O que passou

GOLPE DERRUBA PRESIDENTE AFRICANO

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2009 | 23h21

Após o palácio presidencial ter sido invadido por tropas do Exército, o presidente de Madagáscar, Marc Ravalomanana, entrega o cargo aos militares. O líder da oposição, Andry Rajoelina, tomou o poder. Apenas um golpe de Estado como esse poderia ter levado Rajoelina, de 34 anos, ao topo da política local. A Constituição do país estabelece que os presidentes tenham pelo menos 40 anos para ocupar o posto.

CLODOVIL MORRE AOS 71 ANOS

Vítima de um acidente vascular cerebral, o deputado, estilista e apresentador Clodovil Hernandes, de 71 anos, morre em Brasília. Após ser encontrado desmaiado ao lado de sua cama, na madrugada de segunda-feira, ele foi levado ao hospital e submetido a uma drenagem de sangue do cérebro. Seu estado de saúde se agravou depois de uma parada cardiorrespiratória, quando ele entrou em coma. Na última eleição para a Câmara, teve 493.951 votos - a terceira maior votação do Estado.

PF INDICIA PROTÓGENES POR DOIS CRIMES

Mentor da Operação Satiagraha, o delegado Protógenes Queiroz é enquadrado pela Polícia Federal. Ele foi indiciado por quebra de sigilo funcional e violação da Lei de Interceptações. Protógenes teria sido responsável pelo vazamento de dados secretos da Satiagraha - investigação federal contra o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity. Cabe ao Ministério Público Federal oferecer ou não a denúncia contra o delegado.

STF MANTÉM ÁREA INDÍGENA CONTÍNUA

O Superior Tribunal Federal ordena a saída imediata de arrozeiros que ocupam áreas dentro da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima. Por 10 votos a 1, o tribunal decidiu que somente os índios podem ocupar a região. Além disso, a corte fixou regras - uma espécie de estatuto - para futuras demarcações indígenas. Já o uso da força policial para retirar os arrozeiros que descumprirem a ordem não foi discutido na pauta.

GREVE GERAL MOBILIZA FRANCESES

Funcionários públicos e trabalhadores de empresas privadas organizam a maior jornada de protestos na França (foto) desde o início da crise econômica mundial, em setembro de 2008. Mais de um milhão de pessoas foram às ruas. Eles marcharam contra o desemprego, o fechamento de fábricas e melhores salários.

SENADO CORTA 50 DIRETORES

Em um ato político para responder à onda de escândalos que envolve o Senado - como o pagamento de R$ 6,2 milhões em horas extras e uso irregular de passagens aéreas -, 50 dos 181 diretores da Casa são exonerados. A dispensa dos funcionários representa uma economia mensal de R$ 400 mil. A permanência das outras 131 diretorias continuará a produzir gastos estimados em R$ 1,048 milhão por mês e, num prazo de um ano, R$ 12 milhões. O primeiro-secretário, o senador Heráclito Fortes, prometeu mais demissões para esta semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.