O Cavalo de Troia do parlamentarismo

O afastamento de Dilma Rousseff pode ser entendido como um acordo jurídico perfeito ou um golpe urdido por políticos derrotados?

Luiz Felipe de Alencastro, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2016 | 06h00

Luiz Felipe de Alencastro

O atual impasse político traz as cicatrizes das tensões que o País atravessou. De saída, há a inconsistência da legislação sobre o impeachment. Daí nasceu o debate sobre o voto da Câmara em 17 de abril e o subsequente voto do Senado. Trata-se de um ato jurídico perfeito, ou de um golpe parlamentar dos derrotados nas eleições presidenciais? Até a decisão de 17/12/2015 do STF persistiram dúvidas sobre a legalidade da destituição da presidente. O julgamento do STF interveio em resposta a uma ADPF(Arguição de descumprimento de preceito fundamental) do PC do B. O partido contestava o impeachment, apontando a ausência de legislação específica sobre o tema.

No arrazoado da ADPF estava citada a decisão de 2011 do STF: “a definição das condutas típicas configuradoras do crime de responsabilidade e o estabelecimento de regras que disciplinem o processo e julgamento dos agentes políticos federais devem ser tratados em lei nacional especial”. O Acórdão precisava ainda que, na ausência de legislação votada pelo Congresso, a Lei de 1950 configurava “a lei nacional especial” sobre o crime de responsabilidade do Executivo. No Acórdão há uma longa discussão sobre o crime de responsabilidade, mas não há referência à definição das regras processuais seguidas no impeachment de Collor. O julgamento de 2011 é importante porque ocorreu num contexto de calmaria política. Dizia respeito a um ponto de Direito que não arbitrava nenhuma crise institucional.

Porém, na decisão de 17/12/2015 sobre o impeachment, o STF referiu-se às regras da destituição de Collor para dar maior segurança jurídica à Lei de 1950. Desse modo, o STF declarou “constitucionalmente legítima a aplicação analógica” da Lei de 1950 sobre o impeachment. Tal é o fundamento legal das votações a favor da destituição no Congresso – cujo lado circense escancarou-se aos olhos de todos –, e do governo Temer. A nota enviada às embaixadas brasileiras como defesa do governo em exercício, menciona a decisão de 17/12/2015.

Ora, como demonstrou Rafael Mafei Rabelo Queiroz, professor de Direito da USP, num artigo publicado neste jornal, a Lei de 1950 constitui um “cavalo de Troia parlamentarista”. Redigida por Raul Pilla, propagandista do parlamentarismo, a Lei de 1950 –, misturando princípios doutrinários e vendeta anti-varguista –, multiplicou os motivos de destituição do presidente. Passado mais de meio século, a obsolescência da Lei de 1950 acentuou-se com os dois plebiscitos que reiteraram o presidencialismo (1963 e 1993) e com o sufrágio presidencial de dois turnos. Sua “aplicação analógica” no contexto atual provocou um desastre.

A responsabilidade do STF no desastre é limitada. O Congresso nunca atualizou a Lei de 1950. Como sentenciou Paul Ricoeur, numa frase muito citada na Itália e que se aplica ao caso brasileiro: “O Judiciário é empurrado para a linha de frente pelas instituições políticas em vias de decomposição”. Sucede que as manobras de Temer abalaram ainda mais as instituições. É notório que sua legitimidade é a mais rala dentre os vice-presidentes chegados à presidência no período pós-ditatorial. Sarney beneficiava-se do clima favorável que precedeu e sucedeu a Constituinte. Itamar Franco derrubou a inflação e foi favorecido pelo deslocamento do foco político para o plebiscito de 1993 e para a candidatura de FHC ao Planalto. Temer faz frente a uma conjuntura bem mais adversa.

Para começar, ele rompeu com a prática constitucional das presidências FHC e Lula que deu um papel figurativo ao vice-presidente. Cumprira-se o artigo 77 da Constituição: a eleição do vice-presidente decorre da eleição do presidente. Sua legitimidade é derivada e não originária. Em seguida, Temer é considerado desleal pela presidente, por milhões dos cidadãos que a elegeram e por muitos que votaram em Aécio. Mais adiante, paira o espectro da candidatura Lula, o melhor presidente do país para 40% dos brasileiros e cujas intenções de voto subiram para 21%, empatando com Marina Silva no primeiro lugar das preferências para a presidencial de 2018 (sondagem de 11/4/2016).

Neste contexto, Michel Temer, líder de um partido que carrega o paradoxo de ser o maior do país em número de prefeitos, sem ter concorrido à presidência desde 1994, pode embarcar na aventura parlamentarista. A possibilidade é aventada desde 2009, quando se anunciou a chapa Dilma Rousseff-MichelTemer.

A lei de 1950 continha antídotos ao castilhismo gaúcho, defensor de um executivo forte, que muitos da geração de Pilla viam reencarnar-se em Getúlio. Quem quiser escrever um ensaio intitulado “Fundamentos maragatos do golpe parlamentar de 17 de abril de 2016”, deve ler o artigo de Rafael Mafei no Estadão. Porém, Raul Pilla defendia o parlamentarismo tradicional onde o governo é exercido pelo Parlamento e o presidente, eleito pelo voto indireto, tem apenas um papel representativo. Os neoparlamentaristas brasileiros não ousam propor a supressão da presidencial direta. Optam pelo regime semipresidencialista que tem a Constituição da França como modelo paradigmático.

Mas há um enorme problema, não equacionado no plebiscito de 1993, que deve ser de novo debatido. Em nenhum regime semipresidencialista do mundo, passou-se de um presidencialismo integral (como o nosso) para o regime com a mescla parlamentarista. Na realidade, aconteceu o inverso: num regime parlamentarista bem assentado foi introduzida a eleição presidencial direta. Operação bem mais simples do que a aventura discutida por presidenciáveis que não conseguem chegar ao Palácio do Planalto pelas eleições diretas, pela via reiteradamente aprovada pelo povo brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.