Bildgalerie im Park Sanssouci
Bildgalerie im Park Sanssouci

'O Filho do Homem', de Mauriac, volta em edição especial

Livro do Nobel de Literatura de 1952, publicado pela primeira vez em 1936, é republicado na Coleção Clássicos de Ouro, da Editora Nova Fronteira

José Maria Mayrink, O Estado de S. Paulo

21 de setembro de 2019 | 16h00

Prêmio Nobel de Literatura em 1952, o escritor francês François Mauriac teve seu ensaio O Filho do Homem (de 1936) publicado pela primeira vez no Brasil em 1962, pela editora Agir, hoje propriedade de Nova Fronteira, que reedita a obra. A tradução é de Teresa de Araújo Penna, nas duas edições. Nascido em 1885, na cidade de Bordeaux, já então conhecido por seus romances, firmava-se na opção por produções de caráter reflexivo-religioso, inspirado pela espiritualidade de autores como Pascal e Paul Claudel. Em 1936, às vésperas de estourar a 2ª. Guerra, Mauriac lançou Vida de Jesus. Ao escrever essa biografia, impressionou-se com os “traços marcantes” de Cristo, de Nazaré ao monte Calvário, conforme revelaria em O Filho do Homem.

Mauriac foi autor capaz de um “mergulho instantâneo na superfície espessa da consciência”, escreveu o poeta Carlos Drummond de Andrade, que traduziu e prefaciou um dos livros do autor, o romance Thérèse Desqueyroux. Na avaliação do crítico literário Otto Maria Carpeaux, foi “o maior representante do romance psicológico de tradição francesa”. Esses elogios contribuíram, com certeza, para a Nova Fronteira relançar, depois de 61 anos, a segunda edição de O Filho do Homem. “Conjugando a temática religiosa com uma sensibilidade acima da média, a obra retorna agora às livrarias como parte da coleção Clássicos de Ouro”, justifica a editora sobre a edição especial e limitada.

São seis capítulos nos quais Mauriac enumera, em ordem cronológica, os temas de suas reflexões sobre o Deus que se fez homem. “Os mistérios sucedem-se como numa segunda narrativa implícita no que cala o texto bíblico: o mistério da infância de Jesus, os 30 anos de ‘uma vida oculta’, o mistério da cruz, o corpo místico, o mistério do sacerdócio”, escreve a escritora e crítica literária Mariana Ianelli. E mais: “Mauriac procura no homem aquele reduto da alma frequentemente esquecido e que, no entanto, existe par a par com a realidade”.

De Belém à ressurreição, Jesus, que é Deus, mostra sua face humana àqueles que o procuram. Mauriac reconhece, em sua busca, os traços marcantes do filho do homem do menino da gruta de Belém, o jovem operário de Nazaré, o mestre que prevê e aceita a morte na cruz, o evangelizador que prega o amor e o perdão, a força de Cristo nas primeiras comunidades cristãs e – uma reflexão surpreendente do autor – o sacerdote como um alter Christus, outro Cristo – que perpetua na eucaristia a presença de Jesus pela transformação do pão e do vinho em seu corpo e sangue.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.