O que passou

SEG. 7/1

O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2013 | 02h06

Obama renova chefia da

segurança americana

O presidente dos Estados Unidos,

Barack Obama, nomeia Chuck Hagel (ex-senador republicano e veterano condecorado da Guerra do Vietnã) para chefiar o Pentágono, e John Brennan (principal conselheiro antiterrorismo do presidente para Segurança Nacional) para dirigir a CIA. Eles substituirão Leon Panneta (secretário de Defesa desde 2011) e David Petraeus (general que renunciou à agência americana após o FBI revelar o affair com sua biógrafa, Paula Broadwell). Ao lado do senador democrata John Kerry, nomeado pelo presidente no mês passado para substituir Hillary Clinton como secretário de Estado, Hagel e Brennan deverão reformular a agenda de segurança nacional no segundo mandato de Obama. No entanto, suas indicações ainda devem ser confirmadas pelo Senado americano.

TER. 8/1

Laudo confirma causa da morte de Amy Winehouse

Novo inquérito confirma que a causa da morte de Amy Winehouse (foto) foi consumo excessivo de bebida alcoólica. A cantora britânica foi encontrada morta aos 27 anos em sua casa em Londres, em julho de 2011. A investigação foi reaberta em dezembro de 2012, após suspeitas sobre a legista australiana Suzanne Greenaway, que fez o primeiro inquérito. Agora, a questão parece encerrada: os resultados do novo laudo foram idênticos aos do primeiro. QUA. 9/1

Assad liberta mais de

2 mil prisioneiros civis

Após um acordo inédito com os rebeldes desde o início da guerra civil na Síria, o presidente Bashar Assad decide libertar 2.130 prisioneiros civis, em troca da libertação de 48 iranianos que estavam em poder dos insurgentes desde agosto de 2012. Segundo o Exército Sírio Livre, os iranianos foram capturados por pertencerem à Guarda Revolucionária, a força pretoriana da república islâmica, aliada de Assad (informação desmentida por Teerã). O acordo foi mediado por organizações humanitárias e os governos da Turquia e Catar (apoiadores dos rebeldes) e do Irã (principal aliado do ditador). Opositores acusam o governo de ainda deter dezenas de milhares de presos políticos encarcerados durante os 12 anos de Bashar Assad no poder e afirmam que o número disparou nos 21 meses de guerra civil.

QUI. 10/1

Jorge Selarón é encontrado morto em escadaria do Rio

Autor do famoso mosaico de cerâmica na escadaria do Convento de Santa Teresa, no centro do Rio, o artista plástico chileno Jorge Selarón (foto) foi encontrado morto, na madrugada de quinta-feira, na própria escadaria. Ainda não há informações sobre as circunstâncias da morte, mas suspeita-se que o chileno estivesse recebendo ameaças de um antigo colaborador de seu ateliê. Pintor e ceramista, Selarón se mudou na década de 1990 para o Rio. O trabalho na escadaria de 205 degraus, no convento situado entre os bairros da Lapa e Santa Teresa, foi tombado em 2005. Nos últimos meses, o local se tornou ponto de tráfico de drogas.

SEX. 11/1

Comissão recebe 1º relato de tortura fora da ditadura

Ativa desde maio de 2012, a Comissão Nacional da Verdade recebe o primeiro relato de uma vítima de violação de direitos humanos fora do período da ditadura militar (1964-1985). Em depoimento em novembro de 2012, o empresário Boris Tabacof, de 84 anos, revelou torturas sofridas ao ser preso na Bahia, por motivos políticos, em outubro de 1952. A prisão ocorreu no governo de Getúlio Vargas (1951-1954). À época, Boris Tabacof era membro do Partido Comunista Brasileiro e dava suporte a militantes que atuavam dentro das Forças Armadas. Além dele, mais um civil e 28 militares foram presos na operação que pretendia desmantelar a infiltração comunista na época.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.