GEM Entertainment
GEM Entertainment

Primeira cineasta da Arábia Saudita filma biografia de Mary Shelley

Obra-prima da autora, 'Frankenstein', completa 200 anos em 2018

Alexandra Alter, The New York Times

02 Junho 2018 | 16h00

Não havia cinemas na Arábia Saudita quando Haifaa al-Mansour crescia em Al Hasa, uma cidade tranquila e conservadora na Província Oriental, nos anos 1970 e 1980. Havia uma loja de vídeos, mas ela não podia entrar – só os homens podiam. Então ela ficou do lado de fora, folheou um catálogo e fez a seleção do que um funcionário pegaria para ela. Foi assim que se apaixonou por filmes da Disney, de Jackie Chan e musicais de Bollywood, e decidiu que queria ser cineasta.

+No bicentenário de 'Frankenstein', livros analisam legado de Mary Shelley

As coisas mudaram radicalmente desde então. As mulheres sauditas agora podem votar e concorrer em eleições municipais; receberam recentemente o direito de dirigir; e no mês passado, o governo suspendeu a proibição de frequentar os cinemas, exibindo o blockbuster de Hollywood Pantera Negra.

+A influência de 'Frankenstein' em 'Blade Runner'

Al-Mansour, de 44 anos, teve seu papel nessa transformação cultural. Ela estudou cinema na Universidade de Sydney, e fez vários curtas e um documentário bem-recebido, Women Without Shadows (Mulheres Sem Sombras), sobre a vida das mulheres nos países do Golfo Pérsico. Seu filme de 2012, O Sonho de Wadjda, sobre uma menina em Riad que quer comprar uma bicicleta para poder competir como os meninos, foi inovador em várias frentes: foi o primeiro longa inteiramente filmado na Arábia Saudita, e o primeiro dirigido por uma mulher saudita. O Sonho de Wadjda foi recebido no Ocidente como uma história sensível e comovente que destacou a vida em grande parte invisível das mulheres sauditas.

Na superfície, o novo filme de al-Mansour, Mary Shelley (ainda sem nome para o Brasil), parece ser uma mudança dramática para ela, e ela admite ter ficado cética, num primeiro momento, quando a produtora Amy Baer lhe pediu para dirigir um filme biográfico sobre aquela romancista inglesa (interpretado por Elle Fanning) que foi pioneira no século 19.

“Quando eles me enviaram Mary Shelley, Eu não estava realmente certa de que iria me conectar com ela”, disse al-Mansour em uma entrevista em Manhattan, para onde ela viajara no mês passado, a fim de participar exibição de seu filme no Festival de Cinema Tribeca. (Ele entra em circuito na sexta-feira.) “Ela é inglesa e ponto final. O que eu sei sobre as coisas inglesas de período?”

Mas quando leu o roteiro, al-Mansour ficou surpresa com os paralelos entre as dificuldades de Shelley para publicar sua obra-prima, Frankenstein (com edição no Brasil pela Via Leitura), e conquistar um nome como escritora, e sua própria experiência como um aspirante a artista em uma cultura muçulmana conservadora em que às mulheres têm sido negados tradicionalmente os mesmos direitos que os homens.

Al-Mansour falou sobre seu novo filme, sobre as reformas culturais que estão transformando a Arábia Saudita e sua surpreendente percepção de como a autocensura pode aumentar a criatividade. Aqui estão trechos editados da conversa.

O Sonho de Wadjda foi o primeiro longa-metragem filmado dentro da Arábia Saudita. Desde então, houve grandes reformas culturais e sociais. Como você acha que isso pode afetar sua carreira cinematográfica e potencialmente abrir as indústrias criativas para outros sauditas, especialmente mulheres?

Tínhamos permissão para filmar O Sonho de Wadjda, mas mantivemos a discrição, porque não queríamos que as pessoas ficassem contrariadas por estarmos filmando. A Arábia Saudita estava se abrindo enquanto estávamos filmando, mas não é como agora. O cinema é legal, e agora eles estão começando a dar dinheiro aos cineastas sauditas. Eu estou trabalhando em outro filme agora com o Ministério da Cultura chamado O Candidato Perfeito(tradução preliminar), sobre uma jovem que está abraçando a política e quer concorrer nas eleições municipais. Eles estão apoiando isso. É surpreendente ver a Arábia Saudita se abrindo como um lugar para as mulheres e as artes.

Como trabalhar em Mary Shelley foi diferente de dirigir filmes no Oriente Médio?

Quando eu estava filmando em Riad, não podia ir à rua - eu precisava ficar em uma van com um walkie-talkie, e sempre tinha que carregar o fardo da censura. A autocensura é parte de mim quando trabalho no mundo árabe. Quando comecei a trabalhar no Ocidente, a liberdade era maravilhosa. Foi bom estar envolvido apenas com a minha arte.

Você pode falar mais sobre autocensura e como ela molda seus filmes árabes?

Eu venho de um lugar conservador e sempre quero respeitar minha origem. Não quero ir e fazer algo que seja ofensivo, pois isso coloca um bloqueio entre você e o público. Eu sinto que posso apresentar meu trabalho de uma forma que esse público vai gostar e compreender, especialmente quando se fala sobre os direitos das mulheres ou de fortalecer jovens meninas em uma sociedade conservadora. Como eu sou dessa cultura, entendo isso. Isso me fez dizer as coisas de forma diferente, e é um exercício interessante. É preciso ser criativo para dizer coisas.

Como seu contexto de crescer em uma cultura extremamente conservadora moldou a forma de abordar a história de Shelley?

Vindo de onde vim, sei o que significa ser discriminado. Mas não é sobre isso, é sobre como podemos ter sucesso e ajudar as mulheres a avançar, e Mary Shelley realmente teve sucesso, apesar de tudo. Foi a isso que me apeguei, porque é o que eu acho que devemos fazer como mulheres, romper com os estereótipos do que as pessoas esperam de nós.

O que você acha do fato de que Pantera Negra tenha sido o primeiro filme a ser exibido publicamente na Arábia Saudita?

Eu acho que é muito bom! É um filme diferente; há muitas guerreiras fortes; então é muito bom vê-las abraçando a diversidade. Espero que as audiências sauditas vejam que as mulheres podem arrasar.

Que outros filmes você gostaria que o país exibisse?

Mary ShelleyMulher Maravilha, e espero que também vejamos mais filmes saindo da Arábia Saudita.

Há planos para exibir Mary Shelley lá?

Eles me enviaram o material de imprensa de países para onde eu deveria ir para promover o filme, e um deles era a Arábia Saudita. Eu fiquei surpresa. Incrível! Eu espero que mostrem isso na Arábia Saudita, porque é uma história sobre uma jovem que quebra barreiras e tenta ter sua voz ouvida. E ela é menosprezada intelectualmente, o que é uma história muito comum para as mulheres em todos os lugares, e é claro, na Arábia Saudita pois um país ainda muito conservador. Mas em todo o mundo, as mulheres, intelectualmente, não recebem o mesmo respeito que os homens. Por isso, espero que as mulheres mais jovens vejam o filme e se inspirem.

Eu imagino que, se exibirem o filme, eles vão cortar as cenas de amor mais explícitas entre Mary e Percy Shelley. Como você se sente sendo censurada?

Comigo, tudo bem. Eu acho que é incrível ter o filme exibido na Arábia Saudita, e esse é o jeito de se fazer isso. Não é um tudo ou nada. / Tradução de Claudia Bozzo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.