Nicolas André Monsiau
Nicolas André Monsiau
Imagem Sérgio Augusto
Colunista
Sérgio Augusto
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Teatro de Molière é perfeito para definir o tempo em que vivemos

Os 400 anos do comediógrafo são celebrados com montagens mundo afora

Sérgio Augusto, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2022 | 16h00

Alguém só um pouco mais crescido que o menino que aporrinha o pai até descobrir o significado da palavra “plebiscito”, no antológico conto de Artur Azevedo, perguntou-me o que quer dizer “tartufo”. Não a homônima guloseima à base de chocolate, que ele já conhecia sob a forma de sorvete, mas os bípedes dignos desse epíteto; ou seja, aqueles indivíduos dados a cometer tartufarias ou tartufices. Gente que, evidentemente, não presta.

Como são muitos ao nosso redor, vez por outra não resisto à tentação de aludir ao traste que lhes deu origem e nomeada, substituindo com seu eufônico nome – Tartuffe (entre nós, Tartufo) – adjetivos bem mais corriqueiros como hipócrita, fingido, dissimulado, impostor, velhaco, espertalhão.

As gerações mais velhas e mais bem escolarizadas sabem de onde veio a palavra e quem a celebrizou: Molière, o maior comediógrafo da França, o Shakespeare gaulês. Dos tipos inesquecíveis que ele imortalizou no palco – o avarento Harpagão, o hipocondríaco Argan, o palerma Orgon – o farisaico Tartufo foi, et pour cause, quem mais impacto popular causou. Nenhuma outra de suas peças foi tão encenada desde sua primeira apresentação, em 12 de maio de 1664. 

Embora os 400 anos de Molière, comemorados desde janeiro com centenas de montagens mundo afora, já justificassem este raquítico comentário, o que em verdade me moveu foi a permanente atualidade de Tartufo ou O Impostor, vale dizer a universalidade do que seu protagonista representa. 

Vivemos num mundo envenenado pela hipocrisia, que, basicamente, é o ato de exigir dos outros o que não se pratica. 

Temos na Presidência o mais desinibido Tartufo de nossa história republicana, useiro e vezeiro em atribuir a adversários vilanias só por ele afinal praticadas, como a oficialização da mamata e a primazia da promiscuidade política. O indulto a um bandido amigo, sua mais recente tartufaria, vale lembrar, foi artimanha herdada dos golpistas fardados de 64, que, em nome de “ideais democráticos”, aqui implantaram uma ditadura, o suprassumo da tartufice, que durou 21 anos e calou e matou muita gente.

Assisti a uma montagem de Tartufo no Teatro Municipal do Rio e a outra em sua ribalta cativa, a Comédie Française, muito depois de ter lido a peça como parte do currículo de francês do colégio. Era bem outra a qualidade do ensino público. 

Já que se tratava de um clássico da comédia, ao comentário por escrito exigido pela professora dei um título brincalhão. Inspirado pelo maior sucesso do teatro de revista daquele ano, Bom Mesmo É Mulher, do grande Max Nunes e dois coautores, não pensei duas vezes, e lasquei “Bom Mesmo É Molière”. Aprovado com louvor. 

Tudo o que sabemos sobre:
Molièreteatroliteratura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.