Nova tradução da 'Ilíada' busca fluidez nos versos de Homero

Christian Werner adiciona sua versão às de Donaldo Schüler, Haroldo de Campos, Carlos Alberto Nunes e Manoel Odorico Mendes

Marcelo Tápia* - O Estado de S.Paulo

O tão distante mundo dos heróis está vivo: a poesia atribuída a Homero (séc. 8 a.C.)., que o presentifica, vem sendo renovada, ao longo do tempo, por sucessivas traduções. Deixando de lado as versões em prosa e as adaptações, contamos, hoje, com quatro traduções integrais em verso da Ilíada e cinco da Odisseia realizadas por brasileiros: Manoel Odorico Mendes (1799-1864) traduziu ambos os poemas em versos decassílabos; Carlos Alberto Nunes (1897-1990), ambos no metro original; Haroldo de Campos (1929-2003), a Ilíada em dodecassílabos; Donaldo Schüler, a Odisseia em versos livres; Trajano Vieira, a Odisseia em dodecassílabos; Christian Werner, os dois poemas em versos livres. 

 Aquiles, o herói de ‘A Ilíada’, faz curativo no amigo Pátroco em arte atribuída a Sosias Foto: ALTES MUSEUM/SOSIAS/CIRCA 500 A.E.C.

Recentemente lançada pela editora Ubu, a Ilíada traduzida por Werner vem associar-se à sua Odisseia, de 2014, da qual também se realiza agora uma edição revista. Ambos os tomos – que contêm textos de apresentação das epopeias, bem como da tradução – podem ser adquiridos em conjunto, acondicionados numa caixa. 

Continua após a publicidade

O trabalho de Werner resulta de persistente estudo da poesia homérica, desenvolvido durante sua atuação como professor de língua e literatura gregas na USP. Como era de se esperar, sua tradução é refletida e orientada por questões reiteradamente discutidas no campo dos estudos clássicos, como a natureza oral da composição homérica e o uso de expressões formulares, as quais, como observa, seriam um “meio expressivo intrínseco a uma forma tradicional de comunicação”, constituindo não “apenas um meio de expressão, mas de performance”. 

A antiga tradição da performance oral é, assim, um dos aspectos norteadores da tradução de Werner, que considera, para seus propósitos, a definição de fórmula como “um grupo de palavras repetido na mesma posição de um verso, ou um verso inteiro que reaparece em contextos que, em última instância, são similares”. O tradutor busca na manutenção das fórmulas o meio de trazer o mundo épico aos leitores de hoje, que teriam a oportunidade de “experimentar um distanciamento significativo de seu tempo, lugar e linguagem cotidiana por meio de uma combinação particular de familiaridade e estranheza”. 

Esse seria um modo, portanto, de contribuir para a eterna revivescência da poesia que é, ela mesma, “a permanência do mundo dos heróis”: “a poesia congela o momento da morte de um guerreiro cujo nome, sem ela, desapareceria”. O que resta a guerreiros como o troiano Heitor e o grego Aquiles, destinados à morte violenta, “é participar de um poema no qual essa violência é, de alguma forma, transformada em beleza”.

Como observa o também tradutor Trajano Vieira, professor de língua e literatura gregas na Unicamp, em seu prefácio à tradução da Ilíada por Haroldo de Campos (2003), Aquiles, quando apresentado – surpreendentemente – por Homero como aedo no canto 9 do poema, no qual canta e toca lira, “percebe que há equivalência entre a eternidade da poesia e a do guerreiro”. Para Vieira, “ambos, herói e poeta, trabalham para superar a transitoriedade. Daí a insistência homérica em afirmar, a todo instante, o caráter transtemporal dos feitos heroico e poético”.

Ao escolher o modo de recriar a poesia homérica, o tradutor expressa suas convicções sobre o que a torna “transtemporal”, e sua recriação perseguirá, portanto, o seu próprio caminho de permanência. No caso das traduções de Werner, busca-se, segundo ele, conferir-lhes as características principais de “clareza, fluência e poeticidade”. O tradutor considera que a estranheza a ser necessariamente propiciada pelo texto – pois quem o lê “precisa sentir que está entrando em um mundo muito diferente do seu”, já que a “linguagem homérica também era especial para os gregos” – não deve impedir que o leitor, uma vez familiarizado com a dicção empregada, “entre no mundo que está sendo recriado”. A “linguagem especial” utilizada na tradução caracteriza-se, principalmente, pelo uso de adjetivos compostos por justaposição, para reprodução dos epítetos (definidores de atributos de um herói ou uma divindade), como “treme-terra”, “caro-a-Ares”, “alvos-braços”, “doma-cavalo”. Tal expediente, diga-se, já fora usado, de maneira não uniforme como neste caso, por Haroldo de Campos (“treme-terra”, por exemplo, é epíteto de Poseidon na Ilíada haroldiana). Esse modo de formação difere das construções adjetivais que caracterizam a tradução de Odorico Mendes, por vezes considerada difícil, mas cujas concisão e inventividade contribuíram para a qualificação do tradutor como referência na história da recriação poética no país, após a revisão de sua obra empreendida por Campos. 

Quanto à poeticidade, Werner responde ao metro fixo do original – o hexâmetro datílico – com a proposta de criação de “certo ritmo discursivo” por meio da utilização de fórmulas e da decorrente distribuição de sintagmas no verso. Se é possível reconhecer alguma rítmica, em sentido amplo, presente no discurso, constata-se, também, a aproximação com a prosa e o distanciamento de um ritmo propriamente versificatório e da musicalidade a ele associada, tão perceptíveis na poesia grega. De certo modo, a proposição opõe-se a soluções como a de Carlos Alberto Nunes, que privilegiou a correspondência ao ritmo do verso grego. Também não se vale, muito, da sonoridade das palavras e das oportunidades de associação entre som e sentido exploradas nas traduções anteriores. Entendo que uma tradução deva ser apreciada, centralmente, considerando-se os objetivos a que se propõe: no caso desta, certamente a importância dada ao quesito “fluência” é determinante para o resultado obtido pela versificação livre.

Se há eficiência na concepção das expressões formulares, há também momentos que parecem acomodar-se a soluções menos criativas, caso desta expressão relativa ao mar, cuja qualidade sonoro-melódica foi destacada por Ezra Pound: no verso 34 do Canto 1 da Ilíada, Werner vale-se, para “polyphloísboio thalásses”, da solução antes adotada por Carlos Alberto Nunes: “mar ressoante”. Para tal expressão – mencione-se, ilustrativamente – Odorico usou “fluctissonantes praias” e Campos, “políssonas praias”. 

Os propósitos centrados na leitura fluente e na “reprodução do sentido do verso original no verso em vernáculo” não impedem, contudo, sequências esteticamente felizes como a desta fala de Agamêmnon a Nestor (Ilíada, 2, 370-374): “De novo vences os filhos de aqueus no discurso, ancião. / Oxalá, por Zeus pai, Atena e Apolo,/ tivesse eu dez conselheiros aqueus desse porte:/ então rápido se vergaria a cidade do senhor Príamo,/conquistada e pilhada por nossas mãos./Dores deu-me, porém, Zeus, o Cronida porta-égide/ que me lança em brigas e disputas infrutíferas./ Pois eu e Aquiles, por causa de uma jovem, pelejamos/com palavras confrontantes.”Ou a desta fala de Odisseu a Alcínoo, rei dos feácios (Odisseia, 13, 38-43): “Poderoso Alcínoo, insigne entre todos os povos,/conduzi-me, incólume, após libarem, e alegrai-vos./Pois já se completou o que meu caro ânimo queria,/condução e caros dons: que esses os deuses celestes/me tornem afortunados; em casa, a impecável consorte,/após retornar, eu encontre com os meus, ilesos.”

Assim como Odisseu, o polytropon – “Do varão me narra, Musa, do muitas-vias”, na forma adotada por Werner para o início da Odisseia –, a tradução propicia, para escolha de quem nela se embrenha, caminhos múltiplos. As recriações ora oferecidas ao leitor percorrem um trajeto com princípios, meios e fins definidos. Pelas possibilidades, além da fruição literária, de sua utilização didática como suporte à leitura do original – devido a suas características –, é lamentável que a edição não tenha enfrentado o desafio de ser bilíngue; fica a sugestão para chances futuras.

*MARCELO TÁPIA É POETA E ENSAÍSTA, DOUTOR EM TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA PELA USP

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Nova tradução da 'Ilíada' busca fluidez nos versos de Homero

Christian Werner adiciona sua versão às de Donaldo Schüler, Haroldo de Campos, Carlos Alberto Nunes e Manoel Odorico Mendes

Marcelo Tápia* - O Estado de S.Paulo

O tão distante mundo dos heróis está vivo: a poesia atribuída a Homero (séc. 8 a.C.)., que o presentifica, vem sendo renovada, ao longo do tempo, por sucessivas traduções. Deixando de lado as versões em prosa e as adaptações, contamos, hoje, com quatro traduções integrais em verso da Ilíada e cinco da Odisseia realizadas por brasileiros: Manoel Odorico Mendes (1799-1864) traduziu ambos os poemas em versos decassílabos; Carlos Alberto Nunes (1897-1990), ambos no metro original; Haroldo de Campos (1929-2003), a Ilíada em dodecassílabos; Donaldo Schüler, a Odisseia em versos livres; Trajano Vieira, a Odisseia em dodecassílabos; Christian Werner, os dois poemas em versos livres. 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Oferta por tempo limitado
Assine e tenha acesso ilimitado:
Estadão com até
90% de desconto
no primeiro mês
Assine agora
Já é assinante Estadão?
Clique para acessar área exclusiva
Entrar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.