Soltando faísca

Depois de 28 dias, termina a greve dos funcionários dos Correios.

O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2011 | 03h08

Os bancários fizeram acordo, mas aguardam definição. Irritada,

a presidente Dilma mandou cortar o ponto dos primeiros e chegou

a ameaçar fazer o mesmo com os segundos. Sinal de tempos duros na

negociação? Para o sociólogo Ricardo Antunes, no "continente do labor", como ele chama a América Latina, é assim mesmo: lutar para conseguir o mínimo. "Tem de saber o que é vital, mas, se tudo é prioritário, por que o salário não é?" Para o também sociólogo José de Souza Martins,

as greves revelaram um perigoso desdém. "Faltou incluir na pauta

as injustiças que também vitimam os usuários dos serviços."

Págs. J4 e J5

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.