente publicado no New York Times. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.