Quatro pedras

Quatro pedras

Bernardo Kucinski, O Estado de S. Paulo

27 Dezembro 2014 | 16h00

:::MUNDO REAL::: Esta ficção foi baseada nos seguintes fatos de 2014: Em janeiro, o prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) deu início ao programa Braços Abertos, que, em vez de reprimir, ofereceu emprego, moradia e tratamento médico aos viciados da cracolândia. Em dezembro, havia 513 dependentes no programa - 122 em tratamento voluntário contra dependência.

Um rapazola entra pela porta da frente. O outro contorna a casa e vai ao quintal dos fundos. O que entrou pela frente passa da sala à cozinha na ponta dos pés e surpreende a velha que está ao fogão, de avental.
- Oi vó!!
- Ai, que susto você me deu!
- Cê ta fritando o quê?
- Bolinho de arroz. 
A velha retira os três bolinhos já tostados da frigideira, e põe a fritar outros três. Depois, pega com a mão nacos da massa e vai enrolando novos bolinhos.
- Você quer?
- Outro dia vó, hoje tô com pressa.
- Gustavinho, e a tevê que você levou para consertar? 
- É que falta uma peça.
- Mas demora tanto assim?
- É vó...é que vem de São Paulo.
A velha não tira os olhos do fogão. O rapazola encosta-se na porta semiaberta que dá para ao quintal.
- Vó, acho que tô com um machucado na perna.
- A velha recolhe os três bolinhos da frigideira, fecha o bocal do gás e limpa as mãos no avental.
- Deixa ver, Gustavinho. Vamos pra sala que meus óculos estão lá.
O rapazola faz um sinal ao que está no quintal e segue a avó.
No quintal, o outro rapazola desatarraxa o bujão de gás, deita-o no chão e o vai rolando pela lateral da casa até o portão da frente.
Na sala, o rapazola, de pé, arregaça o lado direito da calça. Com o canto do olho fita pela janela a lateral da casa.
A velha coloca os óculos e se debruça. 
- Não estou vendo nada, Gustavinho.
- Vai ver que já sarou.
A velha ergue-se. 
- Brigado, vó, tô indo. Tchau.
O rapazola dá um beijinho na testa da velha e sai às pressas. Na rua ajuda o amigo com o botijão de gás. Cada um pega de um lado.
- Quanto você acha que vale?
- Já te disse, mesmo vazio dão 20 paus.
- Legal, dá pra quatro pedras.

JORNALISTA, ESCRITOR, PROFESSOR DA ECA-USP. NASCEU EM SÃO PAULO. AUTOR DE K - RELATO DE UMA BUSCA E VOCÊ VAI VOLTAR PRA MIM (COSAC NAIFY) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.