Yan Bastos/Penalux
Yan Bastos/Penalux

'Nunca tive um olhar glamouroso para moda', diz Salma Soria, que lança contos sobre o tema

'Vestindo a Roupa Ouvindo a Máquina', livro de contos marca a estreia da estilista e usa a ficção para falar sobre a moda no Brasil 

Ícaro Malta, Especial para o Estadão

05 de agosto de 2021 | 15h00

Como muitas trabalhadoras, uma estagiária levanta antes do sol nascer, cruza um trecho da cidade onde o esgoto corre a céu aberto, e repete, diariamente, o mesmo blusão branco. Uma cena bastante comum para a realidade no nosso país, mas algo surpreendente para um livro que se passa em um universo de moda. O livro de contos Vestindo a Roupa Ouvindo a Máquina (Penalux), da estreante Salma Soria, une duas paixões da escritora, moda e literatura, e caminha pela ficção para retratar a realidade, diferente da maioria das publicações sobre o assunto, como textos científicos, biografias e livros fotográficos. 

“Eu passei minha adolescência escrevendo sobre moda, tive contato com designers incríveis e depois voltava para o subúrbio, na Baixada Fluminense, eu nunca tive um olhar glamouroso para moda”, revela a escritora  em uma conversa por Zoom com o Estadão. No Brasil, fica difícil imaginar um conto de fadas fashion, como o que ocorre com a Andy, do clássico O Diabo Veste Prada (2006). 

Maria, a protagonista do conto Enquanto Dizemos Beleza, combina o blusão branco com um chapéu emplumado enquanto critica o ultra fashion e o consumo exagerado. Um discurso que poderia facilmente dito pela própria Salma e replicado nas redes sociais da geração Z, que, ironicamente, dita as tendências atuais.“Eu nunca me permiti olhar para a moda como escapismo”, afirma. 

Salma recorre a diferentes gêneros textuais para costurar a obra. Brinca com o leitor ao interromper a escrita com propagandas de produtos que não existem, emulando a maneira que nossos olhos são atraídos pelas peças publicitárias no metrô ou escreve uma reportagem fictícia que seria publicada no futuro. Os artifícios, além de manterem o leitor agarrado ao livro, ajudam a mostrar que as relações de consumo estão mudando. “Em um dos contos, uma personagem, que é estilista, vai acabar se questionando: ‘será que importa mesmo a visualidade da moda? Só a visualidade da moda importa? Será que a gente não pode questionar de onde vem a matéria-prima, para onde vão esses impostos, se as condições de trabalho desses funcionários é digna ou não’”, conta Salma. 

A estilista continua “fazendo roupa e escrevendo”, mas a sua relação com o mercado fashion foi mudando durante os 12 anos em que escreveu o livro. “A moda que nos foi dada, era uma moda de consumo, que dita o que você tem que consumir. Hoje ocorrem muitos movimentos importantes que repensam isso, preocupados com a desigualdade social, com os recursos naturais… Eu tive que atrelar minhas histórias a isso”, conta. 

Fica cada vez mais difícil pensar no glamour em torno de marcas, estilistas e modelos e não pensar nos impactos do consumo exagerado. A indústria da moda é responsável por 8% da emissão de gás carbônico na atmosfera, ficando atrás apenas do setor petrolífero. Uma das fibras mais utilizadas no mercado fashion, o poliéster, é responsável pela emissão anual de 32 das 57 milhões de toneladas globais que o setor produz. 

O livro também tem a ingrata missão de atrair o mundo da literatura, que costuma ver o mundo da moda com frieza e distanciamento. “Eu sempre transitei em outros meios, em núcleos de estudos universitários, curso semiótica, filosofia, design e no fim das contas eu era a menina da moda. Existe um grande preconceito em relação à ideia de moda, e espero que [o livro] ajude a mudar um pouco essa ideia de que a moda é uma coisa menor, porque não é”, defende. 

Mesmo recheado de críticas, o livro ainda é uma carta de amor à moda. “É uma crítica de amor, a gente só critica aquilo que ama. E eu amo a moda, tanto quanto amo a literatura”, conta. Vestindo consegue ser ao mesmo tempo ácido e elogioso, é como assistir um desfile, existe beleza, mas existe algo a mais, uma ideia a ser passada. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaSalma Sorialivro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.