O que passou

No Brasil, Hillary Clinton discute o Irã

O Estado de S.Paulo

07 de março de 2010 | 01h17

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em visita ao País, insinua à imprensa que o Irã está manipulando o Brasil, a Turquia e a China e defendeu novas sanções da ONU contra Teerã. Em contrapartida, o chanceler Celso Amorim insistiu que, quanto ao programa nuclear iraniano, é preciso estabelecer negociações diplomáticas. Outros assuntos na agenda de Hillary foram a censura às liberdades individuais do governo da Venezuela e o lobby a favor dos caças F-18 Super Hornet, da empresa americana Boeing.

Cineasta iraniano é levado pela polícia

Jafar Panahi, cineasta premiado internacionalmente por seus filmes sobre críticos da República Islâmica, foi tirado à força de sua casa pela polícia iraniana. Cerca de 15 pessoas estavam na casa de Panahi quando ele foi levado por policiais, com a mulher e a filha. Um procurador da Justiça confirmou a prisão, mas disse que não tinha "motivação política" sem dar maiores explicações. O filho de Jafar, Panah Panahi, desmentiu a informação de que seu pai estaria rodando um documentário sobre a onda de protestos em junho de 2009 sem a autorização do governo.

Morre o compositor e cantor Johnny Alf

O cantor ficou conhecido pelas músicas Eu e a Brisa, Ilusão à Toa e Rapaz de Bem. Esta última deu nome a seu disco de estreia, considerado por especialistas como o primeiro álbum de bossa nova, estilo que só receberia esse nome oito anos mais tarde com o Chega de Saudade, de Tom e Vinicius. Em 40 anos de carreira, Johnny Alf gravou 13 álbuns. Seu último show foi em agosto de 2009, no Teatro do Sesi, em São Paulo, com a amiga Alaíde Costa. Johnny Alf morreu em Santo André, São Paulo, aos 80 anos de idade. Sofria de câncer de próstata havia mais de três anos. No começo da semana, sua situação se agravou.

Supremo vota por manter Arruda preso

Com uma derrota esmagadora de 9 a 1, o Supremo Tribunal Federal decide manter preso o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. O único ministro a votar a favor de Arruda foi José Dias Toffoli, que argumentou que para prendê-lo o STJ precisaria de autorização prévia da Câmara Legislativa. Os demais ministros avaliaram que Arruda, se libertado, pode comprometer as investigações da Polícia Federal. Na sexta-feira, Arruda recebeu notificação oficial do processo de impeachment, aberto pela Câmara Legislativa do DF.

Princesa do Japão é vítima de bullying

A princesa japonesa Aiko, de 8 anos, está com sintomas de estresse emocional causado pelo assédio de colegas da renomada escola Gakushuin, em Tóquio.

Aiko teve que abandonar o colégio depois do bullying de um grupo de meninos. O

caso levou o palácio imperial a intervir no colégio e pedir aos diretores da instituição que solucionem o problema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.