O que pensam os especialistas

?Se a passagem for proibida, o número de ocorrências vai aumentar?

O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2009 | 22h44

LUCAS PIMENTEL

PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MOTOCICLISTAS

Somos contrários à proibição de circulação de motocicletas nos corredores entre os veículos por questões de segurança. Transitar no corredor não é um fator determinante para o envolvimento do motociclista em acidentes. Alertamos que se essa lei for aprovada, o número de ocorrências vai aumentar. Atrás do carro, o motociclista não tem campo de visão adequado. Sem contar que a 60km/h, a motocicleta gasta cerca de 30 metros para efetuar a frenagem total. Isto é, as colisões traseiras serão frequentes. É improvável que o motociclista transite a uma distância segura de 20 metros do veículo à frente. O ideal é criar faixas exclusivas para motocicletas. Onde isso não for possível, propomos regulamentar a circulação de motos entre as faixas 1 e 2. A principal causa de ocorrências de trânsito é o desrespeito à legislação. Há também o despreparo de motociclistas em razão do ineficiente processo de habilitação. Com a aprovação da Resolução 285 do Conselho Nacional de Trânsito, que prevê regras mais rígidas para a obtenção da habilitação, espera-se que o processo seja aprimorado.

?Uma lei que preserva a vida tem prioridade sobre outros dispositivos?

JOSÉ ALMEIDA SOBRINHO

PROFESSOR DA ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DE SÃO PAULO

A segurança no trânsito diminuiu nitidamente nas últimas décadas e o número de acidentes com moto cresceu de forma geométrica. O projeto de lei que proíbe motos nos corredores entre carros vem em boa hora. Uma lei que preveja a manutenção da vida tem prioridade sobre outros dispositivos que não tratem desse assunto. Qualquer argumentação contra o projeto, seja por interesses profissionais ou econômicos, é fraca diante da necessidade de preservar vidas. Na realidade, a proibição de motos circularem nesses corredores já existe, mas de forma indireta. Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, a prática de ultrapassar pela faixa da direita é proibida. Com a aprovação desse projeto de lei, a penalidade será aplicada taxativamente a motos. Assim, uma regra que constava no código de 1997 e foi vetada à época será restaurada. Se por um lado vamos precisar de altos investimentos para reorganizar a circulação de veículos na cidade, por outro, o registro das infrações graves - que contribuem para acidentes fatais - vai diminuir expressivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.