Sob a brisa do Caribe

Três observadores refletem sobre Bento XVI na sua primeira viagem à América de língua espanhola como pontífice. O sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto calcula que foi o México, e não Cuba, o ponto alto do roteiro: "Lá, 80% das pessoas são católicas e 100% devotas da Virgem de Guadalupe". Seu colega José de Souza Martins destaca a ida à ilha dos Castros: "Há um surto religioso em Cuba desde a visita de João Paulo II". E o teólogo Leonardo Boff, entre relembrar o mestre que o formou e depois o censurou, avalia que não é a América Latina, mas a Europa, a prioridade do papa alemão: "O que o preocupa é o cristianismo agônico naqueles países".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.