O que pensam os especialistas

Veja também:Alckmin deve abrir mão de sua candidatura em favor de Kassab?   "Alckmin atrelou seu futuro político à candidatura e não pode mais recuar"VALERIANO COSTA CIENTISTA POLÍTICO E PROFESSOR DA UNICAMPMinha resposta é não. Na verdade, Alckmin atrelou de tal forma seu futuro político a essa candidatura que não tem mais como recuar. E, mesmo que obtenha a candidatura na convenção, ainda enfrentará o "fogo amigo" das duas maiores máquinas políticas do Estado: a Prefeitura de São Paulo, do candidato Gilberto Kassab, e o governo estadual, controlado por José Serra, cujo horizonte é a eleição presidencial de 2010. O mais paradoxal é que uma improvável vitória de Alckmin na eleição de outubro prejudicaria também a estratégia do PSDB para a eleição presidencial. De um lado porque afastaria de vez os democratas de uma possível aliança nacional. De outro porque enfraqueceria Serra na sua disputa com Aécio Neves pela vaga do PSDB em 2010, tornando ainda mais acirrada a disputa interna. Uma retirada estratégica (da candidatura) em nome da unidade partidária seria a melhor saída. Mas, a essa altura da disputa, seria também um suicídio político. Alckmin enfiou-se numa verdadeira sinuca de bico. >>"Uma razão poderia ser tentar evitar a vitória de um candidato petista" LEÔNCIO MARTINS RODRIGUESCIENTISTA POLÍTICO E EX-PROF. TITULAR DA USP E DA UNICAMPA indagação envolve um elemento valorativo forte, embora não explicitado, que orientaria as respostas. Os favoráveis a Kassab tenderiam a dizer sim; os favoráveis a Alckmin tenderiam a dizer não ou por quê? Um cientista político, no entanto, deveria tentar responder de modo mais neutro. No caso, seria necessário saber por que Alckmin deveria favorecer a candidatura de Kassab. Uma razão poderia ser: para evitar a vitória de um candidato petista. Estabelecido o motivo, e supondo que Alckmin devesse se sacrificar para tanto, poder-se-ia discutir de modo mais racional se, de fato, a desistência do político do PSDB favoreceria o do DEM. Com esses pressupostos, inclino-me a acreditar que, efetivamente, se Alckmin abrisse mão de sua candidatura, Kassab seria beneficiado, o que é diferente do que dizer que o tucano deveria sair da disputa. Mesmo assim, pode-se indagar se, dada a meta de derrotar o PT, não seria melhor duas candidaturas adversárias, as quais provavelmente aumentariam as chances de um segundo turno, no qual o PT seria derrotado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.