O Plano Zelaya

As consequências do abrigo diplomático concedido pelo Itamaraty ao presidente hondurenho, derrubado por um golpe no mês de junho, são o tema de análise do professor, escritor e ex-chanceler mexicano Jorge Castañeda. "Ditador ou governante deposto na América Central não podem arrastar em sua defesa um gigante regional como o Brasil". E alerta: se o País aspira ao Conselho de Segurança da ONU, então governo que o representa não pode nem aparentar cumplicidade com radicais. Seja Chávez, Castro ou Ahmadinejad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.