Uma fábula que pode não ser feliz, mas é bonita

cinema

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2007 | 22h30

"Talvez quem espere de Cidade dos Homens uma continuação de Cidade de Deus venha a se decepcionar. Mas isso é o que de melhor poderia acontecer com o filme de Paulo Morelli - não seguir os traços de sucesso daquele divisor de águas do cinema brasileiro e dar um rumo pessoal aos seus personagens. O risco de parecer uma contrafação do primeiro era grande. Cidade dos Homens é o ambiente de Cidade de Deus, mas fotografado em seu inverso. Em vez dos traficantes, no primeiro plano estão as pessoas normais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.