O que passou

Empresas ignoram

O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2010 | 01h20

Lei do Telemarketing

O Procon de São Paulo autua nove empresas por desrespeito ao Cadastro para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing: Bradesco, Citibank, Santander, Beach Park, Filtros Europa, NET, Oficial Listas Telefônicas, Ossel e Telefônica. Dos 300 mil consumidores cadastrados no site do órgão para não receber ligações com ofertas de produtos e serviços, 2.069 registraram reclamações. As empresas autuadas terão 30 dias para se manifestar. Se, depois de analisar a defesa, o Procon entender que elas não têm razão, terão de pagar multa de até R$ 3,2 milhões, conforme o Código de Defesa do Consumidor.

23,5 mil estudantes sem o Bolsa-Família

O governo federal cancela benefícios do Bolsa-Família por falta de frequência mínima à escola de 23,5 mil estudantes que participavam do programa. Para receber o benefício estudantes de até 15 anos devem comparecer a pelo menos 85% das aulas. E os jovens entre 16 e 17 anos, a 75%. Antes de terem o benefício cancelado, as famílias são notificadas. Até segunda-feira, 19, 189.202 famílias haviam sido advertidas sobre a baixa frequência de seus filhos; 94.640 benefícios haviam sido suspensos por 60 dias e 100 mil haviam sido bloqueados.

Jobson confessa uso de crack e é suspenso

O ex-atacante do Botafogo Jobson, de 21 anos, é suspenso por dois anos por uso de cocaína, substância flagrada no exame antidoping realizado nos dias 8 de novembro e 6 de dezembro, durante o Campeonato Brasileiro. Em seu depoimento à Justiça desportiva, no Rio de janeiro, Jobson negou ter usado cocaína, mas admitiu que fumou crack. Nervoso, não soube responder aos juízes do STJD se é viciado. "Utilizei (a droga) mais de uma vez, por isso não posso dizer se sou ou não", afirmou. A defesa do jogador alegou que ele precisava de acompanhamento médico e não de punição.

Brasil decide extraditar major da Condor

O Supremo Tribunal Federal decide extraditar para a Argentina o major uruguaio Manuel Cordero Piacentini, de 71 anos, acusado por um juiz de Buenos Aires de crimes de lesa-humanidade cometidos durante a Operação Condor, esquema de repressão das ditaduras sul-americanas na década de 70. Piacentini é um dos acusados do desaparecimento de pelo menos dez pessoas e sequestro de um bebê. Quando agentes da Polícia Federal foram a sua casa, em Santana do Livramento (RS), para executar a ordem de extradição, Piacentini alegou um mal súbito e foi levado para hospital. O médico que supervisionava seu caso recomendou que ele fosse transferido para um hospital em Porto Alegre. Entidade de direitos humanos dizem que a medida é uma tentativa de retardar a extradição.

Novos terremotos assustam haitianos

Novo terremoto de 6,1 graus de magnitude na escala Richter atinge o Haiti. Essa foi a réplica mais forte do tremor do último dia 12, de acordo com o Serviço de Pesquisa Geológica dos EUA. Na sexta-feira mais terremotos foram sentidos na capital Porto Príncipe, o maior com magnitude de 4,4 graus. Muitas pessoas têm dormido ao relento com medo de novos tremores. Nessa semana, outros países do continente americano também foram atingidos por terremotos. Só a Argentina registrou três - de 4,3, 4,6, e 5,1 graus na escala Richter. As Ilhas Cayman registraram um de 5,8. E na semana passada a Venezuela sentiu um de tremor de 6,2 graus, que deixou 14 pessoas feridas.

ONU admite erro sobre derretimento

Cientistas responsáveis pelo relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU admitem erros na previsão do derretimento das geleiras do Himalaia. Publicado em 2007, o relatório ganhou o Nobel da Paz daquele ano juntamente com o ex-presidente norte-americano Al Gore, idealizador do documentário Uma Verdade Inconveniente. A previsão do desaparecimento das geleiras do Himalaia até o ano de 2035 (centenas de anos mais cedo do que os dados realmente indicam) estava mal fundamentada cientificamente, admitiu o IPCC. Um dos erros mais grosseiros, aparentemente, foi a inversão do ano 2350 para 2035. Os céticos do aquecimentos global aproveitaram a oportunidade para questionar a credibilidade do IPCC e pedir o cancelamento do Nobel.

Menina de 7 anos é rainha da Viradouro

A escola de samba Viradouro do Rio de Janeiro elege uma menina de apenas 7 anos para o posto de maior destaque do carnaval. Júlia Lira, filha do presidente da escola, Marcos Lira, será a mais nova rainha da bateria da agremiação. Suas antecessoras mais celebradas foram Luma de Oliveira e Juliana Paes. A maior preocupação da escola no momento é confeccionar uma fantasia que ressalte a inocência da criança. "Não queremos transformar a Júlia numa mulher" diz o carnavalesco Edson Pereira. Para ele, a menina é a nova Raíssa Oliveira do samba, referindo-se a rainha da bateria da Beija-Flor que assumiu o posto com apenas 12 anos e hoje, aos 20, continua à frente da bateria da escola.

Menino ferido com agulhas recebe alta

O menino de 2 anos e 8 meses que estava com 31 agulhas no corpo recebe alta do Hospital Ana Neri, em Salvador (BA), após 36 dias internado. O garoto saiu do hospital nos braços da mãe, a doméstica Maria de Souza Santos (foto central) e viajou em avião da PM de volta para Ibotirama, onde mora a família. No total, foram três cirurgias que resultaram na extração de 22 agulhas. Ainda há fragmentos de agulha no corpo da criança, mas a remoção não é necessária. A principal preocupação da equipe médica agora é com o acompanhamento psicológico da criança. O ex-padrasto do menino, Roberto Carlos Magalhães, confessou que teria usado o garoto em um ritual de magia negra com a ajuda de outras duas mulheres, uma supostamente sua amante. Magalhães responde a acusação do Ministério Público do Estado da Bahia por tentativa de homicídio qualificado. A amante também deve ser réu no processo.

Petrobrás cria gigante petroquímico

A Braskem, controlada por Odebrecht e Petrobrás, anuncia a compra da Quattor. O negócio cria uma gigante da petroquímica, que terá receita de R$ 25,8 bilhões, 26 fábricas e produção de 5,5 milhões de toneladas de resina por ano, o que a coloca na 8.º posição do ranking mundial do setor. A Petrobrás terá 49,9% da nova empresa, e a Odebrecht, 50,1%. O negócio criou novo monopólio nacional na produção de resinas termoplásticas, o que preocupa os produtores de plásticos. O setor quer a redução de taxas de importação de resina - hoje na faixa dos 14% - para que os produtores estrangeiros possam competir com a nova companhia. A transação será analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.