O que passou

JORNALISMO NACIONAL PERDE JOEL SILVEIRAO premiado jornalista Joel Silveira morre no Rio, aos 88 anos. Ele sofria de câncer de próstata e, segundo familiares, não quis tratar a doença. Silveira tornou-se uma estrela do jornalismo brasileiro nos anos 40. Na reportagem Grã-Finos em São Paulo, publicada no semanário Diretrizes em 1943, ele apresentou sua impressão da high-society paulistana em uma narrativa irônica e debochada que rendeu-lhe o apelido de "Víbora" - dado pelo dono dos Diários Associados, Assis Chateaubriand, para quem foi trabalhar pouco tempo depois. Sua mais marcante missão como repórter foi cobrir a 2ª Guerra Mundial. Em 60 anos de jornalismo, atuou em grandes veículos, entre eles o Estado, e publicou mais de 40 livros.TERREMOTO MATA MAIS DE 500 NO PERUUm tremor de 8 graus na escala Richter atinge o Peru, deixando pelo menos 510 mortos e mais de 1.500 feridos. As regiões mais afetadas são as cidades de Ica, Lima e Chinca, mas os efeitos são sentidos nos Andes e até na selva peruana, do outro lado da cordilheira. Casas, pontes e pelo menos duas igrejas desabam (foto). Grandes rachaduras se abrem na Rodovia Panamericana, que corta todo o continente, dificultando o acesso do resgate. Na sexta, um tremor secundário de magnitude 6 na escala Richter sacode novamente o país e dificulta as operações de busca às vítimas. Especialistas afirmam que os tremores secundários podem durar semanas até que a atividade sísmica volte ao normal. Os moradores enfrentam falta de energia elétrica, água e comida.RENAN ENFRENTA TERCEIRO PROCESSOA Mesa do Senado decide encaminhar ao Conselho de Ética a acusação de que o presidente da Casa, Renan Calheiros, teria comprado, em sociedade oculta com o usineiro e ex-deputado João Lyra, um jornal e duas emissoras de rádio em Alagoas. É a terceira representação contra Renan por quebra de decoro parlamentar, o que diminui suas chances de escapar da cassação.BOVESPA DESPENCA E DÓLAR DISPARAA crise nos mercados internacionais que teve início em 26 de julho se agrava e causa reflexos no Brasil. O índice Bovespa despenca 8,82%, mas, graças à melhora das bolsas de Nova York, fecha em queda de apenas 2,58%. O dólar dispara 3% e chega a R$ 2,092. O risco Brasil avança 12,5%, para 225 pontos. Na sexta, a decisão do Federal Reserve (o banco central dos EUA) de reduzir a taxa de juros cobrada em empréstimos a instituições financeiras acalma os mercados. As bolsas sobem nos EUA e no Brasil. O dólar cai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.